Opções Aéreas no Mundo Pós-Varig

3 de November de 2006 | Por | Comente More
O processo de venda da Varig e uma maior redução da malha servida pela sua sucessora, a nova Varig, quase levou à loucura aqueles que dependem do transporte aéreo. Como as oportunidades são raras, o mercado tratou de aproveitar o cenário caótico gerado pela Varig. Inicialmente, viu-se um aumento dos preços das tarifas aéreas, ou melhor, uma redução acentuada da disponibilidade das tarifas mais acessíveis. Neste segundo momento, as cias tem aumentado a disponibilidade de assentos através da criação de novas rotas ou ampliação das freqüências.

As cias nacionais tem tentado ocupar as rotas mais rentáveis do mercado doméstico e aumentaram o ritmo da expansão da malha internacional. Porém, as cias estrangeiras, que possuem uma reserva maior de aeronaves, tem tentado ampliar em muito sua presença no Brasil. Várias dessas cias têm planos de iniciar vôos internacionais em cidades outras que Rio ou São Paulo, tentando assim ampliar sua participação no mercado, além de reduzir o impacto da ausência da Varig no processo de alimentação de seus vôos internacionais. O consumidor, assim, começa a visualizar uma luz no fim do túnel. O aumento da disponibilidade de vôos favorece o retorno das tarifas mais acessíveis e consequentemente mais restritivas. Quem sabe em um futuro próximo, o aumento da concorrência associada a uma expansão das cias nacionais pode levar a uma maior competição tarifária entre as cias? E, se Deus ajudar e a ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil, que regula os preços das tarifas e impede que tarifas super-promocionais sejam oferecidas no mercado brasileiro) permitir, aquela passagem que sempre foi seu sonho pode transformar-se em realidade.

O portal G1 da Globo.com fez um raio-x das cias aéreas nacionais. Neste link http://g1.globo.com/Noticias/0,,IIF642-5600,00.html podem ser visualizadas as principais cias nacionais em atuação no Brasil e neste link http://g1.globo.com/Noticias/0,,IIF643-5600,00.html podem ser visualizadas as cias que realizam vôos a partir de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

Como a mídia foca muito as cias como Gol, Varig e TAM, vou aqui postar algumas opções de vôos das cias nacionais menos conhecidas e das internacionais a serem implantados neste final de ano e início do ano de 2007. Algums desses novos vôos podem vir a ser uma opção para aquela sonhada passagem aérea.

Aeromexico: A cia mexicana está aumentando suas freqüências, adicionado 2 vôos de São Paulo à Cidade do México (quartas-feiras e domingo). Fique atento, pois a Gol em um futuro próximo irá iniciar vôos do Brasil ao México, além da Varig, que mantém a cidade do México como umas das cidades a serem reincorporadas à sua malha aérea após conseguir o CHETA (permissão de voar) junto à ANAC.

Air China: A cia chinesa irá iniciar vôos de São Paulo a Pequim na China, com uma parada intermediária em Madrid, na Espanha. Serão dois vôos semanais com saídas às quintas-feiras e domingo, com início previsto para o dia 10 de dezembro. Vale lembrar que a Cia será incorporada à Star Aliance em 2007 e que será a primeira a reintroduzir no Brasil vôos diretos à Ásia sem uma parada nos EUA, o que desobriga os viajantes de terem visto americano para realizar a viagem. No passado, o Brasil teve vôos diretos ao Japão, Coréia e Tailândia. Pode vir a ser uma opção a quem se dirige também a Espanha.

Air Europa: A cia espanhola iniciará vôos do Rio de Janeiro em direção a Madrid na Espanha. Serão 4 vôos por semana sendo 2 (segunda-feira e sexta-feira) iniciando em novembro e 2 (terça-feira e quarta-feira) iniciando em dezembro. Vale lembrar que essa cia já faz vôos diretos de Salvador a Madrid e tem a intenção de iniciar vôos de fortaleza a Madrid, além de que ela será incorporada ao Skyteam (aliança aérea) no início de 2007.

Air Madrid: Outra cia espanhola que ampliará sua malha no Brasil. Em fevereiro de 2007 irá iniciar vôos de São Paulo a Madrid as terças-feiras e sextas-feiras. Ela já voa de Madrid para Fortaleza e de lá pra Buenos Aires.

BRA: A brasileira BRA já voa para Lisboa e Madrid saindo do Rio de Janeiro e São Paulo e deverá iniciar vôos de Natal e Fortaleza (aos sábados) e de Porto Seguro e Recife (as sextas-feiras) em direção a Lisboa. Irá fazer concorrência a TAP que já voa para esses destinos, exceto à Porto Seguro.

Emirates: A cia baseada em Dubai nos Emirados Árabes Unidos e tida como uma das melhores cias aéreas do mundo anunciou que estará iniciando vôos diretos de São Paulo a Dubai (mais de 14 horas de vôo) no segundo semestre de 2007. Será usado um recém adquirido 777-200LR (um dos mais modernos aviões em uso na atualidade). Este vôo poderá ter muita utilidade para conexões em direção à Ásia, Oriente Médio e quem sabe, também à Europa.

LAN Argentina: A Lan Chile tem se expandido por toda a América Latina, criando subsidiárias locais. Uma de suas subsidiárias, a Lan Argentina, irá iniciar vôos para São Paulo partindo de Buenos Aires a partir de 5 de dezembro. Serão dois vôos diários. Mais uma opção, mas infelizmente mais uma opção ao mercado paulista que já conta com diversas cias fazendo a mesma rota (Varig, TAM, GOL, Aerolineas, Lufthansa e British).

OcenanAir: A cia pertencente a um grupo brasileiro, que também controla a colombiana Avianca, anunciou sua expansão para o mercado internacional. A partir do primeiro trimestre de 2007, ira iniciar vôos para Lima no Peru, Los Angeles nos EUA, Lagos, na Nigéria, Luanda, em Angola, e Joanesburgo, na África do Sul. Os vôos serão realizados em aeronaves 757 e 767. A escolha da África deve ter sido baseada tanto na presença de imigrantes no Brasil como na indústria petrolífera, a qual é a base de negócios do grupo dono da OceanAir. Caso essas novas rotas alcancem sucesso, poderão ser boas opções pra África, Índia e Maldivas.

Qatar Airways: A empresa sediada em Doha no Qatar, Golfo Pérsico, anunciou o início de vôos para Doha em 2007. As datas ainda não foram definidas, mas a cia já possui escritório montado em São Paulo.

TAP: A portuguesa TAP tem crescido bastante no Brasil e aproveitado as oportunidades locais. O Brasil tem se tornado um destino fundamental para o futuro da TAP. A mesma anunciou recentemente um aumento das freqüências de seus vôos para Salvador, São Paulo e Rio de Janeiro. Vôos para Brasília estão em estudo.

Total: A pequena cia mineira tem aproveitado as oportunidades geradas pela saída da Varig e pelo aumento da demanda de vôos regionais. Além de fazer vôos ligando Rio de Janeiro e São Paulo ao interior de Minas (inclusive com destino à instância hidromineral de Araxá e à cidade histórica de Diamantina), vôos para o Centro-Oeste, Região Norte (entre outros destinos, Parintins) e ter ocupado a rota Recife-Noronha irá iniciar vôos ligando Manaus a Caiena na Guiana Francesa. Como mineiro, espero que ela obtenha sucesso na empreitada.

Webjet: A cia brasileira, após a quase falência que culminou na sua venda a um novo grupo controlador, vem tentando consolidar-se no mercado nacional. Tendo iniciado suas operações com apenas uma aeronave (737), conseguiu incorporar uma segunda e negocia uma terceira. Com isso, anuncia a ampliação das freqüências entre as cidades já atendidas e a expansão da malha para Belo Horizonte, pousando no aeroporto da Pampulha. Belo Horizonte ficou na mão da TAM e GOL, já que a BRA possui um único vôo, que não é diário, a Belo Horizonte. Esperamos que com uma maior competição e inclusive com o retorno da nova Varig em um futuro próximo, as tarifas com origem na capital mineira possam apresentar alguma redução após a subida vertiginosa ocasionada pela saída da Varig da cidade.

Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

Category: Cias Aéreas

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.