Mais BRA…SIL

7 de November de 2007 | Por | 4 Comentários More
O Brasil mostra mais uma vez como trata o seu contribuinte. Quando convém aos nossos governantes eles ameaçam as cias aéreas com a perda da permissão de voar, caso não atendam seus interesses, já que o transporte aéreo é uma concessão governamental. A última ameaça foi feita ontem pelo Ministro Jobim, que ameaça tomar atitudes drásticas no caso das cias aéreas não cumprirem seus horários. Quer enganar a quem? O Brasil está hoje na mão duas cias aéreas (TAM e Varigol) e uma que não sabe o que vai ser quando crescer (OceanAir). Quem tem coragem, ou melhor, insanidade de punir de forma drástica algumas delas e fazer o país mergulhar em uma crise maior ainda?

Quando não lhe convém, trata o setor aéreo como um setor qualquer, como se a concorrência auto-regulasse o setor. Que concorrência? Como não tinha interesse, deixou de acompanhar o caso da BRA até o momento onde não era possível fazer mais nada e a não ser ver o consumidor mais uma vez lesado.

Lembramos que a popularização do uso do avião no Brasil é recente e na minha opinião muito bem-vinda. Nesse processo, vários brasileiros tiveram acesso a um transporte moderno e eficiente, mas infelizmente nem o governo, nem as próprias cias tomaram atitudes para forçar melhorias no sistema aeroportuário nacional. O consumidor teve acesso a tarifas mais baixas, mas nunca antes teve seus direitos de consumidor tão lesados e de forma tão repetitiva com nos últimos anos. Hoje, mais um grupo de consumidores, em grande parte formado por pessoas de menor poder aquisitivo e pouco informados sobre o mercado de aviação viram uma alegria, a alegria de voar, tornar-se mais um martírio sem nenhum apoio governamental.

Se o transporte aéreo é uma concessão governamental, então quem o utiliza deveria ser protegido pelo poder concedente. Mas o que vemos é uma ANAC tratando o caso como um problema da BRA e atuando de forma a ajudar a resolver, como uma caridade, o problema do consumidor que deveria defender.

Nenhum responsável pela BRA veio a público falar em nome da companhia. Esses vão entrar para um seleto grupo de empresários brasileiros que apesar de terem lesados vários de seus consumidores continuam vivendo como se nada tivesse acontecido….

Como disse a Rosana Hermann no Blog Querido Leitor , tomara que o Brasil não siga o exemplo da BRA e que nós brasileiros não venhamos mais a sofrer com a miopia que assola nossos governantes e alguns de nossos empresários.

Tags:

Category: Caos

Comentários (4)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. ZÉ MOCHILEIRO says:

    Olá Rodrigo,
    Estou atualmente na Europa( http://zemochileiro.blogspot.com ) e percebo a falta de infra-estrutura no nosso país.
    Precisamos evoluir bastante nesse quesito…
    Um abraço, boas viagens!
    ZÈ Mochileiro

    Responder

  2. Rodrigo Purisch says:

    Zé,

    Viajar além de nos fazer conhecer outras culturas, linguas e lugares, nos abre os olhos para o tanto que o Brasil tem que melhorar. Infelizmente, nós não conseguimos sair do posto de país do futuro.

    Aproveite bastante sua viagem!
    Um abraço

    Responder

  3. joao passos says:

    Tem dois sites que já mea ajudaram muito.
    http://www.vaiprocurarseusdireitos.com.br
    http://www.reclameaqui.com.br

    Responder

    Rodrigo Purisch respondeu:

    João,

    Já tivemos outros leitores que indicaram o reclameaqui. Qual sua experiência com ele? Minha preocupação é com a confidencialidade dos dados pessoais passados ao site.

    Um abraço

    Responder

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.