Divagações de um Início de Viagem: Galeão, Novos Consumidores e Gol no Ar

13 de November de 2011 | Por | 31 Comentários More

Na maioria das vezes que este site vive uma fase de poucos posts, a culpa é de uma viagem que irá começar ou de uma que terminou. Tenho sempre que tirar o atraso de serviço no trabalho que paga as contas para depois poder respirar mais aliviado e produzir para este site/blog.

Desta vez fiquei espremido entre uma viagem que acabou (ao Havaí) e outra que está iniciando agora em direção à Ásia. Os mais antigos sabem o tanto que gosto dessa aérea do globo.

Esta viagem que se inicia será realizada usando uma passagem cujos vôos pudessem oferecer algo diferente para mim e por resultante gerar posts aqui no site. Vou voar de econômica no A330 e B777 da Tam (primeira vez que vou à Europa com ela), com um A380 da Lufthansa e um A340 da Cathay. Mas como terei companhia nessa viagem, poderemos ter textos também sobre o A380 da Emirates e o A380 da minha querida Singapore.

Será uma viagem de vôos longos e conexões idem, mas espero que muito proveitosa.

Como moro em Belo Horizonte, parti de BH com um vôo da Gol razoavelmente cheio, provavelmente devido a boas promoções que a Gol fez nas últimas semanas (comprei uma BH/RIO, só ida, por 30 reais). Uma boa parte dos passageiros parecia ter pouca afinidade com os ares. Eu gosto muito dessa inclusão aérea e vejo nosso futuro por ai, mas junto com esse processo de aproximar as passagens aéreas dos preços das passagens de ônibus ficou faltando uma um processo educativo.

Viajar de avião envolve um conjunto de regras mais rígidas, por peculiaridades da operação das aeronaves. Muitos dos novos passageiros embarcam e voam sem prestar atenção alguma às regras de segurança, como se as mesmas estivem lá apenas para atrapalhar sua vida como as demais leis que temos no país.

Os atos de atar os cintos e mantê-los afivelados durante o vôo, colocar as cadeiras na posição correta, deixar abertas as cortinas das janelas, desligar aparelhos eletrônicos no momento da decolagem, aprender como usar os equipamentos de emergência, entre outros procedimentos têm fundamentação prática e muito íntima com a segurança de cada passageiro e dos que voam com ele.

Quem inclina a poltrona durante a decolagem ou pouso acaba reduzindo o espaço do passageiro atrás caso seja necessário uma saída de emergência durante esses procedimentos mais sujeitos a riscos. Ignorando essa regra, ele coloca em risco o outro e não ele! Não usar o cinto pode fazê-lo voar durante uma turbulência não prevista (sim, elas podem ocorrer por maior que seja o zelo da tripulação) e vir a chocar-se com outros passageiros. Usar aparelhos de som com fones de ouvido durante a decolagem ou pouso pode fazer com que um passageiro não entenda uma recomendação dada pela tripulação diante de algo inesperado.

Passou da hora da ANAC e das cias aéreas empenharem-se em campanhas assim. Por mais que falar de riscos de voar possa amedrontar as cias aéreas, prevenir é melhor que remediar. Isso sem contar que evitaria a falta de humor (até compreensível) com que parte dos comissários tratam alguns desses novos usuários pouco educados com relação aos procedimentos de vôo.

Acabei testando, sem esperar, o novo sistema de entretenimento da Gol, o Gol no Ar. Tentei acessar com um smartphone com Symbiam, mas a coisa não funcionou direito. Usei um Ipad e acessou tranquilamente a rede sem fio. Não consegui ver nenhum vídeo (não abria), não sei se por culpa do sistema ou minha, mas acessei a parte de áudio que continha um ótima seleção de músicas (mesmo tendo em mente que quem tem um Smartphone ou Ipad acaba tendo uma boa coleção de músicas e filmes que anda com ele nesses dispositivos). O vôo era muito curto e não consegui aproveitar muito a novidade. Dei uma caminhada pela aeronave para fazer uma pesquisa informal sobre o uso do sistema. Infelizmente, não vim um grande número de passageiros usando o mesmo, talvez porque o perfil do público daquele vôo fosse diferente daquele que o sistema quer atingir.

O Galeão continua muito longe do que ele merece ser e do que ele deve ser diante de sua importância como porta de entrada de um centro turístico como o Rio e do fato de ser no futuro não tão longínquo uma sede de competições importantes de nível mundial. Será que tudo vai ficar para última hora e será feito a toque de caixa privilegiando a velocidade à qualidade e preço. Até quando? O terminal 1 é uma vergonha e o terminal 2 está longe do que deveria ser.

Na imigração apenas dois guichês e uma grande fila fora do horário de pico. Um dos guichês ainda tinha que dar suporte à liberação das tripulações…. Quando fui atendido no guichê, a atendente me perguntou se tinha certeza se queria entrar para a área de embarque com cinco hora de antecedência, já que era caminho sem volta (não se pode mais sair) e que a área não tem muito suporte (“lá não tem nada”, eu ouvi)… Sorte que tinha acesso a uma sala vip que mais uma vez virou um refúgio dentro do caos e da exploração que são nossos aeroportos.

Atualização 14/11/2011: Quando me desloquei para o portão de embarque, descobri que estava chovendo lá fora de uma maneira não muito agradável. Escorreguei, e por pouco não caí, em um das várias poças d’água formadas por goteiras no teto do terminal 2 e no finger que usei para entrar no meu avião. Uma vergonha! O interessante foi ver um vôo da Lufthansa e outro da Tam embarcando quase ao mesmo tempo e para um mesmo destino: Frankfurt. O vôo da Lufthansa me pareceu mais cheio, mas ele acabou de ser lançado e desde seu anúncio foram feitas várias promoções de tarifas. Seria de se perguntar porque duas cias da mesma aliança operam vôos para o mesmo destino em horários com cerca de 30 minutos de diferença (um diário e outro 3 vezes por semana)? Mas também existe a dúvida se ambas vão continuar na mesma aliança após a finalização da criação da Latam (Lan + Tam)?

Espero poder fazer boas matérias nessa viagem. Obrigado pelas visitas mesmo com esse ritmo atípico de publicação que estamos vivendo nos últimos dois meses. O Twitter do Aquela Passagem (vide o alto da coluna à direita do site) continua sendo atualizado mais frequentemente.

Tags: , , , , , , ,

Category: O Blog e Amigos

Comentários (31)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Otavio says:

    Fernando,

    Passei por um situação um pouco mais bizarra, até mesmo porque o voo era de webjet. Quando o avião pousou em confins (saindo de cwb), logo após aquela frenagem um pouco mais brusca, mais ou menos metade dos passageiros levantaram e começaram a abrir os compartimentos de bagagem. A comissária pedia em tom de até certo desespero para todos sentarem e colocarem os cintos.

    Porém o perfil era exatamente o citado pela Rodrigo, o que é comum na Webjet. Falta realmente um pouco mais de enfase pelas cias nessas questões, sabendo que grande parte dos que voam estão tendo essa experiência pela primeira vez.

    Responder

  2. DanielCM says:

    Acho que nós não tivemos evolução nenhuma, nem cultural, nem econômica. O que tivemos foi uma evolução no CRÉDITO, que vem sendo liberado e consumido de forma irresponsável, pois temos pouca ou nenhuma educação financeira. São as passagens compradas até em 36x. E não pensem que vão transformar a infra-estrutura aérea do país por causa de 30 dias de futebol. Basta diminuir o crédito, pulverizar o preju da diminuição da demanda aumentando os preços das passagens, uma maquiada aqui e ali e o problema está “resolvido”.

    Responder

  3. Leonardo says:

    Discordo totalmente de vocês. Viajo no mínimo uma vez por semana, via de regra GOL e TAM, às vezes Azul, e minha constatação é a de que a maioria absoluta das atitudes deselegantes provém de pessoas, digamos, “bem educadas”. Atitudes como atender o celular tão logo o avião pousa, desatar os cintos, levantar para pegar a bagagem de mão, não dar lugar para o passageiro da frente etc.que presencio são, 90% dos casos, praticadas por engravatados portando seus ipads e afins. Aliás, uma falta de educação terrível – essa, desculpem, é 100% do pessoal “rico” – é violar os limites de bagagem de mão. Não há nada pior do que embarcar em uma aeronave portando juma mochila dentro das dimensões e do peso permitidos e não ter onde colocá-la porque os “velhos ricos” não querem despachar seu conjunto de mala+mochila que contém 12, 13 quilos”. Abraços a todos.

    Responder

    Fernando H Rosa respondeu:

    De fato, boa educação e respeito às normas não está associado à classe social ou dinheiro na conta bancária. Em muitos casos na verdade muita gente nascida em berço de ouro se acha superior aos outros e se acha superior as regras ou leis.

    Por outro lado, acho o limite de 5kg para bagagem de mão MUITO baixo. Faço muitas viagens muito curtas, e muitas vezes para não peder tempo despachando procuro levar tudo em uma malinha de mão com rodinhas que comprei da Samsonite. Da última vez que ia ficar uma noite em SP coloquei somente o essencial para aquela noite porém quando fui embarcar a mala estava pesando 6.1kg.

    Na maioria dessas viagens curtas entretanto acabo fazendo bate e volta, onde vou e volto no mesmo dia e sequer levo mala, somente uma mochila com laptop e itens pessoais. Porém quando faço viagens mais longas ou principalmente para fora do país não tenho muita opção. Acabo levando uma mala de laptop, que só com o peso gigântico do laptop da ‘firma’ já dá quase 8kg. Mais uma mochila com itens pessoais chega em 10kg facilmente, mas tenho em dimensões reduzidas e quando possível deixo a mochila embaixo do meu assento ou entre as minhas pernas para não ocupar tanto espaço.

    Em minha opnião a regra para bagagem de mão deveria ser mudada para 10kg, mas ter um controle mais estrito no número de volumes (uma última viagem que vim tinha um rapaz com 7 sacolas grandes, que ocuparam quase que o bagageiro acima dele inteiro) e dimensão.

    Responder

    Leonardo respondeu:

    Concordo com vc, Fernando, sobre o aumento do limite para bagagem de mão. A LAN, salvo engano, admite 8kg, o que acho razoável. A propósito do assunto, vide o link

    http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2011/11/20/internas_economia,262932/anac-intensifica-fiscalizacao-para-verificar-excesso-de-peso-nas-bagagens-de-mao-dos-passageiros.shtml

    Responder

    Luiz respondeu:

    Lembro de uma passagem… há alguns anos…num voo entre Santos Dumont e Congonhas… Um certo cantor e na epóca deputado federal (alô mamâe)usava seu celular em alto e bom tom ate que um passageiro chamou a comissária e também em altos brados pediu.. “Por favor peça para esse palhaço desligar o celular”. Naquele tempo o celular era proibido usar mesmo com a porta aberta e o avião parado. E não é que o cara desligou na hora!!!!!!!

    Responder

  4. Luiz says:

    Jose

    Além da educação do povo as comissáias deveriam ser mais energicas.. Em um voo interno nos EUA um passageiro ousou se levantar assim que o avião pousou em Las Vegas. A comissãria que sentava nos fundos do avião começou a GRITAR “sit” “sit” “sit” (sente) e sem microfone… Eu me assutei comos gritos e o infeliz sentou na hora todo envergonhado…. Toda vez que vejo alguemnse levantando me lembro desse episodio.. Deveriam fazer o mesmo aqui.

    Responder

  5. Márcio Antônio Estrela says:

    Nosso país vive um lindo processo de inclusão social que permite a várias pessoas acessarem serviços antes restrito a poucos (e alguns destes poucos reclamam porque preferiam quando tudo era para poucos…).

    Responder

    Márcio Antônio Estrela respondeu:

    Esqueci de acrescentar: Mas concordo totalmente com a necessidade de um processo educativo para os novos usuários do transporte aéreo.

    Responder

  6. Márcio Antônio Estrela says:

    Faço um registro de um ponto específico: ligar celular.

    Em muitos países se permite ligar o celular assim que o avião toca o solo. Nos meus voos para a cidade do México com a Aeroméxico e para Washington com a United a tripulação avisava que o uso de celular estava liberado assim que o avião tocava a pista e ainda sequer taxiava…

    No Brasil, há alguns anos, não se permitia o uso dentro do avião. Hoje se permite enquanto as portas estão abertas…

    Responder

  7. Patricia Aliprandi says:

    Oi amigo! Tinha que ver o pessoal chegando em BH no vôo da TAM vindo de Miami. Pareciam selvagens. O avião taxiando e o povo levantado Pra pegar as malas de mão, ligando celular, entre outras coisinhas desagradáveis . Fiquei chocada! Abraços!

    Responder

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.