Franquia de Bagagem: Um Tema Que Merece Sua Atenção

1 de August de 2011 | Por | 15 Comentários More

Nos últimos anos vimos uma grande mudança nas franquias de bagagem. Além do início da cobrança por peça despachada (em várias cias low cost pelo mundo e em algumas cias tradicionais em mercados específicos), vimos também que muitas cias aéreas têm reduzido a franquia em seus vôos internacionais em determinados mercados.

Essa mudanças tem sido lenta, progressiva, de forma a favorecer a assimilação do consumidor, e agora ameaça a generosa franquia de bagagem que a maioria das cias aéreas praticam em vôos partindo do Brasil para fora da América do Sul e que os consumidores brasileiros tanto gostam.

Ainda estamos livres dessas cobranças e mudanças em nossos vôos nacionais (até quando?), mas o brasileiro deve começar a ficar atento à franquia de bagagem associada à sua passagem para não vir a pagar caro por um possível excesso.

As cias aéreas ganham dinheiro não só vendendo passagens, mas também vendendo o espaço que sobra nos porões para quem deseja transportar carga. Além disso, quanto mais pesado um avião, mais combustível ele gasta. E o combustível, que é um dos principais custos das cias aéreas, anda com preços acima da média. Assim, controlar bem o que uma cia aérea coloca no porão de suas aeronaves pode gerar renda e reduzir os custos.

E é isso que as cias aéreas pelo mundo andam fazendo. Tentam estimular ao máximo que o consumidor viaje seguindo apenas a franquia permitida cobrando caro pelo excesso de bagagem (algumas dão desconto para compra de franquias extras de forma antecipada ao vôo) e sendo cada vez mais rígidas quanto ao peso e ao tamanho das malas no momento do despacho das mesmas. Assim, elas podem fazer uma previsão mais acurada do quanto podem disponibilizar de espaço para transportar cargas de terceiros.

Cada dia que passa, aquele hábito (muito visto no passado e que muitos consumidores comparecem aos guichês de check in contando com ele) de perdoar pequenos excessos vem desaparecendo.

Mesmo no Brasil, estão querendo controlar de forma mais rígida a sua bagagem de mão, no que tange ao seu tamanho e peso. Vamos tratar disso em ou outro post.

O grande problema das franquias de bagagem é que muitas vezes as suas informações não são claramente expostas no momento da reserva/compra da passagem no site da cia aérea. Muitas vezes é necessário visitar uma página específica sobre franquias de bagagem do site da cia aérea para se informar antes de começar o processo de compra da passagem. Para complicar, algumas agências virtuais não se esforçam nem um pouco para esclarecer essa questão para seus consumidores.

Pagar pelo excesso de bagagem pode sair muito caro e transformar uma passagem barata em uma muito mais cara. Já fizemos uma série de posts sobre esse tema no passado, que hoje podemos considerar caduca devido à velocidade com que as regras mudaram nos últimos tempos. Mas alertas por aqui nunca faltaram, pois acho que o tema merece mais atenção do que o consumidor costuma dar a ele.

Visando voltar a chamar a atenção para alguns temas relacionados a franquias de bagagem e que podem pesar no seu bolso, vou iniciar uma nova série de posts tratando do assunto. Dentre  os vários temas que desejo abordar estarão os seguintes:

A Franquia pode variar de cia aérea para cia aérea até mesmo dentro de uma mesma rota!

A importância de conhecer o que é Período de Embargo de excesso de bagagem.

Nem tudo pode ser incluído na franquia bagagem em todas as cias aéreas, até mesmo quando se respeita o peso e as dimensões permitidas.

Tarifas diferentes formando uma única passagem podem trazer franquias diferentes nos vôos que compõe a viagem.

A influência do local de compra ou do ponto de partida na franquia de bagagem.

Passagens emitidas com milhas podem ter franquias diferentes das passagens compradas.

Bagagem de mão, novo alvo das cias aéreas.

Para começar, aconselho a leitura de um texto antigo, mas cujas informações em sua maioria continuam válidas: Nele você entenderá o que quer dizer franquia Peso e franquia Peça e outros conceitos básicos e importantes para compreender o conjunto de textos que vem a seguir.

Foto: Mag3737
Sob licensa Creative Commons

Tags: ,

Category: Bagagem

Comentários (15)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Emilio says:

    Pretendo utilizar milhas Smiles para comprar passagem dos EUA para o Brasil em janeiro/2012. Estou entre Delta ou American Airlines. A franquia de bagagens vai depender da passagem emitida ? Terei que descobrir o código da passagem ?

    Responder

    Victor respondeu:

    Emilio, a franquia será a mesma… eu iria de Delta hehe

    Responder

    luiz respondeu:

    Victor,eu acho que vc deve se informar bem! Pois ano passado em outubro fui para os Estados Unidos, e o voo interno entre os aeroportos MIA-JFK comprei direto no site da AA, pois era um valor espetacular R$178,00(isso mesmo em reais com as taxas ja inclusas)! Acostumado com os voos internos aqui do Brasil, quando fui despachar a minha mala no check-in a atendente falou que era cobrado U$25,00 por mala despachada! O que eu podia fazer? Tive que pagar!!!! Então pesquise bem para verificar como esta franquia de bagagem da AA para voos internacionais, ainda mais com resgate de milhas!!!

    Responder

    Gabriel Dias respondeu:

    A franquia é a mesma, sendo a passagem paga ou com milhas. TODO voo saindo do Brasil da AA são 2 malas de 32kg.
    Você comprou um voo separado do internacional, por isso teve que pagar pelas malas. Se fosse emitido junto a franquia seria a mesma do voo internacional.

    Emilio respondeu:

    Terei 2 X 32 Kg de bagagem ?

    Responder

    Gabriel Dias respondeu:

    Sim.

    Responder

    Abilio respondeu:

    Se a passagem é dos EUA para o Brasil, acho que é uma de 23kg.

    Responder

    Emilio respondeu:

    Abilio,

    é o que estou suspeitando. Que pena ! Terei que pagar para despachar mais uma bagagem.

  2. Ernesto says:

    Vamos ver quando vira a copia no Mais descarado….

    Responder

  3. Guilherme says:

    Rodrigo, excelente análise! Aliás, esse é um dos temas que devem ser examinados com muito cuidado para quem viaja de férias, sobretudo se a finalidade principal, ou uma delas, for a realização de compras.

    Desconhecer os limites das franquias de bagagem poderá implicar, no final das contas, o pagamento de tarifas extras, e muita dor de cabeça em decorrência desses problemas. Por isso, informação é fundamental!

    Aguardo ansioso a próxima série de artigos!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    Responder

  4. Beto says:

    Rodrigo,

    Muito bom o post!! Alguns dias atras voltando dos EUA tive que pagar U$ 100 para despachar uma bike, estava na caixa pois eu esqueci mala bike aqui e esta bike era nova, mas paguei feliz pois economizei uns bons dolares na compra, claro q se tivesse levado o mala bike teria economizado essa.

    Ja em temporada de Sky houve vez que as cias nao cobraram o despacho de equipamentos, só nao me lembro qual foi a cia, pois via de regra todas cobram.

    Ernesto eles podem ate copiar o post, mas o que esta por tras dos post que sao as pessoas e suas experiencias isso jamais copiarao nah? Ainda bem.

    Abs

    Beto B.

    Responder

  5. Abilio says:

    Voo com orgem no Brasil, na volta para o Brasil, de FCO para CDG com destino GRU, a fofa da Alitalia queria cobrar excesso de bagagem, eu e a minha senhora estavamos com 4 X 32kg, a fofa queria cobrar muito exce$$o… Mas eu protestei, disse que conhecia as regras, ela se fez de desentendida…o voo estava já para sair, e ela querendo cobrar…Olha, parecia gorpe. Agora, saindo de Roma eu imprimo as regras para não ter discução.

    Responder

  6. Ricardo Elvas says:

    Rodrigo,
    Estou voando de milhas Start Alliance em dezembro de 2011 pela Air Canada entre Toronto (YYZ) para São Paulo (GRU). Meu destino final é Rio de Janeiro (GIG) mas por conta dos prazos de troca de milhas da Air Canada que são de 11 ou 12 meses de atecedência e a nossa “querida” TAM 6 meses, é bem difícil e arriscado deixar para 6 meses da data de retorno para emitir a passagem. Normalmente 6 meses antes já não tem mais as datas em dezembro nos vôos diretos entre Toronto e SP pois tem poucos assentos de milhas por vôo e muita gente troca logo no início.
    Comprei uma passagem separada do meu bilhete internacional pela TAM, GRU x GIG x GRU, mas reversei o mesmo vôo que a Air Canada oferece quando comprado.
    Existe alguma forma de associar esse meu bilhete comprado separadamente a minha passagem principal? A idéia é tentar manter as mesmas franquias de bagagens do vôo international nessa passagem nacional da TAM.
    Alguém já viu essa situação e alguma forma de eviatr excesso de bagagem?
    Grato,
    Ricardo

    Responder

    Rodrigo Purisch respondeu:

    Ricardo,
    Não vejo como associar não. Vai depender muito da boa vontade do cara do check in, o que nem sempre é bom contar… Se eles quiserem podem bater o pé, eles tem direito

    Na volta, se conseguirem despachar suas malas até o destino final (GIG) no aeroporto em YYZ, fica mais fácil passar batido já que o pessoal da Air Canada estará mais preocupado com a franquia deles.

    Se você tiver status elite Star Alliance lembre-se que ele dá uma franquia extra.

    Responder

    Ricardo Elvas respondeu:

    OI Rodrigo,
    Valeu pela respota.
    Na verdade estou fazendo Toronto x Sao Paulo x Toronto pela Air Canada.
    O que eu posso tentar fazer é perguntar pra eles na ida se eles imprimim as etiquetas de bagagem com destino GIG.
    Pela que sei, idependente da passagem que tenha, todo mundo tem que tirar a mala e fazer alfandega em São Paulo (GRU). Você sabe como funciona esse procedimento para redespachar a mala? Preciso sair na área externa para redespachar a mala no check in ou posso fazer isso internamente na sala de embarque?
    Sobre o status elite na start alliance eu não tenho milhas voadas suficiante, mas acho que fazendo um cartão platinum da Aeroplan Amex tem várias bvantagens, o duro é pagar U$400 por ano pela anuidade.
    Grato,
    Ricardo Elvas

    Responder

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.