Minha Experiência de Emissão de Uma Passagem Prêmio no Victoria da TAP

10 de October de 2011 | Por | 75 Comentários More

Motivado pelas promoções 2X1 de transferência de milhas/pontos de programas de fidelidade de cartões de crédito para o programa de fidelidade aérea da Tap (depositam o dobro de milhas na conta do Victoria), acabei abrindo uma conta lá.

Como apareceu uma dessas envolvendo o meu cartão Itaucard, aproveitei e fiz a logo a transferência do meu saldo no cartão para o Victoria. Fiquei então esperando a melhor oportunidade para usá-las. Infelizmente, a oportunidade de voar para a Europa em uma das promoções de emissão com 50% das milhas que a Tap costuma fazer (tem uma no momento, mas não há garantia que continuará fazendo!) não veio em um momento propício para viajar.

Outros pontos que chamam atenção no Victoria: Em vôos TAP, ele permite emissão de passagens para crianças usando 50% das milhas usuais (não é valido nas promoções) e se você for Gold e estiver pagando sua passagem, pode emitir uma para o acompanhante com milhas usando apenas 60% das milhas usuais.

Como o meu saldo no Victoria dava quase para emitir 3 passagens para os EUA (55 mil milhas cada na econômica) e estava interessado em voar para este destino na próxima oportunidade, decidi que ira usá-las com essa finalidade. Como cada uma na realidade sairia por 50% do que pagaria por elas (já que dobrei minhas milhas na transferência), uma passagem para Nova Iorque ou Miami já seria um bom negócio. Como a Tap não voa do Brasil diretamente para os EUA, teria que usar vôos das parceiras Star Alliance do Victoria.

Mas como tenho por hábito aproveitar ao máximo as oportunidades, decidi então visitar um destino que estava na lista de desejos, o Havaí. O interessante é que a emissão de passagens prêmio para o Havaí no Victoria demanda o mesmo número de milhas que passagens para Miami ou Nova Iorque, por exemplo. Em vários outros programas, o Havaí costuma demandar um número maior de milhas do que destinos dentro do EUA continental. Vale ressaltar que normalmente as passagens para o Havaí costumam também ser bem mais caras que uma passagem para as concorridas Miami e Nova Iorque.

O programa Victoria permite a emissão de passagens com no máximo 6 segmentos, permite sair por uma cidade e voltar por outra (open jaw) e ainda aceita trecho surface (que você desloque de um ponto A para o B por conta própria e reinicie sua viagem a partir do ponto B).

Assim decidi que faria Belo Horizonte/Honolulu, Honolulu/Baltimore e Miami/Belo Horizonte. A próxima parte foi verificar a disponibilidade de assentos. A melhor ferramenta para avaliar a disponibilidade de assentos para emissão de passagem prêmio em cias Star Alliance é o site da ANA (demos essa dica aqui e existe um tutorial em inglês no Flyertalk que pode ser lido aqui). Recomendo o uso desse site!

Fiz minhas buscas e encontrei disponibilidade em vôos dentro de uma janela aonde gostaria de viajar. Assim, as datas da minha viagem foram definidas de acordo com a disponibilidade de assentos, um efeito colateral muito comum do uso de milhas. Quando acumulo milhas sei de antemão dessas frequentes limitações e não fico frustrado com elas. Assim no início de julho, emiti passagens para voar no final de setembro (São Paulo/Honolulu via São Paulo e Houston com a Continental, Honolulu/Baltimore via Los Angeles com a United e Miami/Belo Horizonte com a Tam). Lembrando que estava voando na baixa estação!

Quanto a disponibilidade de assentos senti muita dificuldade na emissão das passagens a partir de Miami para o Brasil. A disponibilidade da Tam partindo de Miami é baixíssima e muitas vezes se limitava apenas a vôos diurnos nos velhos B767 que são usados para Belo Horizonte, Brasília, Manaus e Rio de Janeiro. Por sorte consegui disponibilidade para Belo Horizonte com ela e continuei monitorando diariamente para ver se aparecia alguma outra opção, mas não apareceu. Se quisesse poderia sair de Fort Lauderdale e voar via Washington com a United ou Houston com a Continental, porém eu não poderia usar essas rotas por que no meu caso só tinha um segmento para gastar no vôo Miami/Brasil.

A emissão foi feita sem muitos problemas, pois já conhecia os vôos com disponibilidade de assentos e fui guiando o atendente.

Mas fique atento:

A Tap cobra 25 Euros por emissão de cada passagem pelo call center (única forma de emitir passagens Star Alliance).

Para alterar datas, paga-se 30 Euros. Aqui você deve ficar muito atento. Ela permite apenas mudança de horário mantendo os mesmos aeroportos inclusive pontos de conexão. Assim se você encontrar um vôo melhor que faz conexão em um ponto intermediário diferente ou parte de um outro aeroporto próximo ou quiser partir de outra cidade não será possível alterar a passagem depois da emissão nessas condições.

O cancelamento das passagens e reembolso das milhas custa 60 Euros, além de se perder a taxa de emissão paga no call center.

O call center da Tap tem um 0800 que é muito bem-vindo, mas evite emitir suas passagens no final do horário de atendimento. Se por ventura você notar algum erro na passagem solicitada e tentar entrar em contato com o call center para alterá-la antes da emissão não vai conseguir. E sua passagem vai para a emissão antes do call center voltar a funcionar no dia seguinte.

Conclusão

Gostei da experiência de usar o Victoria, mas você deve conhecer bem as regras para não se decepcionar no caso de tentar emitir passagens mais complexas como essa que emiti, já que as regras são um pouco diferentes para quem estava acostuma com o Smiles na época que fazia parte da Star Alliance, como eu estava.

Fui bem atendido no call center e na maioria da vez por atendentes brasileiros que dominavam o serviço.

Vale só lembrar que a TAP deve ser privatizada no futuro e não sabemos com vai se ro futuro do programa Victoria, já que pode ter suas regras alteradas pelo novo dono ou mesmo ser absorvido por algum programa de fidelidade de uma cia aérea que vier a adquirir a Tap.

Assim, use suas milhas com sabedoria e assim que pintar uma oportunidade. Não encare como poupança de longo prazo!

Tags: , ,

Category: Programas de Fidelidade Aérea

Comentários (75)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Glauber says:

    Estava aqui pesquisando a tabela das parceiras tap… 35k ida e volta dentro dos eua não rola! Só se for num esquema desses mesmo… 35k é o que estou gastando na low season numa RT pela US entre rio e ny

    Responder

  2. Lena says:

    Oi Rodrigo!
    Alguém que tenha transferido recentemente os pontos do Itaucard para o Victoria, sabe quanto tempo tem demorado?

    Responder

    Rodrigo Purisch respondeu:

    Quando fiz foi muito rápido. Hoje não sei. Só as regras mudaram, o mínimo para transferir é 10 mil.

    Responder

    Lena respondeu:

    Obrigada, Rodrigo!

    Eu fiz há bastante tempo também, quando você alertou sobre a promoção de transferência de 2X1. Transferi 30mil pontos e fiquei com 60K, que vencem no fim deste mês.

    Nas condições atuais, preciso de 70K para emitir para Portugal ou 55k para EUA. Estava na dúvida se transferia mais 10k para emitir para Portugal ou tentaria EUA. Acho que vou tentar EUA mesmo perdendo 5K.

    Abraço! 🙂

    Responder

    Rodrigo Purisch respondeu:

    Lembre-se que as passagens para os EUA estão em média mais caras que para a Europa. Financeiramente, usar milhas para os EUA é mais vantajoso no momento.

    Lena respondeu:

    Verdade, Rodrigo!
    Obrigada mais uma vez. As promoções para os EUA, em geral, são das empresas latinoamericanas,ou seja, os vôos não são diretos.

    Já me inscrevi da ANA por sua recomendação 😉 Agora vou analisar as possibilidades! Como disse para a Mari Campos, o que eu queria mesmo era conseguir emitir uma passagem com 6 trechos como você. Mas aí eu precisaria de um tempo maior de férias 😉

    Abraço,
    Lena

  3. MaRcelo says:

    Esta de volta. Cartao da caixa tranferindo 2×1 milhas para Tap. Se não me engano valido ate outubro!!!

    Responder

    Rodrigo Purisch respondeu:

    Obrigado! Postei no Twitter https://twitter.com/aquelapassagem/status/242925006680633344

    Responder

    Wilian Delatorre respondeu:

    Rodrigo, a TAP pode cobrar nos bilhetes prêmio Brasil x Europa RT – taxas de combustíveis?

    Responder

    Rodrigo Purisch respondeu:

    Partindo do Brasil ela não pode cobrar desde que a passagem seja emitida aqui. Se ela emite fora, acho que pode.

  4. Mari says:

    Oi gente! Alguém sabe se a TAP não mais participa dos Upgrades na Rede Star Alliance? Sou associada ao programa de milhas deles (o Victoria), gostaria de usar as milhas para upgrade na Singapore Airlines, mas quando clico em Upgrades na Rede S.A, recebo a mensagem:
    Os Upgrades na Rede Star Alliance não estão disponíveis neste momento. Estamos a trabalhar para voltar a disponibilizar esta funcionalidade
    Alguém sabe pq isso está acontecendo?
    Agradeço muitíssimo!!!

    Responder

  5. Marcelo says:

    Excelente post !

    É uma pena que a TAP Victoria está cobrando taxas de emissão de 200 euros !! acho que isso inviabiliza um emissão por eles !

    Responder

    Rodrigo Purisch respondeu:

    Ele cobra isso nos vôos da própria Tap, mas nos vôos das parceiras a taxas são menores. Vai entender….

    Responder

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.