Waikiki Resort: Uma Boa Opção de Hospedagem em Waikiki no Havaí

11 de February de 2012 | Por | 2 Comentários More

Após fazer uma pesquisa sobre o destino, acabei optando por estabelecer minha base em Waikiki, como faz a maior parte dos turistas que chegam à ilha. A estratégia envolvia ainda alugar um carro que me permitisse percorrer toda a ilha no meu tempo pessoal.

Existem alguns hotéis pé na areia em Waikiki que vão desde a lagoa artificial à frente do Hilton Hawaiian Village, no início da praia, até o Moana Surfrider no meio da praia. Nessa faixa ocupada pelos hotéis com acesso direto a praia, não há avenida beira mar (ela existe de fato mesmo após o Moana Surfrider, quando a Kalakaua Avenue se aproxima da praia) e o acesso à praia se dá por meio de entradas públicas entre os hotéis.

Moana Surfrider: A partir daí existe avenida beira-mar

Assim, se você optar por ficar em um hotel que não seja beira mar desde aonde o Hilton Hawaiian Village até aonde Moana Surfrider localizam-se, você terá que sempre que andar até a próxima entrada pública para a praia para ter acesso à mesma. Já quem fica em um hotel a partir do Moana Surfrider e localizado entre a Kalakaua Avenue e a Ala Wai Boulevard (avenida que margeia o canal que corre paralelamente à parte da praia de Waikiki) tem um acesso mais facilitado à praia.

O Processo de Escolha e Reserva

Como viajava com crianças e procurava um hotel que tivesse disponível no quarto pelo menos um microondas e uma geladeira (alguns hotéis oferecem esse tipo de serviço em uma parte dos seus quartos), acabei reduzindo um pouco minhas opções e levando o preço a subir outro tanto.

A princípio pensei em ficar no Hilton Hawaiian Village, que parece ter um complexo legal e uma bela lagoa artificial à frente (para se chegar à praia mesmo, você tem que se andar um pouquinho), mas diante do preço mais salgado e depois de ler a resenha da Cláudia no Aprendiz de Viajante, ele não pareceu atender minhas necessidades naquele momento.

No final das contas e depois de uma pesquisa exaustiva no Hotels Combined e nos sites próprios dos hotéis, fiquei entre o Ilikai (ou no Waikiki Beach Resort que funciona dentro dele, ao que parece locando aparts de terceiros) e o Waikiki Resort, hotéis por sinal com localizações muito diferentes. O Aston Circle Hotel seria mais uma opção dentro do meu orçamento se oferecesse mais que a geladeira no quarto.

Aston Waikiki Circle Hotel

Como consegui uma boa tarifa promocional no site próprio do Waikiki Resort (pague 2 noites e fique 3 noites) gerando uma tarifa final interessante para os padrões locais, por ele oferecer uma “mini cozinha” em alguns quartos, por estar a apenas um quarteirão da praia e por cobrar uma diária de 16 USD (agora está por 18 USD) pelo uso do estacionamento (um valor relativamente baixo comparado ao cobrado pelas demais opções) acabei escolhendo esse hotel.

O Waikiki Resort  é um hotel afiliado à Korean Airlines (você vai ver facilmente pilotos e aeromoças cruzando o lobby).

O Hotel e Estrutura


O hotel, como uma grande parte dos hotéis de Waikiki, funciona em um prédio mais antigo que sofreu uma reforma recente. Apesar da reforma, o lobby não passa nenhuma sensação de modernidade, deixando a primeira impressão de algo mais velho e ultrapassado.

Junto ao lobby, aonde a Internet Wi-Fi é grátis, situa-se um restaurante japonês, um mini business center com alguns computadores e impressora, alguns telefones públicos e uma loja da Korean Airlines.

Apesar da navegação na Internet ser paga nos computadores do bussiness center, eles tem um programa que permite a realização de check in diretamente nos sites das cias aéreas e impressão sem custo do cartão de embarque. Coisa de hotel gerenciado por uma cia aérea e que ajuda muito a evitar as filas no aeroporto.

Em um nível acima, encontra-se um restaurante coreano (o Ilima), um salão de recepções, banheiros, maquina de gelo e de refrigerante, além da piscina. O ambiente da piscina é bem simples e não cativa muito. Neste mesmo andar fica uma sala de apoio aos tripulantes da Korean.

O estacionamento está dividido em dois setores com entradas independentes. Um sem cobertura ao lado do prédio e outro coberto no subsolo do prédio. Nas entradas existem cancelas eletrônicas. Ao chegar no hotel, você estaciona o veículo em algum desses estacionamentos e depois apresenta o ticket emitido pela cancela para ser validado na recepção. Depois disso, você entra e sai dos estacionamentos sem problemas e sem necessidade de manobristas. Só tive um pouco de dificuldade em estacionar o carro quando o hotel realizava um evento e liberou o estacionamento ao lado do edifício para os convidados do mesmo. Demorou um pouco, mas consegui uma vaga no estacionamento no subsolo (que é menor). Mesmo somando os dois estacionamentos fiquei na dúvida se dão conta de suportar a demanda na alta estação, pois são estacionamentos relativamente pequenos.

No subsolo e ao lado do elevador que dá acesso ao hotel está localizado o setor que entrega toalhas para serem usadas na praia ou na piscina.

O Quarto

Eu fiquei em uma suíte …

O quarto é amplo, limpo e bem mantido, com decoração simples e básica. Possui uma varanda (lanai como eles chamam por lá) que permitia uma visão parcial do mar.

O quarto conta com uma cama de casal king, um sofá cama (acomoda duas pessoas), uma escrivaninha com cadeira, uma cômoda e uma tv de LCD com uma oferta razoável de canais, incluindo canais japoneses e coreanos.

Há um pequeno corredor entre a porta do quanto e o quarto em si.  Nele localiza-se a entrada para o banheiro e um móvel com armários aonde está embutida uma pia, microondas e uma geladeira pequena. O quarto oferecia pratos, talheres e copos.

O banheiro é dividido em dois setores. No primeiro, fica uma bancada com a pia e um grande espelho de um lado e do outro um local para guardar malas e pendurar as roupas (sem portas). Já o vaso e a banheira ficavam em um outro setor após uma porta. Simples e limpo.

Minha Avaliação

Gostei muito da escolha do ponto e do hotel em si. A região do hotel oferece boas opções de serviços, de lojas (inclusive uma loja de conveniência ABC) e de restaurantes/lanchonetes no seu entorno, além de oferecer fácil acesso à praia. Chequei a visitar a região da lagoa do Hilton (perto do Hilton e Ilikai) em um final de semana, mas diante da comparação, preferi muito mais a localização do Waikiki Resort.

Apesar do preço cobrado pelo estacionamento e da dificuldade que tive em estacionar em um dos dias que estive lá, eu não precisava ficar esperando por manobristas para ter acesso ao mesmo, o que parece ser muito comum em Waikiki.

O quarto era amplo e claro, além de contar com apoios interessantes para quem viaja com crianças. A cobrança de acesso a Internet no quarto pode ser contornada usando a Internet grátis no lobby.

Se eu voltaria a me hospedar lá? Sim, ele estaria no topo das minhas opções, pois me pareceu oferecer uma boa relação custo benefício e atendeu o que eu tinha em mente em termos de hospedagem em um local aonde ficaria muito mais tempo fora do quarto do que dentro dele.

Leia mais sobre dicas de Oahu, Waikiki e Honolulu aqui.

Tags: , ,

Category: Dicas de Viagem, Havaí

Comentários (2)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Ernesto says:

    Rodrigo

    Parabenes pela serie do Havai. Muito iteressane.

    Ernesto

    Responder

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.