Como é Voar na Qatar. Um Trip Report Coletivo Escrito por 158 mãos!

16 de Janeiro de 2011 | Por | 48 Comentários More

 

Qatar Airways

Introdução

Após o sucesso que foi a promoção da Qatar aqui no Aquela Passagem, decidi fazer uma avaliação diferente dos serviços dessa cia aérea e essa experiência resultou neste post, um pouco longo, mas que é subsidiado por um número maior de informações.

Fazer um relato pessoal de uma experiência com uma cia aérea é simples, mas fazer uma avaliação dos serviços de uma cia aérea é algo muito mais complexo e sempre envolve algum grau de subjetividade. Nossas avaliações são sempre influenciadas por experiências anteriores e por um certo grau de expectativa criada antes da nova experiência.

Assim, o mínimo requerido para fazer uma boa avaliação é que quem avalia tenha uma boa experiência em viagens aéreas semelhantes e de preferência também em vôos em cias tidas como de primeiro time. De nada vale comparar o serviço da Qatar com o serviço da Gol, por exemplo, já que ambas oferecem e propagandeiam propostas diferentes.

Visando reduzir o impacto de uma única avaliação pessoal, neste caso a viagem foi realizada por um parceiro de longa data do blog, o Tony (eu tentei conseguir uma tarifa tipo agente  junto a Qatar para fazer exclusivamente o trip report, mas não foi liberada pelo escritório local devido a restrições da Matriz…), colocamos no ar uma pesquisa com participação espontânea dos leitores deste site/blog que viajaram na Qatar nos últimos 6 meses.

Assim com ajuda das informações prestadas por esses 79 leitores que participaram da pesquisa, mais a experiência do Tony, tentaremos fazer um relato mais fidedigno do que é voar com a Qatar e do que se pode esperar dela que é classificada como uma cia 5 estrelas pela Skytrax (ela faz parte de um grupo de apenas 6 cias aéreas, sendo que apenas ela do grupo voa para o Brasil no momento).

Desses 79 leitores que responderam à nossa pesquisa sobre a Qatar, 13 foram responsáveis pela compra de 1 passagem, 43 pela compra de duas passagens, 10 pela compra de três passagens e 6 pela compra de 4 passagens e 7 pela compra de 5 ou mais passagens.

Estamos falando portanto de um universo de no mínimo 188 passagens adquiridas pelos leitores que participaram da nossa enquete. Leitores formadores de opinião.

Dos leitores, apenas 3 compram passagens para viajar na Executiva (sendo responsáveis pela compra de 8 passagens) e os demais viajaram na econômica, como o Tony.

Como base de comparação, os leitores que responderam à enquete fizeram uso das seguintes cias aéreas para voar para fora da América do Sul nos últimos 4 anos:

58% voaram Tam, 33% voaram American, 23% voaram Gol/Varig, 19% voaram Iberia, 18% voaram Tap e Air France, 11% voaram na Lan, 10% na Copa, 9% na Air China, Lufthansa e Continental, 8% voaram na United e 5% voaram na Avianca, Delta, KLM e Mexicana. Apenas 13% dos que responderam à enquete não voaram para fora da América do Sul nos últimos 4 anos.

Rotas Avaliadas

O Tony comprou sua passagem em uma promoção de lançamento da nova rota da Qatar com destino a São Paulo pagando 399 euros por uma passagem Barcelona/São Paulo que incluía um stopover curto (visto, translado, hotel e alimentação) para realizar a conexão em Doha pago pela Qatar.

Uma grande parte dos leitores compraram a promoção inversa, que saiu um pouco depois, nas rotas São Paulo/Madri ou São Paulo/Barcelona com tarifas a partir de 310 USD. Essa promoção foi um sucesso aqui e os posts que tratam do assunto têm hoje cerca de 880 e 350 comentários cada (verdadeiros fóruns de discussão e de trocas de dicas).

Assim, 61% dos leitores voaram a Rota São Paulo/Barcelona, 16%  a Rota São Paulo/Madri, 11% São Paulo/Buenos Aires, 5% São Paulo/Doha, 4% São Paulo/Oriente Médio ou Ásia e 3% voaram outras rotas.

Compra

O Tony realizou a compra de suas passagens através do site próprio da Qatar, que possui versões regionais voltadas para os destinos onde ela opera, inclusive uma em português. Devido à demanda por causa da promoção, não foi fácil para ele encontrar um par de passagens para as datas em que gostaria de voar, mas o processo de compra, segundo ele, foi simples e as opções oferecidas eram claras e transparentes. Durante o processo de compra, ele pode escolher seus assentos e em um determinado momento foi avisado de forma clara que o cartão de crédito usado para comprar as passagens deveria ser apresentado no momento do check in. Um alerta do Tony que assino embaixo: vale ressaltar que ao se fazer uma compra on-line convém sempre ler atentamente todos os textos que aparecem na tela porque somos responsáveis por todos os aspectos do contrato que estabelecemos com a cia aérea.

Essa obrigatoriedade de apresentar o cartão de crédito usado na compra no momento do check-in causou alguns transtornos para alguns leitores menos atentos ou que por algum motivo perderam seus cartões após a compra, mas essa obrigatoriedade não é algo restrito à Qatar. A Singapore mesmo usa de mesmo expediente e ainda obriga que o dono do cartão seja um dos passageiros que irão utilizar as passagens compradas. Ser seu agente de viagem também traz alguns ônus e um deles é ficar atento a todos esses meandros da compra, já que em caso de problemas, somos nós os responsáveis por resolvê-lo ou procurar soluções.

Meses depois de realizada a compra, houve uma pequena alteração de horários nos vôos do Tony, mas ela foi prontamente avisada por e-mail. A página da Qatar permitiu que ele consultasse  e acompanhasse suas reservas.

Dos 79 leitores que responderam à enquete, 65 (82%) compraram diretamente no site da Qatar suas passagens, 5 (6%) compraram em agências on-line e 9 (11%) compraram com ajuda de uma gente de viagem de confiança.

Dos que compraram na Qatar, 71% consideraram a experiência de compra como ótima ou boa, 1% a classificou como na média, 6%  como regular e 4% (3 pessoas) a consideraram como ruim. Dessas 3 pessoas que consideraram ruim essa experiência, uma delas cita explicitamente a necessidade de apresentar o cartão de crédito usado na compra no momento do embarque como um transtorno ao comprar no site. Esse mesmo fato foi citado com uma experiência negativa com a Qatar por pelo menos mais 2 leitores. Um deles que não tinha mais o cartão, foi orientado a comprar uma nova passagem e solicitar o reembolso da anterior.

A compra on-line direta no site da cia aérea foi a preferida por nossos leitores, que já estão mais habituados com os meios eletrônicos. Interessante notar que as cias aéreas ainda não se deram conta que site/blogs são importantes pontos de divulgação de seus serviços e de geradores da tão cobiçada venda direta em seus sites.

Atenção pós-venda

O Tony como muitos leitores que aproveitaram a promoção na rota Brasil/Espanha compraram tarifas que incluíam um  STPC (parada paga pela cia aérea) e quis entrar em contato com a cia aérea para saber se teria que solicitar a reserva do hotel com antecedência e como devia proceder. Na Espanha, a Qatar apenas oferece como meio de contato um telefone 902 (que cobra um preço mais caro que a chamada local). Tentou por várias semanas falar com alguém, mas encontrava sempre a mesma situação: uma musiquinha que não acabava nunca à espera de que alguém o atendesse. Não conseguiu falar com ninguém. Ainda bem que acabou não sendo necessário, mas ele se questionou sobre o que teria acontecido se tivesse tido um problema na compra das passagens ou algum outro percalço mais sério. Certo é que, como ele mesmo diz, pela forma com que uma empresa atende seus clientes também se mede a sua qualidade. Neste aspecto, o Tony acredita que ela não honra suas 5 estrelas.

Dos nossos leitores, 67% tiveram que entrar em contato com o escritório da Qatar.

Desses leitores, 34% consideraram sua experiência de contato com o escritório da cia aérea como ótima ou boa, 8%  a classificaram como na média, 15% como regular e 10% a consideraram como ruim.

Pelo menos dois leitores relataram mais explicitamente que a dificuldade em contatar o escritório da Qatar no Brasil tinha sido uma das experiências negativas com a cia aérea.

Vale ressaltar que o escritório da Qatar em São Paulo tinha pouco tempo de instalação e pareceu que parte do pessoal ainda não dominava todos os procedimentos da Qatar e nem eles estavam preparados para a demanda e procura direta gerada por aqueles que compraram a promoção nos site da Matriz.

Check-in online


Vamos continuar com a experiência de consumo do Tony: 36 horas antes da partida do vôo, a Qatar já permite que o passageiro faça um check-in online. O check-in online permite de forma simples trocar a seleção de assentos ou realizá-la pela primeira vez. Para quem realiza esse check-in adiantado, a cia aérea põe à disposição no aeroporto uma fila exclusiva, e mais rápida, para fazer o despacho de malas. Assim foi tanto no El Prat, em Barcelona, como em Guarulhos, em São Paulo.

Qatar Airways

De toda a forma, o Tony notou que a fila de check-in tradicional avançava em bom ritmo e que a empresa colocava um número suficiente de empregados para garantir que o despacho de malas ocorresse de forma fluida. É importante lembrar que a cia aérea pode exigir no momento do despacho de malas a apresentação do cartão de crédito utilizado para a compra das passagens.

Dos leitores que responderam à enquete, 78% consideraram sua experiência no check-in da Qatar no Brasil como ótima ou boa, 15% classificaram como na média, 5% (4 leitores) como regular e 1 leitor apenas a considerou como ruim.

Já a experiência de check-in no exterior foi avaliada como boa ou ótima por 84% dos leitores, na média por 10%, regular por 5% e um leitor a avaliou como ruim.

Dois leitores descreveram como confuso o check-in realizado no Brasil quando questionados sobre suas experiências mais negativas com a Qatar.

Esses números transparecem que ela consegue agradar a maioria significativa  dos leitores,  mas que ainda podem ser feitos ajustes. Algo muito natural para quem está iniciando suas operações no Brasil

Seguimos agora o relato do Tony sobre os vôos propriamente ditos:

Trecho Barcelona-Doha

Para realizar o trecho Barcelona-Doha, a Qatar usa um A319. O vôo tem duração de cerca de 6:20 horas e parte de Doha às 7:25 horas, o que se converte na maior distância voada hoje em dia por uma Airbus dessas características em todo mundo.

Qatar Airways

Na hora de entrar na aeronave, o pessoal de terra da Qatar conferia o número de bagagens de mão que os passageiros transportavam e aqueles que levavam mais do que o permitido foram obrigados a deixá-los na entrada do avião para serem levados no compartimento de bagagem despachada.

Apesar do A319 ser um avião pequeno, o Tony foi surpreendido positivamente por um generoso espaço entre as fileiras de assentos, que segundo o mesmo fazia esquecer a sensação de aperto que se sente em aeronaves como essa normalmente. Os assentos possuíam apoios para os pés. Ele não tinha sistema de entretenimento individual (ao contrário do B777 que faz a rota Doha/Madri), apesar da promessa de instalação dos mesmos de forma gradual nessas aeronaves. Ele possuía, sim, um sistema de entretenimento coletivo formado por vários monitores dispostos a cada pequeno grupo de assentos.

Qatar AirwaysQatar Airways

Durante o vôo foi servido uma refeição e um pequeno lanche quase no final do mesmo.

Qatar AirwaysQatar Airways

Segundo o Tony, na ausência do sistema de entretenimento individual, as 6 horas e meia de vôo (uma hora a mais na volta) se mostraram bastante longas e somente o jogo de tentar adivinhar por cima de onde se  está voando ajudou a viagem passar mais rápido.

Doha-São Paulo

Continuamos com o Tony:

Na rota Qatar/Brasil, a cia aérea utiliza-se de um B777-200LR, apropriado para vôos de longa distância. Esse vôo dura 14:35 horas e no sentido contrário 13:50 horas.

Qatar Airways

A disposição dos assentos na classe econômica é do tipo 3-3-3, todos eles equipados com sistema de entretenimento individual. Tanto a largura do assento como a distância para a fileira da frente oferecidos pela Qatar são generosos e não havíamos visto isto em nenhuma outra cia aérea internacional com as quais tínhamos voado até o momento. Se tratavam de uns poucos centímetros mas que forneciam uma grande diferença em termos de conforto. Agora um grifo meu: Seat Pich (espaço entre duas fileiras de poltronas) e seat width (espaço entre os braços do assento) mais generosos são encontrados principalmente em aeronaves de cias  de longo curso de cias asiáticas. Esses assentos da Qatar nessas aeronaves não são os mais generosos, mas estão entre os melhores segundo o Seat Guru.

Qatar Airways

O excepcional sistema de entretenimento individual do tipo AVOD (Audio and Video On-Demand) formado por centenas de filmes, músicas que não se acabam nunca, um amplo repertório de jogos e um mapa no qual pode-se seguir o itinerário em que se está voando fazendo mais breve uma viagem tão longa.

Qatar AirwaysQatar Airways

Na parte posterior do controle do sistema de entretenimento há um controle de jogos e para escrever textos. Na lateral do assento há uma porta USB.

Qatar AirwaysQatar Airways

Durante o vôo foi distribuído um pequeno kit de viagens similar ao distribuído por tantas outras cias aéreas e duas refeições, sendo uma quase no começo do vôo e outra ao final do mesmo. Entre uma refeição e outra se passaram 8 horas. No fundo da aeronave existia aperitivos, frutas e bebidas que podiam ser consumidos ao gosto do freguês.

Qatar AirwaysQatar Airways

Programa de Fidelidade Aérea

É possível creditar as milhas voadas na Qatar no próprio programa de fidelidade da cia aérea, o Privilege Club, ou nos programas de fidelidade da United, da US Airways, da Asiana, da ANA, da Kingfisher, da Virgin, BMI e MEA. Mas atenção, já que nem todas as tarifas pontuam 100% das milhas voadas. Vale lembrar ainda que o Privilege Club permite a  compra de milhas para completar as faltantes para emissão de uma passagem prêmio (não é barato).

Seja qual for sua escolha, lembre-se que se deve depositar essas milhas em um programa que permita você visualizar a possibilidade de uma emissão de uma passagem prêmio no futuro ou em um programa à qual deseja realmente ser fiel, senão essas milhas nunca servirão para nada.

Já o Tony, por falta de opções que o interessassem, decidiu depositar suas milhas no Privilege Club mesmo. Tanto o vôo de ida como de volta só foram contabilizados os primeiros trechos (Barcelona/Doha e Guarulhos/Doha respectivamente). Ele então teve que fazer uma reclamação sobre as milhas faltantes via site do Privilege Club e as milhas então só foram depositadas quase um mês depois. Essa viagem permitiu o acúmulo de 10.400 milhas e 12.400 milhas na conta da sua companheira de viagem e na conta dele respectivamente. A diferença foi devido ao bônus de 2000 milhas dado pelo programa de fidelidade a quem fizesse compras pelo site (atenção o bônus é dado por compra e não por passagem comprada!).

Avaliação final do Tony sobre sua experiência de consumo na Qatar Airways

O que mais o agradou:

  • Pontualidade. Todos os vôos partiram na hora certa, sem exceção.
  • Espaço generoso entre os assentos. Antes que alguém se engane, a Qatar não oferece na classe Econômica o espaço encontrado na Executiva, como nenhuma cia aérea oferece. Falamos de alguns centímetros a mais que a grande parte da concorrência dispõe, centímetros esses que em vôos de longa distância oferecem uma grande diferença, especialmente para pessoas mais altas.
  • Aviões modernos.
  • Excelente sistema de entretenimento na rota Qatar/Brasil.
  • Fila prioritária para quem fez o check in em casa.
  • Atenção em terra.
  • A oferta de STPC (stopover pago pela cia aérea). Um grande incentivo na hora de se decidir por uma escala em Doha ou em outro ponto do Golfo Pérsico.

O que pareceu dentro da média

  • Atenção a bordo. Não foi muito diferente da que estamos acostumados a receber em vôos intercontinentais de cias aéreas como a Tam (não sou nem de longe fã dela de uma forma global), que por falta de opções e por ter um programa de fidelidade que nos atendia a contento no passado (não mais no presente) tornou-se nossa cia aérea de escolha na rota Brasil/Espanha. As mesmas atenções e mesmos mimos (caramelo, toalha quente e kit de passageiro).
  • Comidas. Com alguns detalhes diferentes, porém sem conseguir escapar da realidade de que comida de avião é comida de avião. As opções de bebidas a bordo são idênticas ou até um pouco mais limitadas que as que nos são servidas em outras cias aéreas, voltamos a citar a Tam e seus vôos para Europa como referência.

O que menos ele gostou

  • Grande disparidade na atenção a bordo. A sensação com que ficamos é  que a Qatar padece do mesmo mal que outras cias aéreas que experimentaram um crescimento rápido e vertiginoso: de noite para o dia tem que contratar centenas de tripulantes, formá-los e treiná-los. Nos quatro vôos encontramos com pessoas extremamente solícitas e simpáticas e ao mesmo tempo com pessoas sem vontade de fornecer ajuda alguma. Em um dos vôos, o sistema de entretenimento individual não funcionava e tivemos que fazer várias chamadas, mas mesmo assim só fomos atendidos depois de meia hora (naquele momento a tripulação não estava servindo nenhuma refeição). No vôo Barcelona/Doha presenciamos uma ríspida discussão entre várias comissárias sobre o procedimento que deveria ser seguido na hora de servir a comida. No vôo São Paulo/Doha não se revisou a cabine antes do pouso para comprovar que não haviam compartimentos de bagagem abertos, assentos reclinados ou bandejas sem levantar. São pequenos detalhes que indicam que se pode melhorar muito no treinamento dessas tripulações.
  • Um longo trecho Barcelona/Doha sem sistema de entretenimento individual.
  • Falhas na operação de terra em Barcelona. Chegamos ao aeroporto de madrugada e não havia nenhum equipamento preparado para transportar as malas até as correias transportadoras. O resultado foi 1:15h de espera pelas bagagens…
  • A falta de crédito automático das milhas voadas, principalmente as que foram depositadas no programa da própria cia aérea. Tivemos que fazer uma solicitação on-line de crédito dessas milhas no site da Qatar
  • Dificuldade em entrar em contato com o escritório da Qatar na Espanha (não foi por falta de tentativas). Esse contato difícil, que no nosso caso não se mostrou possível, nos pareceu preocupante. Por melhor que seja o site da cia aérea, sempre tem que se ter uma plataforma humana que sirva de apoio.

E os leitores do Aquela Passagem que participaram da enquete, o que acharam? Aqui vai um resumo de suas avaliações segundo os itens abaixo:

Poltronas:  57%  avaliaram como ótimas, 37%  como boas (94% avaliaram como boas ou ótimas), 4%  como na média e apenas um leitor as considerou como regulares e outro como ruins. Cerca de 8% dos leitores referiram-se explicitamente ao conforto dos assentos ao comentar suas experiências mais positivas com a cia aérea. Um leitor que voou na Executiva fez referência à inclinação de 180 graus paralelos ao solo das poltronas nessa classe.

Sistema de entretenimento:  85% avaliaram como ótimo, 11% como bom (96% avaliaram como bom ou ótimo) e um leitor apenas considerou na média, outro regular e outro ruim (neste caso,  ele relata que no dia 17/10/10 o sistema não funcionou no trecho São Paulo/Doha). Esse foi um dos pontos mais elogiados pelos leitores em suas experiências positivas.

Alimentação e Bebidas:  71% avaliaram como ótimo, 24% como bom (95% avaliaram como bom ou ótimo), 4% como na média e apenas um como ruim (neste caso a cia aérea não forneceu a alimentação especial que tinha solicitado, um fato que incomoda e frustra muito o consumidor que já contava com essa opção). Um outro reclamou do fim da opção que desejava ao ser servido, infelizmente um fato comum até nas cias do primeiro time, já que não há como carregar duas opções de refeição para todos os passageiros. Assim se uma delas fizer sucesso absoluto, os que serão servidos por último ficarão sem opção. Isso só acabaria no dia em que você pudesse fazer sua escolha via internet antes do vôo, como  alguns passageiros da Executiva da Singapore podem fazer em algumas rotas, mas isso não deve ocorrer na econômica. Um leitor reclamou que o open bar no fundo da aeronave fazia ser menos confortável viajar naquela parte da aeronave, já que alguns passageiros que lá estavam esqueceram dos demais companheiros de viagem e falavam alto e abusavam da bebida. Um risco que se tem de correr e que cabe à tripulação tentar moderar a situação por mais espinhosa que ela seja.

Atenção da Tripulação: 59% avaliaram como ótima, 28% como boa (97% avaliaram como boa ou ótima), 10% como na média e um leitor considerou regular e outro ruim. Enquanto 5% dos leitores relatavam explicitamente como positiva  o contato com a tripulação da Qatar, 8% explicitamente relavam que a tripulação era irregular e que vivenciou alguns procedimentos confusos, como a de oferta de refeições. Essas avaliações vem de encontro ao que o Tony analisou em sua experiência.

Quanto às bagagens, 4 leitores (5% do total) tiveram algum problema com as bagagens despachadas. Dois deles relataram que tiveram suas malas quebradas e foram ressarcidos.  Um reclamou da rigidez do controle sob bagagem de mão. Uma leitora esqueceu suas compras no Dutyfree shop ao desembarcar em Barcelona e após contato com a cia aérea as mesmas foram guardadas até o check-in de volta.

Conclusão do Tony

A promoção pontual, e que provavelmente não se repetirá, realizada pela Qatar foi uma grande aventura cujo ponto mais alto foi a escala em Doha. Entendemos que o grande esforço econômico que a cia aérea realizou com a promoção tinha como objetivo muito mais promover seu nome e seus serviços até o Oriente e Ásia que a rota Brasil/Europa via Golfo Pérsico. Sem uma promoção com essas características não faz muito sentido fazer esse longo e cansativo desvio para se chegar à Europa pagando um preço muito superior ao vôo direto.

O objetivo de divulgar seus serviços foi atingido com louvor e a impressão que a empresa nos causou foi muito positiva. Os aspectos negativos que mencionamos acima fazem com que não possamos referir a ela como uma empresa 5 estrelas com méritos absolutos. Nos parece mais uma cia aérea com grandes aspirações, que desempenha muito bem muitos aspectos de seus serviços, mas que todavia falta polir várias arestas para alcançar a perfeição.

De qualquer forma, e se era o objetivo principal da promoção da cia aérea, ela será sem dúvida uma das opções que avaliaremos em quaisquer futuros vôos em direção ao Oriente Médio, Ásia ou Austrália

A Conclusão dos leitores do Aquela Passagem

Quando questionados se voltariam a voar com a Qatar:

9% responderam que sim, independente do preço

34% responderam que  sim, mesmo que o preço seja um pouco superior a concorrência

40% responderam que sim, apenas se o preço estiver em linha com a concorrência

6% responderam que sim, apenas se o preço estiver bem abaixo da concorrência

E nenhum leitor retirou a Qatar da sua lista de opções no futuro.

Quando solicitados para dar uma nota de 0 a 10 acerca da sua experiência geral de consumo na Qatar, 74% deram nota 9 0u 10 (42% e 32% respectivamente), 19% deram nota 8, 5% deram nota 7 e 6 e 3% deram nota 5. Ninguém deu nota abaixo de 5, mesmo aqueles que disseram estar realmente desapontados por algum serviço oferecido.

Podemos falar então que pelo menos 43% dos leitores  pagariam um pouco mais que na concorrência para voar na Qatar e que 83% optariam pela Qatar no caso dela oferecer preços em linha com a concorrência.

Diante do fato que 93% das pessoas atribuiram nota 8 a 10 à cia aérea, ela definitivamente agradou.

Minha análise

A avaliação do Tony parece ser um pouco mais rígida que a dos demais leitores do Aquela Passagem, mas acredito que isso seja resultado da expectativa criada em torno do fato da cia aérea apresentar-se com uma cia aérea 5 estrelas e pela comparação de serviços oferecidos ligando destinos mais que habituais para ele. Apesar de parecer dura, a conclusão do Tony foi bastante favorável à cia aérea, com ressalva de que ele não daria 5 estrelas com louvor no dia de hoje.

Na avaliação dos leitores,  apenas 32% deram nota 10 à experiência com a cia aérea, que vem em linha com o relato do Tony.  Mesmo assim, a imensa maioria colocou a Qatar na sua lista de opções, sendo que 43% aceitam pagar um pouco mais que na concorrência para voar nela (vale ressaltar que o perfil médio do leitor do Aquela Passagem costuma levar em consideração muitos outros fatores além do preço na escolha da sua passagem, ao contrário de outros sites sobre o mesmo tema). A Qatar conseguiu estabelecer uma boa imagem entre nossos leitores, coisa não muito fácil em um mercado tão competitivo como o da aviação.

Outro ponto interessante é que quando se lê os pontos ressaltados como mais positivos e negativos relatados por nossos leitores é que se tem a noção clara de como é difícil agradar a todos. O que para um é um destaque, para outro não fez diferença alguma ou até foi relatado como ponto negativo. O ser humano é realmente difícil de ser agradado em sua plenitude. Ganha quer souber ter um serviço mais adaptado às necessidades individuais de cada consumidor.

As dores do crescimento acelerado atingem não apenas a Qatar mas também outras cias aéreas do Oriente Médio e Ásia. Essas cias acabam recrutando trabalhadores nos mais diversos países, trabalhadores esses que trazem com eles suas culturas locais e experiências anteriores. O ato de passar a cultura da cia aérea e nivelar o serviço por igual não é fácil e toma tempo.  Isso geralmente resulta, na prática, em uma inconstância de serviços prestados dependendo da rota e da tripulação embarcada.  Às vezes,  se pode ter alguns aspectos do serviço que superem todas as expectativas convivendo com falhas não aceitáveis em uma cia aérea de primeiro nível.

Se você chegou até aqui, obrigado pelo tempo gasto e espero que tenham gostado dessa experiência de trip report colaborativo na tentativa de reduzir a subjetividade de uma avaliação individual apenas,  apesar de ter se tornado um post mais longo que o habitual.

Este é um dos posts que tenho orgulho de fazer e espero que no futuro possamos fazer outros como este  aqui, o que fica na dependência de alguma ação promocional de outra cia aérea que proporcione que um número maior de leitores possam voar ao mesmo tempo. Espero participar também da avaliação in loco na próxima vez.

Quem sabe um dia, as cias aéreas que operam no Brasil entendam que blogs/sites podem fazer, e alguns já fazem, um serviço de nível superior, mais abrangente (temos espaço disponível), independente e que consegue atingir um número mais amplo de possíveis consumidores que muitos agentes de turismo (aonde é focado o marketing das cias aéreas no Brasil) ou  que outros meios de publicação tradicional. Consumidor gosta de ler relatos de consumidor como ele. Nesses relatos, ele visualiza maior isenção e maior credibilidade.

Post em parte baseado neste post publicado no nosso blog irmão Dvuelos.

 

Tags: , , , , ,

Category: Cias Aéreas, Novos Vôos, Opinião do Leitor, Programas de Fidelidade Aérea, Trip Report

Comentários (48)

Trackback URL | Comments RSS Feed

Sites que indicaram este post

  1. Como é um voo em uma companhia de primeira linha | Goitacá | 20 de Janeiro de 2011
  1. dudu donadel says:

    videozinho com fotos do avião e doha

    Responder

  2. Bruno says:

    Participei do survey. Excelente experiência. Esse ano vou visitar alguns países do oriente médio nas férias, voando pela Qatar Airways novamente.

    Responder

    Sergio da Silva respondeu:

    Olá, gostei do assunto.
    Vou voar Qatar ao Oriente médio e Asia. Estou com problema para pedir o Visto para Doha.
    Realmente a Qatar Air em SP não responde ao telefone. A Embaixada em Brasilia não atende ao passageiro comum.
    E nem mesmo o hotel que reservei por site de hoteis me responde quanto ao Visto.
    Que faço, tenho a passagem, hoteis pagos em todos os destinos e NÃO VOU conseguir sair do aeroporto de Doha para ficar dois dias visitando a cidade??

    Responder

  3. Mariana says:

    ótimo post! Estou querendo comprar uma passagem da Qatar pelo proprio site da cia aerea mas na hora de digitar os dados do cartao de credito nao aparece nenhuma opcao de parcelamento. Será isso possivel?

    Responder

  4. Sergio da Silva says:

    Olá, gostei do assunto.
    Caros Rodrigo e Tony,
    Vou voar Qatar ao Oriente médio e Asia daqui a 15 dias. Estou com problema para pedir o Visto para Doha.
    Realmente a Qatar Air em SP não responde ao telefone. A Embaixada em Brasilia não atende ao passageiro comum.
    E nem mesmo o hotel que reservei por site de hoteis me responde quanto ao Visto.
    Que faço, tenho a passagem, hoteis pagos em todos os destinos e NÃO VOU conseguir sair do aeroporto de Doha para ficar dois dias visitando a cidade??

    Responder

  5. Rafael says:

    caro Rodrigo,

    boa tarde!

    primeiramente parabéns pelo seu Blog, que já venho ouvido falar bem a muito tempo. Eu sou editor e jornalista responsável por uma revista de viagens em BH e o meu principal calo são as passagens aéreas, pois é sempre necessário negociar uma tartifa o que nem sempre é aceita. No meu caso tenho até tido algumas propostas aceitas mo a TACA Airlines, ao Peru, a TRIP e agora a Pluna Uruguay.Como funciona isso para você? qaundo você não consegue a tarifa como no caso da Quatar, você mesmo banca a tarifa “com um certo antipatismo ” pela mesma e a parte terrestre também? desculpe entrar nesses detalhes que não sei se vc pode ou gostaria de responder , mas estou nesa também e nada como aprender com ummestre como vc… forte abraço!!! depois quero te enviar minha revista para vc conhecer

    Responder

    Rodrigo Purisch respondeu:

    Rafael,

    99% das passagens saem do meu bolso ou das minhas milhas. Até hoje só aceitei uma da Singapore Airlines que é uma empresa que sou fã e tenho uma relação emocional.

    Já tentei algumas poucas vezes uma tarifa agente, uma tarifa descontada, mas que nem sempre é tão mais barata assim. Não peço tarifas jornalista ou passagem gratuita porque quero ter liberdade de escrever o que sinto e isso nem sempre é de interesse da cia aérea e acaba gerando problemas para quem me cedeu a passagem.

    Sempre que posso, solicito um apoio seja para visitar uma sala vip da cia aérea ou mesmo acesso a uma classe superior para documentar, mas poucas vezes fui atendido. As cias aéreas no Brasil priorizam o trade ao invés de investirem em mostrar de uma forma menos vendida seus pontos fortes. Nossas críticas têm intenção de ajudar a cia a evoluir e nossos textos a intenção de mostrar de uma forma clara o que a cia oferece evitando expectativas infundadas que geram experiências negativas, a ipor propaganda possível.

    Resumindo, não sou mestre nesse quesito e banco as viagens do meu próprio orçamento, o que não torna meu site algo lucrativo nesse aspecto. Não nego aceitar convites, mas com independência editorial. Não faço publieditorial o que torna as coisas mais difíceis. Mas lembre-se que eu escrevo sobre cias aéreas o que dificulta a relação com elas. Se escrevesse sobre viagens em geral a relação seria mais fácil.

    Agora, o que levou os blogs/sites independentes a crescerem foram a certa independência deles diante das matérias pasteurizadas de muitos jornais e revistas. Porém, muitos sites/blogs estão esquecendo que foi isso que os levaram ao sucesso e alguns estão repetindo aquilo que os jornais faziam e que nos motivaram a fazer algo diferente…Um risco que corremos.

    Sucesso na sua empreitada.

    Responder

  6. Cássio says:

    Olá Rodrigo, comprei passagens com a Qatar através de uma agência de turismo e gostaria de saber se mesmo comprando através da agência, a apresentação do cartão continua sendo necessária?

    Agradeço desde já!

    Abraços

    Responder

  7. Frederic Owens says:

    A Qatar Airways foi por diversas vezes escolhida como empresa do ano ou empresa cinco estrelas. Mas será mesmo que uma empresa pode ser qualificada como cinco estrelas se mantêm seus funcionários a um regime escravo? De acordo com muitos comissários(muitos brasileiros também), o regime da empresa segue muito pior que quartel general ou ditadura. Embora o trataento dos comissários seja bom, tudo parece ser muito superficial, beirando o forçado quando voei QA. Será mesmo uma empresa de se admirar?

    Responder

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.