Azul: Como é Voar Nela. Um Resumo dos Meus 12 Vôos em 19 Dias!

19 de November de 2009 | Por | 34 Comentários More

No passado, março de 2009,  já postamos as impressões do Tony sobre como é voar na Azul. Dessa vez vou fazer um resumo dos meus 12 vôos na Azul realizados em 19 dias. Nesses dias, passei pelos aeroportos de Campinas, Navegantes, Santos Dumont (Rio de Janeiro), Maceió e Fortaleza, além de Confins que serve a Belo Horizonte, onde moro. Como a Azul tem poucos vôos diretos saindo de outros aeroportos que Viracopos, a maior parte dos meus deslocamentos envolveu 2 vôos (um até Viracopos e outro até o destino final). Dessa forma acho que já posso falar como é voar na Azul com algum conhecimento de causa!

Preços

A minha idéia inicial era fazer uma viagem ao exterior. Ainda acredito que viajando ao exterior gasto igual ou até menos que viajando dentro do Brasil, já que  os custos da estadia e  de aluguel de carros no Brasil (necessário na maioria das nossas cidades por conta de um transporte público ineficiente ou caro – entenda-se taxis) conseguem ser superiores aos custos de outros países mantendo serviços semelhantes. Em muitos países, a fator segurança ainda é um fator de atração que me agrada.

Mas não é que a Azul lançou mais uma de suas campanhas publicitárias com o nome de  Passaporte Azul? Como já disse, toda promoção é antes de tudo uma jogada de marketing (e a Azul não nega que usa desse artifício), mas que alguns consumidores podem sair lucrando com ela. Essa foi minha vez de lucrar. Apesar das regras que impossibilitavam voar as sextas ou aos domingos, além dos feriados  (dificultando as viagens de fim de semana e feriado) e do período de validade do passe ser distribuído entre dois meses (não é comum alguém ter férias divididas entre dois meses consecutivos), elas não foram suficientemente restritivas para me impedir de aproveitar o Passaporte Azul. Trabalhei dobrado uns dias e consegui sair de férias  (do trabalho direto para o aeroporto) no dia 29/10/09, aproveitando assim a última data possível antes do feriado de Finados.

Paguei R$ 499 pelo passe e R$ 144 pelas taxas. Esse valor ainda poderia ser parcelado em 6 vezes caso eu quisesse.

A Azul recentemente enviou um email relatando que deve repetir a venda do Passaporte Azul no futuro e que dessa vez a compra poderá ser feita on-line. Ela avisa que quem comprou o Passaporte será  alertado com antecedência da nova edição.

Compra dos Passaportes

O procedimento de compra dos Passaportes deveria ser feito pelo telefone. Fiz um primeiro contato, já no início da promoção para me inteirar sobre as regras. Não demorou para ser atendido no Call Center. A atendente foi muito amável e me informou tudo que eu necessitava. Fez uma força enorme para que eu adquirisse os Passaportes naquele momento, mas eu tinha que definir datas e locais de estadia. Com tudo decidido, liguei alguns dias depois,  mas após esperar uns 20 minutos na linha (não era 0800!), decidi tentar mais tarde. Usei a mesma estratégia que uso na Central Smiles, liguei tarde da noite (ou ligo no final da madrugada). Mais uma vez, fui muito bem atendido. O processo demorou um tempinho, eram 2 passaportes e a reserva tinha que ser feita trecho a trecho. Alguns dias mais tarde, já ligando de madrugada, incluí mais dois trechos no Passaporte.

Não tive problema algum em encontrar assentos disponíveis nas datas escolhidas. Ser atendido no horário de pico no Call Center não foi tarefa fácil, mas como optei por horários alternativos não tive muita dificuldade.

Parabéns ao Call Center da Azul, que se mostrou em muito superior no atendimento comparado ao Call Center da Gol/Smiles, Tam/Fidelidade Tam e da Trip.

Transporte De/Para o Aeroporto de Campinas/Viracorpos

Usei o transporte da Azul apenas numa Day Trip a Sampa. Na verdade  foi uma viagem de última hora. Acabei ficando apenas 4 horas em Sampa, já que o tempo de deslocamento de Viracopos até São Paulo e vice-versa e o horário do último vôo da Azul para BH não ajudam a quem quer ir e voltar a São Paulo no mesmo dia (não deu  nem para avisar aos amigos que estava indo a São Paulo).  Mas blogueiro de passagem aérea não perde uma chance de testar os serviços de uma cia aérea.

Usei a linha que liga Viracopos ao Terminal da Barra Funda em São Paulo. Os ônibus partem em frente ao aeroporto de Viracopos . Você sai com  o ticket na mão e procura a fila que se forma em frente a plaqueta da linha que você desejar.  Não demorou muito e ônibus partiu lotado em direção a Barra Funda. Nada  TV ou Wi-Fi  nesse ônibus, apenas um irritante barulho vindo do ar condicionado semelhante ao ouvido voando em Fokker 100… O desembarque foi feito sem problemas no Terminal da Barra Funda. De lá peguei o Metrô.

A volta partiu também do terminal da Barra Funda, mas o embarque (necessário apresentar a reserva do vôo) foi mais confuso. O local de parada do ônibus não é fixo (da plataforma 6 a 8 do Terminal Turístico) e não há uma fila. Quando o ônibus chegou foi uma correria dos 3 ou 4 grupos que aguardavam o ônibus. O motorista, muito mal humorado por sinal, parou o ônibus com a porta colada em uma caçamba de entulho dificultando a entrada dos passageiros. Embarcado e relevado o mau humor do motorista, a viagem foi tranquila. Dessa vez com Wi-Fi (que insistia em cair a toda hora), mas sem TV. Desembarque em frente ao terminal do aeroporto junto aos balcões de check in.

Os horários dos ônibus são restritos e eles não esperam os vôos atrasados (não há como fazer isso prejudicando os demais passageiros), mas sendo um serviço gratuito é  uma boa opção. Só não dá para ficar fazendo propaganda de TV e Wi-Fi no site se todos os ônibus não seguem os mesmos padrões…

Cheguei a ver o micro-ônibus usado pela Azul em Navegantes para ligar o aeroporto a Blumenau, porém não fiz uso do serviço.

Check In

Apenas no aeroporto de Maceió e Fortaleza (onde os funcionários estavam um pouco mais estressados) vimos uma fila mais longa. Nos demais aeroportos, o check in foi rápido e os funcionários da Azul muito atenciosos.

Pontualidade

Nesses 12 vôos não tive atrasos superiores a 30 minutos, na verdade apenas 3 vôos tiveram algum atraso. Apesar de termos conexões bem justas em Viracopos, não tivemos problemas com nenhuma delas. Ponto para a Azul.

O Avião

Voamos nos Embraer 190 e 195.  Das 12 aeronaves da Azul, voei em 7 delas. Seu interior continha assentos de couro ecológico muito confortáveis e macios.  Arrisco-me a dizer que são os melhores assentos voando vôos domésticos  no Brasil. Senti falta apenas daquela proteção de cabeça (paninho higiênico) nos assentos e de um apoio lateral de cabeça (mas isso já é pedir demais, já que nenhuma cia opera vôos nacionais no Brasil com esses apoios).

Voei também numa das cadeiras da frente com maior espaço para pernas, de couro cinza claro, e realmente o espaço é mais do que suficiente. Para uma pessoa de estatura mediana como eu, não notei a necessidade de pagar mais por esses assentos por cauda de espaço, já que eles não reclinam mais que os assentos padrões, nos quais  já  tinha me  sentido muito confortável.

Interessante foi notar que muitos assentos rangem ao ser reclinados e que muitos encaixes das borrachas dos apoios de braço estão mal ajustados apesar das aeronaves serem novas. O setor de qualidade da Embraer precisa de ter mais atenção. Outra coisa que irrita é o sinal para chamar o comissário. Apesar dos 3 leds bem chamativos ao pessoal de bordo acionados ao apertar o botão, ele emite um ruído alto, acima do normal. Ruído esse que incomoda quem tenta sonecar em um vôo mais longo.

Apenas quem senta nos últimos assentos pode sentir uma falta de espaço de bagagem de mão, já que os últimos compartimentos de cada lado são usados para acomodar o material usado no serviço de bordo.

Já os monitores de LCD individuais nos assentos só deram o ar da graça em apenas dois vôos dos 12 que fiz. Apenas em dois E190 ex-Jetblue.  Mas para  os ver funcionando, ou você espera até o meio de 2010 quando devem entrar em funcionamento ou tem a sorte de voar com o presidente da Azul, Sr Pedro Janot,  quando são colocados para funcionar , mas isso é assunto para um outro post. Um pena, já que mais uma vez a Azul colocou a propaganda antecipando em muito a realidade. A história dos monitores individuais foi parte da propaganda da Azul antes mesmo de começar a voar.

Serviço de Bordo

A Azul tenta imprimir uma ar menos formal a tripulação. Muitos se encaixam bem a este estilo, outros tem profunda dificuldade. Tivemos contato com dois tripulantes que tremiam como vara verde ao realizarem seus discursos de boas-vindas. Mas o ambiente parece agradável e a maioria dos comandantes deixam os passageiros informados sobre as condições do vôo.

Ao chegar ou sair das aeronaves, somos sempre recebidos pela tripulação com uma saudação. Mais uma vez os funcionários da Azul se mostraram acima da média. Ponto para a Azul.

Só cansa ouvir em 12 vôos sobre o serviço de ônibus que a Azul mantém em Viracopos e Navegantes, já que há muito não são novidades.

Como o Tony já disse:  “não há carrinhos de bebidas. As comissárias passam pelos assentos anotando os pedidos de bebidas e depois vem distribuindo pelos assentos. Você recebe a lata inteira da bebida escolhida acompanhada por um copo com cubos de gelo. Se a barrinha de cereais de outras cias alcançou a fama, o cesto de aperitivos da Azul vai pelo mesmo caminho. Na hora de comer, as comissárias passam um grande cesto no qual estão dispostos pacotes de batatas fritas, amendoim tipo japonês, biscoitos salgados e doces e mini waffles, todos eles em embalagens personalizadas com a marca da Azul. O passageiro escolhe o que quer e pega quantos pacotes achar conveniente”. Em apenas 2 vôos dos 12 havia todas essa diversidade de Snacks. Na maioria, havia apenas um salgado e outro doce. A batata era quase onipresente.

Oferecer uma lata inteira de refrigerante e snacks à vontade  é um diferencial da Azul diante da concorrência. E não é só no avião, você também vai ver esses snacks coletados durante os vôos fazendo a festa dos consumidores da Azul nos aeroportos ou nos ônibus. Dependendo do tempo de vôo, no final é oferecido café com biscoito doce.

Talvez pela concentração de vôos em um curto período, do meio em diante dos vôos não senti mais vontade de comer batata frita ou wafer de chocolate. Um pouco mais gorduroso do que ando podendo comer e um tanto quanto repetitivo. Passei a comprar um sanduíche no aeroporto… Fiquei pesando em que faz a ponte Campinas/Rio de Janeiro com frequência… Acho que uma maior variedade de biscoitos ou parcerias com outras companhias que queiram fazer conhecer seus produtos aos consumidores da Azul podem ser  opções para a monotonia que se tornou o serviço após um certo número de vôos. Já cheguei a experimentar produtos em vôos nacionais e internacionais que inicialmente não seriam minha opção de compra e que passaram a fazer parte das minhas opções após essa degustação.

O que é legal para o consumidor não me pareceu prático para os comissários. Ficar carregando no braço uma cesta cheia de snacks pelo corredor ou uma bandeja carregada de bebidas pareceu-me desconfortável para algumas comissárias (muitas ficavam apoiando a cesta no abdome em uma posição não ergonômica). Ao ver o cruzamento dos comissários pelo corredor, quase vi bandeja ou cesta chocando-se com a cabeça de passageiros sentados.  Posso estar errado, mas fiquei com a sensação de que esse modelo de serviço não veio para ficar e no futuro pode migrar para o estilo Gol atual. Vamos torcer para que eu esteja errado.

Bagagens

Bem transportadas e chegaram rapidamente nas esteiras. Apesar das diversas conexões não tive problema com nenhuma mala. O pessoal da Azul costuma conferir com cuidado o estado de conservação das malas no check in, anotando desgastes ou danos pré-existentes.

Nossa Avaliação

Independente do Passaporte Azul que nos deu a oportunidade de voar muito pagando pouco, o custo benefício da Azul é francamente positivo, principalmente para quem mora em Campinas e algumas partes de São Paulo. Como moro em Belo Horizonte, tudo que não seja Campinas me obriga a fazer conexão. Se não fosse o Passaporte Azul, provavelmente teria escolhido alguns vôos da concorrência. Gastei no deslocamento de Belo Horizonte ao Rio de Janeiro quase o mesmo tempo (incluído o deslocamento de/para aeroporto) que se tivesse ido de carro. A Azul promete mudar isso no ano que vem. Vamos torcer.

O atendimento de todos os funcionários da Azul foi superior ao que normalmente recebo em média nas demais cias nacionais (olha que ainda sou cliente Ouro no Smiles). Não sei se é fruto de uma nova geração, de uma boa política de recursos humanos ou das condições de trabalho ou se a concorrência ainda encontra-se anestesiada pelos momentos de caos vividos no passado que geraram tantos conflitos entre passageiros e pessoal das cias aéreas, mas a Azul está de parabéns pelo serviço de seus funcionários.

Esse assunto será alvo de um outro post, mas sinto uma necessidade do marketing da Azul focar mais no real, no passageiro, no humano e menos no virais, nas promoções visando exposição fácil e grátis de mídia ou no que vai oferecer e ainda não oferece.

Se voaria de novo na Azul? Claro que sim! Mas minha decisão de compra leva em consideração mais do que apenas preço. A existência de vôos diretos, a frequência de vôos, a possibilidade de acumular milhas/pontos (não gosto muito do sistema de cash back usado pela Azul no Todo Azul) também são levados em consideração. Como já disse, morando em Belo Horizonte, a Azul não se mostra tão interessante como para quem mora em Campinas e imediações.

Tags: ,

Category: Trip Report

Comentários (34)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Natalie says:

    Eu moro em Valinhos – ao lado de Campinas. Você não imagina como a Azul foi importante para a região. É muito mais pratico sair de Campinas do que ter que ir até SP de onibus para pegar uma simples ponte aérea.

    Responder

  2. Ed says:

    Eu acho que o bom atendimento ainda reflete o tamanho reduzido da equipe — manter a qualidade com aumento de escala é sempre um desafio, vejam a irregularidade da TAM nesse aspecto. O futuro dirá. E ainda me incomoda muito o marketing metido a espertinho da Azul. É sempre bom não menosprezar a inteligência do cliente.

    Responder

    Paulo Rosa respondeu:

    Concordo como Ed quanto ao “marketing metido a espertinho da Azul”. Como eu disse antes, nunca voei na Azul, mas a verdade é que nunca gostei muito do tom auto-confiante-semi-arrogante do seu dono, Janot. Do modo como ele fala, até parece que não existem as concorrentes e se existem, é só uma questão de tempo para que desapareçam. Pra mim isto é arrogância pura…

    Responder

  3. Felipe V. says:

    Viajei recentemente agora em outubro pela JetBlue, no trecho JFK-LAS-JFK, e pelo que pude perceber, lendo o relato do Rodrigo, é que a Azul segue quase que fielmente o serviço da Jet.

    Responder

  4. Gustavo says:

    Acho que qualquer companhia pode fazer sucesso em um país com escassez de alternativas. Acho também que foi isso que o Rolim percebeu e que sua empresa agora esqueceu. Basta tratar bem o cliente e fazer com que sua experiência de viagem seja boa. De preferência de ponta (compra do bilhete) a ponta (desembarque). Eu não hesitaria em pagar mais caro para ter um serviço melhor. Acho que ainda falta um pouco para a azul e eu não tenho veia de pioneiro, mas se ela tivesse um programa de milhagem mais interessante eu certamente pensaria com mais carinho na idéia.

    Responder

  5. Leo says:

    Caro Rodrigo,
    Muito obrigado pelo blog.
    TEnho uma pergutna: quero ir para a CHina em 24/12/09 e voltar em 31/01/10. A passagem mais barata que encontrei foi a da air china por 1785 dolares incluindo taxas. Pergunta: vc acha que eh seguro comprar com a empresa? (Me lembro que vc jah alertou os leitores no passado. E a situacao atual?). Vc tem outra sugestao? (Desculpe se eh inapropriado, mas vc recomendaria algum agente de viagem em SP ou BSB?)

    Responder

  6. Leonardo says:

    A Azul é uma boa companhia, sim. Pude comprovar isso quando quis testar o respeito da companhia ao cliente numa ocasião em que eu, devido ao mau tempo, perdi a minha conexão e por ter sido na hora do almoço, pedi que pagassem a minha refeição. Não deu outra, me deram um voucher de 20,00 reais para almoçar em VCP sem discussões. Fiquei bem impressionado. Também já necessitei fazer trocas de bilhetes e o atendimento via caal-center o rápido e eficiente.

    Responder

  7. raphael fanezze says:

    olá

    agora que voce ja conhece os serviços da azul, vc poderia fazer um post com as diferenças entre tam,gol,azul,trip,oceanair – montando um ranking, dizendo qual é a melhor e pior em varios aspectos (conforto, pontualidade,etc etc)
    seria bem util para aqueles passageiros que nao buscam apenas preço barato, mas sim custo x beneficio. abraço……

    Responder

  8. Belo relato! Pena que Brasília está a 900 km de Campinas – mas numa dessas promoções, deve acabar valendo a pena fazer o deslocamento até lá e voar diversas vezes. Seu relato com relação ao modo de servir bebidas e salgados é bem parecido com o que a Southwest Airlines faz nos Estados Unidos. Os comissários vão vestidos de calças jeans, bem a vontade, há brincadeiras constantes entre a tripulação e passageiros (o que agrada uns e desagrada outros, claro) e a bebida é servida desse mesmo jeito: anotam os pedidos e depois trazem nas bandejas (com a diferença de que lá vem só o copo mesmo). Bom, quem voa de Southwest já sabe o que esperar. E pelo visto a Azul está bem melhor em termos de qualidade e com bons preços durante a semana também. Nessa hora faz falta morar por ali, em Sampa…

    Responder

  9. Rodrigo Purisch says:

    Sandra,
    tenho que dar uma olhada nas minhas anotações. Me lembro que peguei o ônibus na barra funda as 15:00hs e cheguei em Viracopos na hora exata de fazer o check in (deve ter gastado 1 hora e 20 minutos). Mas em Sampa tudo depende do trânsito e do tempo…. Vou fazer um post sobre esse tema assim que tiver um tempinho.

    Responder

  10. André Cri-Cri says:

    Parabens Rodrigo pelo belíssimo relato. Espero que a concorrência entre as companhias aéreas aumente dia após dia. Quem ganha somos nós!

    Responder

  11. jorge moraes says:

    Achei o relato do Purisch um show de horror. Primeiro, pra valer a pena comprar este tal passaporte, o passageiro deve ter muita gordura para queimar em matéria de tempo, já que há muitas restrições de datas,o que é tbém propaganda enganosa, já que tais restrições não aparecem nos comerciais. Depois o tal onibus de SP a Viracopos, que não tem a bordo o que a propaganda reza. Mas, o pior é tantos voos em Viracopos, se a Azul fosse séria faria seu Hub em Guarulhos, Santos Dumont ou Brasília. Fujam dela.

    Responder

  12. fernando says:

    Prefiro não comentar cotra as cias,porque na verdade dependemos de todas elas.Mas igual a VARIG não vai mais existir, atendimento excelete,desde o checkin ate a tripulação.Oserviço de bordo inexistentes era e é o melhor da aviação Brasileira.
    Foi considerada a segunda empresa mais segura em manutenção do mundo,não vai existir outra igual a AVIAÇÃO AÉREA RIO GRANDENSE (VARIG)

    Responder

  13. pamela says:

    Bom ja viajei de azul o serviço é ótimo mesmo,as aéronaves tbm serviço de bordo,fui para Confins e concordo ir e volta no mesmo dia ñ da de jeito nemhum,as vezes vc tem q ficar esperando de mais em VCP ou chega em São paulo muito tarde.O Serviço de fretamento deixa a desejar mesmo falta de organização e informaçao saindo de São Paulo é pessima,agora que a demanda aumentou q eles estão tentando organizar mas mesmo assim é terrivel,o WI-FI nunca tem ou cai sempre e pegar onibus a noite é terrivel o banheiro fede ta legal que é uma empresa tercerizada mais podiam mudar as caras dos motorista que nunca podem dar informaçoes ou ajudar alguem.

    Responder

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.