Novo Passaporte: Novos Problemas!

26 de July de 2007 | Por | 8 Comentários More

Como foi que não pensei nisso? Essa deve ser a pergunta que algum burocrata em Brasília deve estar se fazendo….

No novo passaporte não constam os nomes dos pais do seu proprietário. Além de causar alguns problemas aos homônimos de pessoas com problemas judiciais, essa ausência está causando um grande transtorno aos pais ou as pessoas que acompanham menores.

Como provar com o uso exclusivo do passaporte que os acompanhantes são pais do menor?

Se você viaja com crianças, leve a carteira de identidade ou certidão de nascimento das mesmas para fazer o check in e emigração no Brasil. Imagina quando o problema começar a ocorrer no exterior….

Category: Para um vôo tranquilo

Comentários (8)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Andrada says:

    Rodrigo,
    Na verdade eu acho que os burocratas em Brasília estão comemorando, algo do tipo:
    – Como ninguém pensou nisso antes? Nunca criamos tanta confusão pro cidadão com uma medida tão simples!
    Abraço!

    Responder

  2. Lena says:

    Incrivel!! Não conseguem acertar em NADA!!!

    Responder

  3. Luciano says:

    Segundo o Ministério das Relações Exteriores, esse novo modelo atende às normas da ICAO (http://www.abe.mre.gov.br/apoio/Novo%20Passaporte.pdf). Pra que facilitar se podem complicar?

    Responder

  4. Eli says:

    Rodrigo
    Desculpe postar este assunto aqui,não consegui em outra area.A Varig prorrogou a promoção smiles&money do rio/frankfurt.Saindo de Brasilia é negocio? E Madri vai mesmo operar em agosto? Eli

    Responder

  5. Rodrigo Purisch says:

    Não adianta estar no padrão da ICAO se não atende as exigências da própria Polícia Federal…..

    Eli,

    Não é o melhor negócio do mundo essa promoção, muito porque o horário do vôo de volta é muito ruim.Mas é o único négocio que podemos fazer com as milhas Smiles no momento e parece haver uma certa facilidade na marcação de assentos ( o vôo anda vazio….).

    Os novos aviões da Varig começam a chegar em agosto. Parece que o primeiro era para chegar um pouco mais cedo. O Vôo para Madri devia começar em agosto, mas não tenho a confirmação já que o avião ainda não chegou. Assim que chegar faço um post sobre o mesmo.
    Um abraço

    Responder

  6. Eli says:

    Obrigado pelas informações

    Responder

  7. Isac says:

    Prezado Rodrigo:

    Gostaria de relatar uma parte dos problemas que tivemos com o novo passaporte do meu filho de cinco anos. Vivemos uma verdadeira odisséia numa viagem às vésperas do natal, com os aeroportos transbordando de gente.

    Problema nº 1: O vôo que tínhamos, de CWB – GRU, era às 6:20h, chegamos ao aeroporto com duas horas de antecedência, o que, com duas crianças de 3 e 5 anos, não é tarefa das mais fáceis. Ao apresentarmo-nos para o check-in, soubemos que não poderíamos embarcar, já que o nosso filho maior tem um passaporte novo, emitido cinco dias antes da viagem, o qual, segundo uma funcionária da TAM, tem um defeito que será corrigido pela Polícia Federal, proximamente, que convocará todas as pessoas que tiveram esse novo modelo de passaporte a fazerem um novo, corrigido. Trata-se da ausência de filiação, dado essencial para o embarque ao estrangeiro de menores de idade, segundo a tal funcionária. Tentei argumentar de todas as maneiras, salientando que trabalho com passaportes de mais de vinte países (sou Tradutor Público), dos quais não constam os nomes dos pais, que minha esposa e eu, que somos cidadãos franceses, temos passaportes dos quais não constam os nomes dos nossos respectivos pais (documentos que apresentamos, naquele momento, já que viajamos sempre com os dois passaportes), não houve solução. Sem carteira de identidade ou certidão de nascimento, o menor não embarcaria. Estava disposto a renunciar ao vôo, apesar de estar com hotel e traslados pagos na Argentina, quando tive uma idéia: ir falar com a Polícia Federal, tentar argumentar com eles, ver o que eles poderiam fazer por nós. O funcionário de plantão, no escritório da Polícia Federal, disse-me textualmente: ‘Esses funcionários da TAM são uns imbecis, já falamos com eles umas vinte vezes, eles não têm o direito de impedir o embarque de crianças. A Polícia Federal não vai mudar o passaporte, pela simples razão de que esse dado (a filiação) é visto pelo sistema, está escrito no código de barras. Eles é que têm de se modernizar e trocar o sistema de checagem arcaico que eles têm!!’. Peguei o nome e o ramal daquele funcionário, subi correndo ao balcão da TAM, pedi para falar com o supervisor, o qual, muito gentilmente, acatou a determinação do funcionário da Polícia Federal. Rapidamente, ele foi falar com a GOL, que aceitou colocar-nos no próximo vôo, e chegamos a Guarulhos.

    Problema nº 2: Em Guarulhos, ocorreu a mesma coisa: funcionárias da TAM julgaram-se no direito de nos impedir de embarcar. Uma funcionária disse-nos que não havia negociação, que o dever da companhia aérea é prever irregularidades desse gênero. Como já havíamos feito em Curitiba, saímos correndo em direção ao escritório da Polícia Federal, onde fomos cordialmente recebidos, nem precisamos explicar totalmente o caso, o funcionário disse quase exatamente a mesma coisa que o de Curitiba, que a TAM deveria se modernizar etc., acrescentando que ‘sabia de gente que voltava para casa sem poder embarcar, quase todos os dias. Que, ademais, o dever de controlar os passaportes é da Polícia Federal, na Alfândega Brasileira se faz isso, não no balcão da companhia aérea, da qual vocês são clientes’. Voltamos ao balcão, as funcionárias não resistiram aos nossos argumentos, permitindo-nos o embarque. Por fim, quando passamos pela Alfândega, ao relatar ao funcionário o nosso caso tão escabroso, ele, muito cordial, mostrou-me como se faz o procedimento, aproximando o passaporte da leitora de código de barras, momento em que vi os nossos nomes escritos no passaporte do nosso filho.

    É simplesmente lamentável viver experiência desse gênero, razão pela qual estamos movendo na justiça uma ação por perdas e danos contra a TAM, pela falta de sintonia dos seus funcionários com as novas tecnologias, pelo desgaste emocional que sofremos diante da negativa tão veemente de nos deixar embarcar. O que vivemos foi uma verdadeira afronta. Fizemos uma carta ao presidente da companhia, relatando todo o incidente, a qual ele respondeu vagamente, como se fosse uma secretária eletrônica, dizendo que sentia muito e que aquilo não voltaria a acontecer. Estamos prestes a viajar novamente e não pretendemos apresentar no check-in outro documento do meu filho, além do passaporte. Chegaremos cedo ao aeroporto, para podermos ter tempo de demonstrar a nossa firmeza.

    Cordialmente,

    Isac Nunes

    Responder

  8. Rodrigo Purisch says:

    Isac,
    Assim que tiver um tempo esse seu relato vira um post.

    obrigado

    Responder

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.