Internet e a Qualidade da Informação

28 de July de 2007 | Por | Comente More
Vou postar aqui um comentário, que fiz no VnV, sobre um e-mail que circula na Internet sobre acidentes da TAM, já que fui questionado por vários sobre o mesmo.

Pessoalmente, tenho muitas resistências e preconceitos quanto a esses tipos de e-mails. A Internet é um meio fértil para o crescimento de mitos e informações não tão acuradas. Não sei se esse caso pode ser classificado como tal.

Como pode ser notado, no Aquela Passagem!, sempre tento dar a fonte dos dados e uma parcela muito pequena desses e-mails relata fonte ou quando o faz, nos obriga a conferir uma por uma. Quantos e-mails do Jabour existem por ai?

No caso específico desse e-mail, temos que ter mais cuidado ainda. Ele está fortemente influenciado pela emoção.

Não tenho conhecimento profundo no tema acidentes aéreos e sua análise depende do domínio de vários conhecimentos dentre eles estatística, normas de segurança, dados operacionais mundiais, registros históricos, etc. Uma série chamada MayDay do canal a cabo

National Geographic Channel mostra bem a complexidade de uma investigação de um acidente aéreo e a cadeia de pequenos deslizes que o precedeu.

Gosto sempre de lembrar que se você comeu um frango e eu não comi nada, estatisticamente nos dois estamos satisfeitos, porque cada um comeu meio frango. Esse exemplo bobo é para lembrar que os dados são manipuláveis ao gosto de quem conta a história e para discernir o fato do mito é necessário conhecimento no assunto.

Andei dando uma pesquisada na Internet e achei alguns sites (

Air Safe , Plane Crash Info) que postam estatísticas de acidentes aéreos (não posso afirmar que esses dados são confiáveis). Nesses sites, a TAM não se apresenta com uma estatística favorável, mas está longe de muitas outras cias.

Devemos lembrar que a estatística da Gol, hoje, não deve ser das melhores: pouco tempo de vida e um grande acidente. Foi culpa da Gol o acidente? Nada aponta para isso, mas as estatísticas não sabem disto.


A nós consumidores, a segurança de vôo é algo muito importante, mas para as seguradoras é questão de lucro e sobrevivência. Essas empresas têm acesso a um sem número de informações essenciais para determinar o grau de risco. Nunca vi críticas aos valores pagos pela TAM nesses seguros, levando a duas conclusões possíveis: o risco da TAM está dentro da média e o valor pago não deve diferir das demais cias.

TAM e

Fokker não combinam, tanto que ela está para aposentar toda sua frota em um futuro recente. O avião é ruim? Parece que não, já que várias cias operaram e operam aeronaves Fokker. Os MK-28 da OceanAir são Fokker 100 da American Airlines.

Um nome é construído depois de anos de trabalho duro e pode ser perdido em pouco tempo. A TAM está sob risco de ter sua marca muito afetada, principalmente pelo que ela deixou de fazer (informar, dar apoio aos consumidores, assumir erros e responsabilidades, pela lentidão na resposta aos fatos e por deixar de ouvir seus funcionários) do pelos acidentes em si. Quando os fatos são envoltos em uma aura de mistério, as chances de teorias diversas eclodirem são sempre maiores.

Tags:

Category: Caos, Para um vôo tranquilo

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.