A Tam Expande a Oferta dos “Assentos Conforto” para todos os vôos ligando o Brasil aos EUA e a Europa

5 de July de 2010 | Por | 20 Comentários More

Pessoalmente acho que a cobrança extra (50 Dólares ou Euros ou Libras de acordo com a rota) pelos assentos na primeira fileira ou nas saídas de emergência que possuem mais espaço para as pernas não combina com a proposta da Tam. Ainda acho que fornecer esses assentos aos clientes portadores de status elite dos programas Star Alliance ou a portadores de necessidades que justifiquem maior espaço seria mais adequado e mais produtivo do ponto de vista comercial e de propaganda boca a boca.

Enquanto algumas cias aéreas criam uma classe econômica superior (intermediária entre a Executiva e a Econômica) com assentos melhores, com maior inclinação, apoio para pés, entre outras facilidades, e cobram um valor mais elevado por isso, a Tam optou por agir como uma low cost cobrando um extra pelo pouco que oferece a mais (o assento conforto é idêntico aos demais). Para mim é pensar pequeno para quem quer ser grande, já que ela poderia viver sem o lucro dessa taxa extra e cativar ainda mais seus clientes freqüentes. Mas como o recente post sobre a Tam e os comentários postados neles permitem inferir, a Tam não está muito preocupada em agradar quem é fiel a ela… Para aqueles que perguntaram, a Tam infelizmente não entrou em contato com o Aquela Passagem para passar sua versão dos fatos ou para fornecer sua resposta ao grande número de comentários daquele post.

Mas se você tem uma altura acima da média do brasileiro, pagar essa taxa pode ser a única opção, se você não puder adquirir um assento na Executiva, para se ter um pouco mais de espaço para as pernas em um vôo de longa distância na Tam.

Tags: ,

Category: Cias Aéreas, Para um vôo tranquilo

Comentários (20)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. henrique says:

    oi rodrigo
    voei nessa “classe conforto” e escrevi meu relato lá no zumo (falo de tech, mas achei que era relevante): http://zumo.uol.com.br/2010/07/04/review-assento-conforto-tam-sim-gostamos-de-avioes/

    Responder

  2. Ernesto says:

    Recomendo o blog acima. As fotos são bem interessantes.

    Pessoalmente pagaria os 50 dólares pelo assento decente.

    Responder

  3. Ricardo Oliveira says:

    Rodrigo,

    Acho que cobrar por esses assentos numa primeira análise parece antipático. Pensar que uma mulher grávida ou alguém com um bebê no colo possa ser acomodado ao lado do banheiro, na última fila, por que outro pagou 50 dólares é algo inaceitável. Também concordo que os clientes elite poderiam ter esse mimo se pagar nada. Afinal voam mais e se voam mais o assento do lado do banheiro é mais cruel para eles. Agora, tirando essas situações prefiro ver o assento claramente sendo comercializado do que ser direcionado ao primo do amigo do filho do irmão do gerente do setor de check in da empresa A ou B. Se houvesse garantia de que o cliente que chegou antes leva o assento tudo bem. Mas na prática quando vc chega antes e pede por ele o assento está sempre reservado a um eventual futuro passageiro que possa precisar dele “idoso” ou descapacitado. E se vc chega em cima da hora já está ocupado. Então, já que são mais cobiçados, é mais transparente que sejam comercializados e fim de papo. Claro que tudo isso só tem sentido se, como falei no início, mulheres grávidas, ou com bebês no colo e pessoas com dificuldades de locomoção não forem preteridas por 50 USD.
    Continuo indicando seu blog aos amigos. Não nos abandone.
    Um abraço

    Ricardo

    Responder

  4. Ermesto says:

    A questão da acomodação dos passageiros prioritários (gestantes, idosos, etc…)sem a cobrança de tarifa, a meu ver deveria ser objeto de lei.

    Responder

  5. Onézimo says:

    Meu Caro Rodrigo:
    Sei que aqui não seria o local ideal para este comentário, mas como não achei um contato com o blog, vai aqui mesmo:

    Como sei que aqui somos usuários do ita gds vê so a materia publicada no panrotas.
    http://blog.panrotas.com.br/tendenciasetecnologia/

    abraços

    Onézimo

    Responder

    Rodrigo Purisch respondeu:

    Onézimo,

    Fiz uma reflexão sobre isso ainda no tempo da especulação:
    http://www.aquelapassagem.com.br/mercado-de-turismo-convive-com-mudancas-rapidas-e-o-google-vem-ai/

    Um abraço

    Responder

    Andre Assuncao respondeu:

    Não consigo achar nenhum site (principalmente os que usam ITA) com melhores preços que o Decolar (pelo menos para voos internacionais) qual o sistema que eles usam?

    Responder

  6. Rosa says:

    Meu marido é idoso, mas toda vez que pedimos preferência nesses assentos, os mesmos já estão ocupados e quando a gente entra no avião vê pessoas sem nenhum critério de prioridades (idosos, deficientes, gestantes e pessoas com crianças de colo). Concordo com o Ricardo: o critério de ocupação desses assentos deve ser mesmo o primo do amigo do filho do irmão do gerente do setor de check in da empresa A ou B. não tem transparência nenhuma.

    Responder

  7. Adolfo says:

    Pessoal, o uso do assento “conforto” será apenas quando não houver as prioridades de assentos como crianças em berço, menores desacompnhados e clientes com cão-guia, isto é norma da ANAC e consta no regulamento da TAM. Se alguém pagar a mais pelo assento e não houver disponibilidade, eles terão que reacomodar o pagante e devolver o dinheiro. Nos assentos de saída de emergência, não podem se acomodar idosos, gestantes, crianças, deficientes e pessoas que não tenham capacidade de entender o funcionamento das portas de emergência ou de operá-las (a porta pesa no mínimo 15 kg). Aqui no Brasil isso é pouco observado, mas em alguns lugares os passageiros de saída de emergência tem até “curso” de operação antes da decolagem.

    Sobre os idosos, a prioridade existe apenas para o embarque. Não há motivo de assentos especiais como no transporte público por conta dos assentos serem marcados. Mas bem que poderiam priorizar estes passageiros no desembarque também (imagina a bagunça que seria, já que todo mundo se levanta até antes do avião parar) e colocá-los em um veículo decente, no caso do desembarque fora do finger. É um absurdo idosos em pé no ônibus e as malas sentadas.

    Responder

    Ernesto respondeu:

    A questão do uso das protas de emergencia e segurança foi muito bem lembrada. Um dos passageiros precisa ter força para empura-la. Mas, parece que segurança não é a prioridade.

    Responder

    Emilio respondeu:

    Adolfo,

    O caso que você relata no final sobre idosos em pé no ônibus (aeronave para sala de desembarque) vi acontecer várias vezes. E detalhe ninguém levanta para ceder lugar. Nem sempre as regras de bom senso e educação acontecem. As vezes esquecemos que um dia seremos nós os idosos.

    Abraços

    Responder

  8. Adolfo says:

    Quanto à cobrança, lamentável – viva o monopólio !!!

    Responder

  9. Manolo says:

    Quem tem um assento um pouco melhor, que reclina e tem mais espaço, paga 50 a mais.

    Quem tem um assento normal, que reclina, paga a tarifa normal.

    E quem senta em assento que não reclina, paga menos? Pela lógica deveria pagar menos, não é?

    Responder

    Ana respondeu:

    Pois é, Manolo, mas este mes eu enviei minhas duas filhas menores (9 e 11 anos) desacomapanhadas de SP para Miami, paguei uma taxa extra de 75 dólares e colocaram as meninas nos assentos que não reclinam. Um absurdo.

    Responder

    Rodrigo Purisch respondeu:

    Então deveriam cobrar menos por esse “assento desconforto”….. Como elas não podem reclamar….

    Responder

    Ricardo Oliveira respondeu:

    Boa Rodrigo!!!! É isso mesmo!!! Os passageiros que, em voos lotados, fossem ¨acomodados¨ nesses ¨assentos desconforto¨ deveriam receber algum tipo de compensação. Se as empresas tivessem a mesma visão de marketing que tiveram ao cobrar pelos ¨assentos conforto¨ deveriam ou dar um desconto ou oferecer algum mimo. Sugiro acesso nas salas VIP dos terminais internacionais! Um bom gole de vinho por conta da empresa antes de embarcar deixaria o ¨assento desconforto¨ mais macio.

  10. Mariana says:

    Viajei agora pela TAM a Paris e fiquei com pena de quem pagou 50 “dinheiros” a mais. Apesar de ter mais espaço, ter que ficar o vôo inteiro com gente tropeçando nos seus pés é triste. Falo isso porque 4 assentos vendidos no A330 são perto do banheiro e passagem de um lado a outro. Ou seja, quando um dos banheiros está ocupado, fatalmente a pessoa vai passar para o outro lado. Eu mesma tropecei duas vezes num coitado. Mas na volta, de primeira classe emitida com milhas, a TAM foi irrepreensível. Triste, mas verdade.

    Responder

  11. Viajei em um voo de Nova York para o Rio no primeiro dia 25/02 de operação do assento conforto da Tam, sinceramente achei a proposta bastante interessante pelo fato de usar as poltronas da primeira fileira e saida de emergência como assentos especiais, pagando 50 dolares, mas acho que cobrar de gravidas e pessoas com crianças de colo como estão fazendo acho desnecessário. Alem do que o pagamento da tarifa extra pelo assento acredito que deveria ser feito no check-in não ter de deslocar-se para pagar na loja da Tam.

    Até fiz um post em nosso blog a respeito sobre os assentos conforto Tam que está gerando bastante controvérsia nos comentários caso tenha interesse segue link:

    http://dicasdeferias.com/2010/02/viajando-nos-assento-conforto-tam-comfort-seat-tam/

    Sds

    Thalles Bezerra

    Responder

  12. Louise says:

    Mariana, vc não observou bem entao. Sempre vôo Paris-Rio, pelo menos 4 vezes por ano. Sempre escolhi o comfort seat na janela, ao lado da porta de emergência. Existem vários espalhados pela aeronave. E a melhor coisa q existe p quem viaja muito e não suporta ficar presa por horas numa cadeira apertada.
    Sou fã do assento e concordo com a tarifa.
    Só de ter a liberdade de levantar quando quiser sem incomodar e ser incomodada, não há preço que pague!

    Responder

  13. usuaria says:

    tive que pagar 50 euros por trecho relativos ao assento confort plus da TAM as 2 ultimas vezes que viajei com minha filha (menos de um ano de idade) apesar de ter reservado um berço.
    Parece contrario à resolução Nº 9, DE 5 DE JUNHO DE 2007 da ANAC. Minha reclamação ficou sem resposta até hoje.

    Responder

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.