Do Brasil a Miami usando 20 mil milhas mais 640 reais: Pontos Fortes e Fracos Dessa Estratégia

11 de Setembro de 2008 | Por | 22 Comentários More
Atenção: As informações contidas neste post estão sujeitas a grandes modificações, já que o mercado de aviação é muito dinâmico. As mesmas baseiam-se na conjuntura existente em agosto de 2008.

Neste post você entendeu como eu consegui montar uma passagem BH/Miami usando 20 mil milhas Smiles e pagando mais 640 reais com todas as taxas inclusas. Neste aqui você teve contato com os vôos mais adequados para tentar reproduzir a mesma estratégia. Mas como não é uma estratégia perfeita, vou destrinchar seus pontos fortes e fracos a fim de subsidiar você leitor no caso de pensar em usar a mesma estratégia.

Essas dicas, de uma forma geral, chamam atenção para os pontos que devem ser pesquisados antes de montar uma outra passagem utilizando-se da combinação de trechos comprados de forma isolada em cias diferentes e que necessitem de uma conexão em um ponto intermediário. Somente acrescentaria as dicas abaixo uma pesquisa sobre a necessidade de visto no ponto de conexão, fato não abordado abaixo, já que os brasileiros são isentos de vistos de turismo para até três meses de permanência em solo colombiano.

Pontos Fortes

Preço

Indiscutivelmente foi o que me levou a usar essa estratégia. Foram 640 reais gastos contra os cerca de 1500 dólares (2200 reais) de uma passagem convencional ligando Belo Horizonte/Miami. Acredito que com o aumento da concorrência em BH (TAM, American e Copa), as passagens podem cair um pouco, mas sem chegar próximo do que paguei (esses valores são com taxas inclusas).

Você paga bem menos pela passagem, mas vai ter que gastar com alguns extras, já que são necessárias duas diárias em Bogotá (uma obrigatória e outra muiiiiito recomendável) para poder fazer as conexões entre o vôo da Varig do Brasil/Bogotá e os da cia escolhida que vai ligar Bogotá aos EUA. Você ainda vai gastar no transporte de/para o aeroporto de Bogotá e com comida durante sua estadia na capital Colombiana. Este stopover pode ser usado para conhecer mais uma cidade, cujos custos de comida e transporte não são muito diferentes dos da minha Belo Horizonte. Os hotéis já são outros quinhentos….

Bom Uso das Milhas

Essa estratégia permite se utilizar 20 mil milhas Smiles para voar cerca de 5 horas (ou mais, dependendo de onde você parte no Brasil) em uma passagem que se fosse comprada sairia por cerca de 1200 reais. Milha boa é milha gasta rapidamente e com consciência. Fiquei com essas minhas milhas presas no Smiles enquanto as rotas internacionais, meu maior interesse, só fizeram murchar.

No caso de usar pontos TAM, seria necessário emitir uma passagem para voar na LAN, única parceira do Fidelidade que voa para Bogotá, já que a TAM não opera naquele destino. Seriam necessários os mesmos 20 mil pontos TAM.

Disponibilidade de Assentos

Apesar do tempo gasto no telefone aguardando atendimento no Smiles (dou preferência para horários da madrugada ou início da manhã para minhas ligações), havia uma boa disponibilidade de assentos nos vôos para Bogotá com 1 mês e meio de antecedência. Depois as vagas foram tornando-se mais raras, mas poucos dias antes dos vôos voltaram a aparecer de forma tímida. Isso fez possível com que remarcasse a viagem poucos dias antes da partida programada e ainda trocasse a data do vôo de volta devido a problemas que tive com vôos cancelados da American. Só não sei se a disponibilidade vai continuar alta depois dessa série de posts..rsrs. Depois vou fazer um post sobre meu contato com o Smiles.

Não tenho informações da disponibilidade de assentos usando pontos do Fidelidade para emitir passagens para voar LAN para Bogotá (a TAM não voa para esse destino).

Vamos agora aos pontos fracos que não são poucos:

Se Tempo é Dinheiro……

Se no seu caso tempo é dinheiro ou se o período disponível para sua viagem é muito curto, então esqueça essa estratégia. Você vai perder pelo menos dois dias de Miami fazendo a conexão em Bogotá usando esta estratégia comparando com um vôo direto noturno.

Dormir em Bogotá Custa Caro!

Se você fizer questão de dormir em um hotel médio para cima em Bogotá, prepare-se para gastar no mínimo 90 USD por noite. Mesmo usando o Tripadvisor, não é fácil achar opções de hospedagem por esse preço. Mas se você topar dormir em pousadas com “p” minúsculo, albergues ou guesthouses com banheiro privativo, você encontrará algumas poucas opções por cerca de 70 reais a noite na região da Candelária (área histórica de Bogotá). Se for mochileiro e topar dormir em qualquer lugar, então você não terá problemas, já que os preços atingem valores dentro do padrão internacional para esse tipo de acomodação.

Conexões: O Ponto Crítico

Esse é o ponto crucial da estratégia. Você estará combinando duas passagens de cias diferentes e compradas isoladamente. As cias se negarão a assumir espontaneamente os prejuízos da perda de uma conexão de um vôo subsequente em outra cia não parceira, principalmente se as causas forem condições meteorológicas. Você pode até brigar na justiça depois, mas isso não vai resolver seus problemas de conexão no meio da viagem.

Tendo em vista isso, recomendo pelo menos um dia de diferença entre os vôos. Se optar pela Varig, você até poderá pegar o vôo de ida para Miami na Avianca no mesmo dia. Mas mesmo assim recomendo que você opte por pegar o vôo Bogotá/EUA o mais tarde possível (de preferência no dia seguinte), já que se houver algum problema no vôo da Varig de ida, você tem uma margem para que uma solução seja encontrada pela mesma.

Na volta até é possível fazer os dois vôos no mesmo dia, mas não recomendo essa estratégia. Os aeroportos da região de Miami são muito propensos a fechamento. Há uma regra em Miami: choveu com raios, aeroporto fechado para proteger o pessoal de terra. Os aviões que estão na fila de decolagem lá ficam e quem não embarcou vê seu vôo atrasar até o final da chuva e a reabertura do aeroporto. Soma-se a isso, a fila de aviões que se formará para decolar…

Posso dizer que vi tudo isso acontecer e muito mais, já que meu vôo, depois de sofrer um atraso de 5 horas, foi cancelado devido a falta de tripulação (aquela que era para voar estourou o tempo máximo de trabalho antes de partir…).

Com isso torna-se bastante recomendável que você faça um stopover em Bogotá na ida e na volta. Aproveite para conhecer a cidade e ao mesmo tempo se proteja de um estresse maior.

Malas: Combinando franquias diferentes

Dependendo dos vôos escolhidos para compor seu trajeto, podem haver grandes diferenças de franquias de bagagens ente as cias. O que pode numa cia, pode não ser mais aceito pela próxima cia aérea e/ou pagar excesso de bagagem que pode sair caro, além de arruinar seus planos de economizar usando esta estratégia.

A maioria das cias aéreas (exceto a Aeromexico) usam o conceito peça de franquia despachada (normalmente 2 peças de até 32 kg cada por passageiro) nas passagens emitidas no Brasil em direção aos EUA. Já a estratégia abordada aqui, usa a franquia peso até Bogotá (na Varig e na Lan são 20kg de franquia despachada e mais uma peça de mão de até 5 kg na Varig e 8kg na LAN)) e de lá em diante vai depender da cia escolhida. No meu caso, a American dá direito a duas peças de até 23kg despachadas e mais uma peça de bagagem de mão de até 18kg. No caso da escolha ser a Spirit, são 15 USD pagos via Internet ou 25 USD pagos no aeroporto por uma peça de até 23 kg de bagagem, além de não aceitar uma segunda peça mesmo pagando. Na Avianca a franquia seria de 2 peças de até 23kg/cada despachadas e 1 peça de até 10kg na bagagem de mão. A chilena Lan possui a franquia de 1 peça de bagagem de mão de até 8kg e 2 peças de até 23kg/cada despachadas.

Portanto, se você abusar das compras em Miami, as malas que voaram sem problema na AA não poderiam embarcar sem pagar excesso de bagagem na Varig. Eu dei meu jeito usando a franquia ampliada que a Varig dá aos portadores de cartões elite (mais 20 kg por ser Smiles Gold no vôo em questão), mas se você não possui status elite, esse problema pode ser crucial para muitos dos interessados nessa estratégia.

Vacina: Febre Amarela e Cartão de Vacina Internacional

Para voar para Bogotá e alguns destinos internacionais como Cingapura, Tailândia entre outros, é necessário o certificado internacional de vacinação contra Febre Amarela. A Vacina deve ser tomada 10 dias antes da chegada no destino e tem validade de 10 anos. Apesar de ser muito recomendável a vacinação dos que aqui residem (estamos vendo Dengue, Tuberculose e Febre Amarela voltarem com força aqui no Brasil), a vacina pode ser um impeditivo para algum dos leitores entusiasmados com os relatos dessa viagem.

Por fim um comentário sobre a imigração nos EUA:

Eu já recebi mais de um questionamento sobre a imigração em Miami. Os leitores se preocupam com uma possível maior rigidez da imigração americana porque estariam vindo de Bogotá e não do Brasil. A imigração em Miami foi meio caótica com vários vôos chegando ao mesmo tempo e nossos irmãos sul-americanos (muitos brasileiros) e latinos furando fila adoidado. Não me questionaram nada sobre a origem do vôo ser Bogotá. Mas eu já tenho visto americano há vários anos e muitas entradas no currículo. De qualquer forma, o passageiro pode escolher o caminho que ele desejar para alcançar um destino. Sabendo explicar que você está aproveitando milhas, não vejo como isso pode interferir na sua viagem. Além do mais, você já passou por um pente fino antes de emitirem o seu visto. Só não esqueça de trazer o nome e endereço do seu local de hospedagem em solo americano, já que isso é uma informação básica e essencial na visão do governo americano.

Tags: , , , , , , , ,

Category: Programas de Fidelidade Aérea

Comentários (22)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Fábio says:

    Rodrigo, você não falou em relação a alfandega em Bogotá. Aqui no Brasil a gente pode trazer até U$ 500.00 em produtos, e de Miami para Bogotá, nós como extrangeiros temos algum limite para isso? Abraço, Fábio

    Responder

  2. Claudio says:

    Vou a Miami semana que vem, via Bogotá, e descobri que a cota de entrada na Colômbia é $1500. Confiram:

    http://www.colombia.travel/po/turista-internacional/informacao-pratica/a-viagem-informacao-e-conselhos/ao-ingressar

    Responder

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.