Dicas Para Quem Vai a Oahu, Honolulu e Waikiki no Havaí – Parte 1

11 de February de 2012 | Por | 12 Comentários More

 

Havaianas no Havaí

Cada um tem sua lista de locais a serem visitados e o Havaí entrou na minha após uma série de posts que o Arnaldo do Fatos e Fotos de Viagens publicou em 2006. Desde então, eu fiquei esperando a passagem e o momento certo para visitar aquele destino. Ele não estava no topo dos meus desejos, mas era um local do qual queria ter uma opinião formada.

Assim que consegui juntar os dois pré-requisitos acima, fui procurar informações nos meus melhores guias de viagens (os blogs de viagem) para montar a minha. Parti das dicas da Lucia Malla do Uma Malla pelo Mundo, que vive na ilhas, e foi construindo meu roteiro para 6 dias em Oahu (5 dias completos), a principal ilha do Havaí.

Confesso que fiquei em muitos momentos na dúvida em aumentar minha estadia ou reduzi-la, já que minha viagem aos EUA ia além do Havaí. Mas no final das contas, acabei achando que foi um tempo muito próximo do ideal para mim, ou seja, o suficiente para conhecer o basicão e ao mesmo tempo deixar uma janela aberta para uma volta no futuro.

A Passagem

Antes de tudo, vale lembrar que o Havaí é muito mais que a ilha de Oahu aonde se localizam o aeroporto de Honolulu, a famosa Waikiki (aonde a maior parte dos turistas acabam se hospedando) e a meca dos surfistas que é North Shore.

Nós aqui do Brasil, ao contrário de algumas partes do EUA e da Ásia não podemos falar que o Havaí é logo ali. Mais de 22 horas de viagem (incluindo vôos e tempo de conexão) separam o Sudeste do Brasil do estado americano do Havaí contra 5:30h à 8h de vôo direto de quem parte da Costa Oeste Americana, do Japão e da Coréia.

Minha passagem foi emitida usando vôos da Continental (que fará parte da nova United) em uma das rotas mais rápidas e com apenas uma conexão em Houston (em um belo aeroporto por sinal) nos EUA. Mas existem outras opções de rotas, todas fazendo pelo menos uma conexão em algum hub de cia aérea americana (algumas rotas farão mais de uma conexão em cada sentido). Certo é que você vai combinar um vôo internacional (geralmente com mais conforto) com um vôo doméstico ligando o hub da cia aérea com o Havaí.

Dessa forma, espere fazer a imigração nos EUA no seu ponto de conexão e que seu vôo doméstico seja mais espartano (com venda de comida ou de fone de ouvido ou de kit de travesseiro e cobertor …) que o Internacional que saiu do Brasil. Isso apesar de alguns desses trechos domésticos terem uma duração próxima do vôo que você fez do Brasil até o hub da cia aérea nos EUA.

Com essa longa duração de vôo, normalmente as passagens para o Havaí costumam serem bem mais caras que as que estamos acostumados para os principais destinos turísticos da costa leste ou oeste dos EUA. Nos últimos anos, o destino Havaí anda bem mais caro também para os próprios americanos, já que houve uma redução da competição tarifária para esse destino.

Combinar uma super promoção para o EUA continental com uma passagem promocional dele para o Havaí ou o uso de milhas pode fazer a passagem ficar mais acessível. Alguns programas como o Aadvantage da American e o Victoria da Tap incluem o Havaí na mesma tabela de milhas de outros destinos dentro dos EUA continental para vôos partindo do Brasil. A minha opção foi a de usar milhas e relatei neste post aqui a experiência.

Existem vôos diretos para outras ilhas partindo dos EUA continental e as cias Hawaiian, Go e Island Air fazem a ligação de Honolulu com as outras ilhas.

O Aeroporto de Honolulu


O Aeroporto de Honolulu não pode ser considerado um dos mais modernos e também tem algumas características que fogem do que se está acostumado a ver em outros aeroportos americanos.

Localizado a cerca de 10 milhas (25-30 minutos) do centro de Waikiki (cuidado, a rodovia que liga Waikiki ao aeroporto é sujeita a engarrafamentos nos horários de rush), o aeroporto tem 3 terminais, o Overseas (o maior deles), o Interisland e o Commuter Terminal.

A não ser que você esteja voando com a Hawaiian, Go e Island Air, a maior parte do movimento ocorre no prédio principal do terminal Overseas, o maior e mais importante.. Ao invés de longos corredores ou salões, o prédio em sua área pública é todo dividido em setores aonde no piso superior encontram-se os guichês de check in e lojas das cias aéreas que operam naquele setor e no piso inferior encontram-se as esteiras de bagagens que recebem as malas dos vôo das cias que atuam naquele setor e que acabaram de chegar.

Antes do check in (sugiro chegar com mais de 2 horas de antecedência devido às filas), todas as malas passam por uma checagem das instituições de proteção à agricultura com relação a presença de frutas, plantas, sementes a fim de evitar o livre trânsito das mesmas entre o Havaí e os EUA continental. Após passar para a área restrita, você vai encontrar algumas lojas, lanchonetes e restaurantes, mas em número bem menor que o usual nos grandes aeroportos americanos.

Essa área, que dá início à ligação do prédio principal às salas de embarque e que dá acesso às esteiras de bagagens localizadas no piso inferior, não é climatizada. Você mantém um contato com clima local e ainda dá para apreciar algumas aeronaves e sentir o cheiro de querosene no ar. Dependendo do seu portão de embarque, você deverá fazer uma boa caminhada. Existe um ônibus, o Wiki Wiki, que liga o prédio principal às salas de embarque. Você só terá contato de novo com o ar condicionado ao entrar na sala de embarque específica para o seu portão de embarque.

Algumas locadoras como a Hertz, Budget e Avis localizam-se logo a frente do prédio principal do aeroporto, outras como a Alamo e Thrifty são acessíveis apenas por meio de ônibus.

Para quem optou não alugar um veículo, é possível sair e chegar ao aeroporto usando táxis (valor pelo taxímetro de cerca de 35 a 40 USD + 35 centavos por mala, fora do rush) e agora por meio de um sistema de vans (cerca de 14,55 USD por pessoa a perna). Há a opção do eficiente sistema público ônibus (cerca de 2,50 USD) somente indicado para quem vem com muito pouca mala, já que a mesma deve caber no colo ou sob os pés sem avançar sobre o corredor. Os valores citados referem-se a uma perna de deslocamento aeroporto/Waikiki e vice-versa.

Oahu e Honolulu

Honolulu é a capital do estado do Havaí, o principal centro econômico, aonde se localiza as principais instituições governamentais, bancos, o principal aeroporto e porto. Apesar da cidade de Honolulu não ser tão grande, o condado de Honolulu tem toda a ilha de Oahu sob sua jurisdição, daí a confusão entre Oahu e Honolulu para designar a ilha principal do arquipélago.

A Ilha de Oahu é dividida em 5 regiões principais pelo órgão de turismo do Havaí: Honolulu (Aloha Tower, Iolani Palace Chinatown, estátua do Rei Kamehameha Waikiki, Diamond Head, Hanauma Bay), North Shore (Haleiwa e Waimea, paraísos dos surfistas), Windward Coast (Pali Lookout, Valley of Temples, Kailua Beach Park e Makapu Point Lighthouse), Central Oahu (Pearl Harbour) e Leeward Coast.

Waikiki


Pela facilidade de deslocamento a pé, pelo comércio abundante, praia urbana, agitação e pela grande oferta de hospedagem é em Waikiki que a maioria dos turistas de hospeda.

Localizada não muito distante do centro comercial de Honolulu, Waikiki é a Copacabana e Ipanema do pedaço. Apesar estar mais para um centro urbano do que para aquela idéia de paraíso do pacífico, gostei de ter usado essa região como base para a exploração da ilha com ajuda de um carro alugado.

Hospedagem

O Havaí não pode ser considerado um destino barato nos EUA, mas devemos lembrar que estamos em uma ilha que em alguns momentos parece compartilhar o estilo de vida americano por mais distante que esteja do continente (há pelo menos 5:30h de vôo dele).

Baseado na minha experiência, espere pagar pelo menos 20% a mais que Miami por comida e hospedagem em Oahu pelo mesmo nível de serviço.

A região de Waikiki concentra a maior oferta de hospedagem da ilha. A região possui uma praia de características mais urbanas, um grande número de bares, restaurantes, lojas e lojas de conveniência, além de estar bem próxima do Ala Moana Center (maior shopping da região) e do centro de Honolulu. É uma região facilmente percorrida a pé, bem servida de transporte público e que concentra o agito mais urbano da ilha.

Para quem quer algo menos urbano ou algo tipo resort (existe até um resort da Disney recentemente inaugurado por lá), a ilha oferece outras opções (em número bem mais reduzido) em outras regiões da ilha.

A oferta de hospedagem é grande e dominada principalmente por empresas locais, mas existem opções pertencentes as grandes cadeias americanas. Mesmo depois de decidir-se por hospedar em Waikiki não é fácil escolher a localização do seu hotel. Leia mais aqui.

Para quem vai alugar um carro, fique atento, pois a grande maioria dos hotéis em Wakiki cobra pelo estacionamento. E não cobram pouco por isso! A coisa varia nos principais hotéis de 14 a 26 USD por diária. Leve isso em consideração ao escolher seu hotel!

Clique aqui para ir para a Segunda Parte das dicas que agora falam de passeios, praias e minha opinião sobre o destino.

Tags: , ,

Category: Havaí

Comentários (12)

Trackback URL | Comments RSS Feed

Sites que indicaram este post

  1. Waikiki Resort: Uma Boa Opção de Hospedagem em Waikiki no Havaí : Aquela Passagem | 11 de February de 2012
  1. Glauber says:

    Excelente Rodrigo! Suas matérias são sempre muito bem redigidas. Um oásis em meio a tanta informação colocada “nas coxas” pela internet, sem imparcialidade. Aliás, a imparcialidade é para mim a maior qualidade do seu site.

    Não sei se por conta de eu estar em um smart, mas me parece que o link do aqui está quebrado.

    Responder

  2. Neyara says:

    Rodrigo, adorei o post. Dá até vontade de passar 4342414 horas em um avião e conhecer o Havaí… Ah, achei o máximo as havaianas no Havaí! 🙂

    Responder

  3. Gabriel Dias says:

    Com o AAdvantage dá para ir em algumas épocas do ano com apenas 40 mil milhas. E ainda pode-se fazer um stopover gratuito dentro da rota. Pode ser em Dallas ou Miami, por exemplo.

    Responder

    Beto respondeu:

    Gabriel, no passado ja vi promo da AA por 40mil mas faz um tempo que elas nao aparecem, sera que na baixa cai tb a quantidade necessaria para a Business??

    Rodrigo, bacana essa serie Hawai.. Parabens

    Beto B.

    Responder

    Gabriel Dias respondeu:

    Isso não é promoção. Todos os anos é possível conseguir, mediante disponibilidade. Quanto antes, mais fácil.

    Em tempo: Esse novo sistema de comentários ficou ruim. Agora recebo duplicado os avisos de quem me responde.

    Responder

  4. Oi, Rodrigo! Tudo bem?

    Seu post foi selecionado para a #Viajosfera, do Viaje na Viagem. Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Bóia

    Responder

  5. Juliano says:

    Muito legal o seu post! Estive no Hawaii em setembro e visitei além de Oahu as ilhas de Maui e Kauai.
    Escrevi uns posts com dicas e fotos sobre estas ilhas:
    http://viajandoeviajando.blogspot.com

    Responder

  6. Rodrigo adoro seus posts sobre passagens, informações, mas esses de relato de viagem são incríveis tb!!! Muito legal! Favoritado pq Havai tb está na minha lista de destinos para se ir um dia nessa vida!
    bjus

    Responder

  7. Cláudio says:

    Rodrigo,

    Usarei as suas dicas na minha viagem para o Hawai.

    Parabéns!

    Responder

  8. Rodrigo

    Agora é minha vez de vir pegar umas dicas aqui com você.. Os Posts da Lucia Malla são incriveis e com eles já da para fazer uma super viagem.. Mas sempre é bom ver outras opiniões.. Vamos fazer 3 trechos com o Hawaiian Air.. Vamos ver como que é.. Uma pena que aparentemente eles nao fazem parte de nenhum programa de milhagem..

    Abraço

    Oscar

    Responder

  9. Cinthia Rangel says:

    Rodrigo,
    Sei que havia um post seu acerca de aluguel de carro com a Alamo.
    Vamos para a Califórnia em abril de 2013 e gostaria de saber se é confiável.
    Tem como me indicar como encontro esse post? Gostaria de lê-lo novamente.
    Pelo que recordo, acho que vc teria alugado em Cancun, foi isso?
    Ab,
    Cinthia.

    Responder

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.