JAL: Vai Abandonar o Brasil

29 de April de 2010 | Por | 26 Comentários More

A japonesa Jal, imersa em uma crise financeira sem precedentes, resolveu perder os anéis para não perder os dedos. Vai cortar uma série de rotas onde sua presença é menor dentro e fora do Japão.

A rota São Paulo/Nova Iorque/Tóquio que era operada 3 vezes por semana e passou recentmente a ser operada 2 vezes por semana vai ser suspensa a partir de 30 de setembro de 2010.

Ela ainda deve aposentar todos os seus 747 até o final de 2011.

Esperamos que ela possa renascer mais forte no futuro.

Tags: , , ,

Category: Cias Aéreas

Comentários (26)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Eduardo Galvão says:

    Dependendo de quantas milhas vc tem, vc pode ir para os EUA, e de lá pegar um vôo pela Cathay ou várias outras. Entre SF e Bangkok vc consegue até por 700 dólares.

    Responder

  2. Celso says:

    A rota GRU-NRT, via USA, sofreu com a legislação americana, com a economia japonesa, no passado recente com o fluxo ao e do Japão, com a entrada de novos e superiores players aéreos, etc..
    Narita pela AEROMEXICO, tem 2 stops, não tem o melhor preço, não tem o melhor serviço na rota, em tempo de voo não é o mais curto e exceto na obrigatoriedade de um eventual STOP no México não é a melhor rota para o destino. Perder a JAL em nada, absolutamente nada afetará a rota.

    Responder

  3. Celso says:

    O desinteresse da ANA, ao menos por hora já foi declarado várias vezes, veja no AIRLINES ou ATW daily news. Engana-se ao afirmar que somente por ser a maior cidade japonesa fora do Japão já gabarita uma empresa na rota. Tanto não gabarita que a VARIG abandonou NAGOIA E NARITA e agora sozinha a JAL reduziu primeiramente as frequencias e agora extinguiu a rota. A efetividade de uma rota passa por vários fatores e voar GRU-NRT , via USA , com o cenário atual É PREJUIZO na certa. A ANA voa NRT-JFK com rentabilidade e estabelece um code share com a TAM JFK-GRU, não correndo nenhum risco na operação. Via outro destino ( EUROPA ) a ANA não tem 5@ liberdade para voar ao BRASIL. Logo, apesar do caminho livre o CEO da ANA não vislumbra a rota , ao menos por hora. E cá entre nós, VIA USA não teremos nem ANA , nem TAM para NRT, e mesmo CO, UA, AA , DL que fazem a mesma rota com 1 stop, devem levar um número irrisório de passageiros. NRT será via ORIENTE MÉDIO ( DXB ou DOH ), e logo , logo via ETIHAD. Aguardemos!

    Responder

  4. jorge moraes says:

    Concordo em parte, pois a rota via USA com exigência de visto só dificulta as coisas, mas não é tudo. Mas, quero lembra-lo que nos anos 90 a JAL já ligou SP a Tóquio 3 vezes por semana via LA, sendo que em uma delas era apenas uma escala técnica , ou seja era para abastecimento e não permitia embarque/desembarque de pax. A ANA pode fazer o mesmo, voar para SP com escala técnica na Europa, até que consiga liberdade/acordo para voar ao Brasil . Outra coisa, a Varig abandou a rota para o Japão, devido a sua crise, que mais tarde acabou no abandono de todas as outras rotas intercontinentais.

    Responder

  5. Celso says:

    O visto é um aspecto importante e contribue em muito para a diminuição do tráfego na rota. Nos anos 90 simultaneamente a JAL chegou a ter operação para o Japao via LAX e via JFK. A ANA não poderá voar via Europa nem fazendo escala técnica, pois o acordo bilateral entre Brasil e Japão não permite. Lá nos idos de 1990 a VARIG requisitou voar para NARITA via FRA. Governo Japones não aceitou. A VARIG abandonou a rota pela sua crise? Sinceramente, não me lembro, mas acredito que tenha sido por baixa demanda, não tenho certeza.

    Responder

  6. jorge moraes says:

    Celso
    foi sim pela sua crise que a Varig abandonou o Japão. Pois ela abandonou tbém Fra, NYC,Londres, Milão, Miami e outros. Estes últimos destinos não tinham baixa demanda, e a Varig os deixou. A explicação sua crise de financeira.

    Responder

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.