Consumidor: Atenção aos Serviços Adicionais ao Comprar sua Passagem!

10 de January de 2011 | Por | 73 Comentários More

Consumidor no Brasil tem até bons direitos garantidos em leis próprias, mas para ver seus direitos serem respeitados ele deve contar com a sorte.

Os órgãos reguladores e fiscalizadores muitas vezes são omissos  ou lentos em suas ações, sendo que muitas  punições acabam não surtindo efeito, seja porque são valores irrisórios perante o faturamento de algumas empresas ou porque se perdem em meio aos diversos recursos que nossa legislação permite.

Hoje o consumidor deve ficar bem atento aos seus diretos ao comprar uma passagem aérea a fim de não pagar pelo que não precisa e não quer.

O oferecimento de seguros adicionais (na maioria das vezes dispensáveis) junto ao preço final das passagens já foi alvo de ação da ANAC. Muitos consumidores acabavam sendo induzidos a comprar algo que não precisavam, já que a opção em aceitar o seguro vinha pré-selecionada e seu valor adicionado ao preço da passagem.

Apesar de algumas cias, como a Azul e a Gol, terem optado (forçadamente) por não mais oferecer o seguro pré-selecionado durante a compra, tornando a opção pelo seguro algo que necessita de uma ação clara do consumidor nesse sentido, ainda hoje algumas cias continuam praticando a mesma estratégia que foi alvo de punição da ANAC no passado.

Podemos considerar que essas cias aéreas que insistem em adicionar serviços extras pré-selecionados no processo de compra estão praticando algo não permitido e são sabedoras disso. A ANAC e outros órgãos que lidam com a questão do consumidor, até com mais poder que a ANAC, fingem que não conhecem que essa prática continua sendo realizada.

Na Azul, a opção pelo seguro não vem mais pré-marcada (o consumidor tem que fazê-lo) e a pré-venda de excesso de bagagem vem claramente exposta como bagagem extra

Quer vender serviços extras? Então venda após o processo de compra da passagem ter sido finalizado e não no meio dele ou dê um destaque ao fato de não ser essencial. Hoje podemos falar que algumas cias aéreas tem movido neste sentido.

Na Gol, a opção de seguro que vinha pré-marcada foi substituída por um banner que anuncia a existência do serviço e que pode ser facilmente ignorado

A Webjet, que se espelha na Ryanair (fale mal, mas falem de mim), tornou-se a campeã em ofertas de serviços extras após reformular seu site. O site dela hoje faz entender que a venda de passagens aéreas é só mais uma das fontes de renda da cia aérea (e não a razão de sua existência), já que, como alguns sites/blogs de passagens aéreas de onde devem ter buscado inspiração para o novo site, ela parece ter interesse mesmo é que você clique em algum anúncio ou link que gere lucro para ela tamanha a ênfase nas demais publicidades na página principal e na página de busca de tarifas.

Para comprar pelo site da Webjet paga-se 7 reais, enquanto nas demais cias aéreas, as compras pelo site são isentas de taxas pelo uso desse canal.  Até parece que ela precisa de uma força sua que compra passagens no site dela para mantê-lo no ar…  Nas compras nas agências e no call center, você vai pagar 30 reais. Coisa comum nas demais cias aéreas. Só estará livre dessa taxa ao comprar nas lojas dos aeroportos, local onde as demais cias costumam cobrar um taxa de remuneração do agente semelhante a cobrada nas agências e no call center.

Para parcelar, mesmo sem juros, é cobrado uma taxa de cerca de 4,80 reais.

Quer marcar um assento? Então pague mais 5 reais por vôo para não se arriscar a ser colocado no banco do meio! Eles ainda insistem em oferecer um seguro no meio do processo pré-selecionado!

Destacado em verde o encargo de uso do site e o seguro pré-adicionado ao valor da passagem. Quem comprar com pressa ou sem atenção vai acabar pagando por um seguro que pode não precisar.

Você ainda tem que ter um pouco de malícia para saber que no momento nenhuma cia aérea pode cobrar pelo despacho de bagagem de até 23kg dentro das dimensões permitidas. Sabendo disso, você pode evitar se confundir e cometer o erro de pagar antecipadamente por um excesso de bagagem que pode nunca vir a usar pensando que é algo necessário para despachar sua bagagem ou para agilizá-lo.

O texto peca por não ser claro e induzir a uma ação emocional: "Agilize seu embarque" e "se você tem bagagem a ser despachada..." O termo franquia adicional não faz parte do vocabulário corrente de um parte importante dos novos consumidores da Webjet.

Da forma que está, essa cia aérea, que foca em um público que está aprendendo a voar de avião devido as tarifas baixas comparáveis às de ônibus, faz um desserviço a comunidade. Acaba induzindo ao erro um consumidor mais humilde ou um consumidor menos experiente na compra pela internet e assim onera mais quem pouco tem ou quem está aprendendo a usar o transporte aéreo.

Definitivamente não gosto desse tipo de prática e como este é um site pessoal, optei por evitar publicar material relacionado a essa cia aérea para não ter que ficar toda vez alertando sobre as pegadinhas. Já chega as diversas reclamações que recebi solicitando um post alertando sobre essas práticas.

Não é e não será a última vez que o que uma parte dos publicitários considera uma ótima jogada de marketing será rotulada como coisa pouco ética sob meu ponto de vista, apesar de ser uma prática que parecer ser legal aos olhos dos fiscalizadores e reguladores, já que nada fazem. Gosto de uma relação saudável, transparente e respeitosa entre consumidores e empresas. Aqui tento fomentar o consumo consciente.

Respeito quem gosta dessa cia aérea e acha que tudo é válido para vender passagens a preços baixos, mas aqui no Aquela Passagem prefiro lembrar que preço não é tudo nessa vida.

Tags: , ,

Category: ANAC, Caos, Consumidor

Comentários (73)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Vinícius says:

    Luciana,

    Eu falei no post anterior sobre a região… Tente pesquisar os trechos e datas que estão no ITA em sites como o Expedia ou Kayak… Veja que encontra os mesmos, possibilidade que será maior!

    ¡hasta luego!

    Responder

  2. Rodrigo Purisch says:

    lembre-se de pesquisar usando CNF no campo de local do ITA.

    Já tentou entrar pelo portal internacional da Tam para ver o que dá? Tem gente que consegue algumas boas tarifas por lá. Só não dá para parcelar e tem que usar cartão de crédito internacional.

    Responder

  3. Luciana says:

    Já havia tentado as duas coisas e nada! Mto estranho mesmo. Liguei até no Orbitz dos EUA pq inicialmente a tarifa aparece na busca pelo site deles tb, mas quando tento comprar ela não existe. Eles tb não sabem o prob, mas é claro que dizem que é culpa da cia aérea… minha dúvida maior é se existe mesmo essa tarifa ou se os sistemas estão todos errados!

    Responder

    Rodrigo Purisch respondeu:

    Qual tarifa e os dias que você está pesquisando

    Responder

  4. Luciana says:

    Pois eh, é isso ae mesmo. Eu já encontrei em mil lugares, mas só em termos de consulta. Na hora de comprar mesmo, não tem. Revolta…rs…

    Responder

  5. Luciana says:

    Rodrigo, eu pesquisei CNF-MVD 04/03 a 09/03, ficou assim (mandei em uma msg anterior mas ela não apareceu aqui, não sei pq):
    BHZ JJ X/E/SAO JJ MVD M 113.00LYG3TUY JJ X/E/SAO JJ BHZ M 113.00LYG3TUY NUC 226.00 END ROE 1.00 XT 101.24BR 59.91WU

    Responder

    Rodrigo Purisch respondeu:

    Essa Tarifa LYG3TUY (classe de reserva L) existe sim e está publicada no Sabre e Galileo.

    No Sabre não tem disponibilidade de classe de reserva L em nenhum vôo no dia 04/03 na Tam. Mesma coisa na volta. Vôos Tam e Pluna indo e vindo de MVD nessas datas estão quase todos cheios. Só tem tarifa caríssima.

    O interessante é que as tarifas via GRU no ITA estão aparecendo com conexão com vôo code share Pluna, mas no Sabre não tem disponibilidade na Pluna… O erro está na disponibilidade mostrada nos vôos Pluna… Pode ser alguma coisa de inventário não atualizado…

    Para ter uma idéia só consegui vôo em tarifa aceitável saindo de Foz do Iguaçu para MVD na Pluna (ida dia 4 e volta dia 08), mas ai você teria que conseguir algo bom e a tempo para fazer CNF/Foz (IGU)… Brasilia/Lima (370 USD)também tem algo, mas tem que conseguir chegar em Brasília…

    Responder

  6. Paulo says:

    Também no caso de NY o aeroporto de LGA possui o nome completo de La Guardia International Airport; atualmente não opera voos internacionais.

    Se LGA pode continuar sendo internacional, então CGH também pode… 🙂

    Responder

  7. Luciana says:

    Tentei essa de BSB (É da TACA?) mas tb nao consegui. Deu a mesma coisa, disponibilidade mas na hora de emitir, nada! Será que ela e a Pluna usam o mesmo sistema? Se sim, tá aí o erro! Vou continuar tentando… ai, queria tanto ter meu propria sistema de reservas! Como faz, hein? Obrigada pelas consultas!!

    Responder

  8. Pedro says:

    E pobre do consumidor que venha a ter que trocar ou transferir uma passagem pela webjet, aí você está roubado de verdade, pois precisei e paguei o valor de duas passagens com esta brincadeira obrigatória. quando que nossos representantes da ANAC vão fazer alguma coisa para mudar isto? que vergonha em? é um verdadeiro assalto legalizado.

    Responder

    Rodrigo Purisch respondeu:

    Por isso fazemos tanta campanha aqui para que as pessoas leiam as regras das tarifas. Nem sempre a mais barata é a melhor para todo mundo.

    Responder

  9. Maria Paula says:

    Eu pessoalmente gosto da AZUL e conheço muita gente que compra o seguro de viagem da Azul, que ao contrário de outras companias aéreas cobre a remarcação de datas. Para quem voa para Navegantes é muito legal devido às recorrentes enchentes do Vale do Itajaí que impossibilitam o deslocamento até o aeroporto, por exemplo. Os meus primos já utilizaram este seguro umas 3 vezes. Sem contar que uma vez choveu tanto em navegantes que a Azul mandou pousar o vôo em Curitiba e levar os passageiros de ônibus o resto do caminho por falta de condições de vôo.

    Quando o americano nascido no Brasil decidiu montar a Azul ele queria fazer o seu hub no Rio, mas a ANAC empurrou para eles o subutilizado Viracopos. Tudo para desafogar o transito aéreo em São Paulo (lembrem-se só em NY o trânsito aéreo é mais intenso no mundo) e por segurança (a pista VCP seria melhor que CGH).Acabou dando muito certo, Viracopos passou a atender a Zona Oeste da Grande São Paulo, zona responsável por boa parte do PIB do estado que aliás é responsável por 40% do PIB nacional. Nada mais nada menos que a região de Pinheiros (em Sampa), Alphaville, Granja Viana, Jundiaí, Sorocaba e, claro, Campinas. Por morar nesta região só tenho utilizado Azul devido ao alto custo de transporte que eu tenho para os outros aeroportos (até R$250 o taxi!!!!), quando viajo de Azul só preciso pagar R$10 de taxi até o shopping perto de casa….

    Como São Paulo é uma cidade de dimensões gigantes (100km leste-oeste por 200km Norte-Sul) a ANAC não considera VCP muito longe de Sampa, e deve ser sob essa justificativa que manteve o SAO. Na verdade eles também queriam re-estruturar o aeroporto de Jundiaí mas acabou não saindo do papel.

    Falta só o tal trem rápido para ficar muuiiito melhor e mais aceitável viajar via VCP.

    MAIS IMPORTANTE: as taxas de VCP são mais baratas. Ou seja, a gente tem o que a gente paga, né?

    Responder

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.