Os Assentos Mais Seguros Dos Aviões

6 de November de 2008 | Por | 12 Comentários More

O site AeroLatinNews replicou partes de uma matéria do The Times sobre um estudo realizado pela Universidade de Greenwich na Inglaterra com supervisão das autoridades que controlam a aviação civil no Reino Unido que conseguiu avaliar quais assentos seriam mais seguros no caso de um acidente aéreo.

Foram analisados 105 acidentes e chegou-se a algumas conclusões das quais vou postar umas poucas:

Os assentos mais seguros estão localizados nas fileiras das saídas de emergência, que por sinal normalmente tem maior espaço para as pernas.

Quem estiver sentado da segunda a quinta fileira em relação a saída de emergência tem mais chances de escapar de um incêndio, apesar da diferença entre mortos e sobreviventes seja pequena.

Quem senta na frente do avião tem mais chances (65%) de sobreviver comparado aos que sentam no fundo (53%).

Sentar no corredor também facilita a escapada no caso de uma urgência.

Olha, estatística é estatística, mas na realidade as coisas nem sempre saem como na estatística. Tudo deve depender muito do tipo de acidente e como as estatísitcas dessas matérias são para acidentes em geral, perde-se muito na análise dos dados. Mas o que chama atenção é que baseando-se apenas nessas estatísticas, podemos dizer que quem paga mais tem mais chances de escapar no caso de um acidente (normalmente os assentos da frente são reservados para Primeira, Executiva e passagens mais caras e as do fundão para as tarifas promocionais em vôos internacionais). Outro fato é que as cias no exterior têm começado a cobrar uma taxa extra para viajar nas fileiras das saídas de emergência por causa do espaço extra, mas agora poderão cobrar mais ainda alegando que o assento é também mais seguro. Dava para rir se não fosse caso de chorar..

Category: Notícias, Para um vôo tranquilo

Comentários (12)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Rogério Bueno says:

    Sempre que viajo de ônibus procuro os lugares mais seguros (um pouco após o meio e do lado direito, o da porta). Entretanto no caso de avião “o buraco é mais embaixo”…rsrsrs…mas é bom saber.

    Responder

  2. Ernesto says:

    Mais importante do que o lugar é a segurança global da Cia Aerea, que depende da frota, treinamento da tripulação, manutenção das aeronaves, e condições de trabalho dos pilotos. Neste ponto, uma das campeãs de acidentes, por kilometro voado e a TAM.

    Responder

  3. Cássio says:

    Ridrigo, por favor, preciso de uma informação.

    Qual a confiabilidade da empresa compromilhas.com, com anúncio no blog? Nunca negociei meus pontos da tam e tenho boa proposta para comprar passagens com a empresa mencionada. Gostaria de sua opinião.Obrigado

    Responder

  4. Ernesto says:

    Acho interessante a dúvida do Cassio. Alguem já comprou milhas, por empresa? Eu já comprei, mas era de um amigo de longa data, então não houve qualquer problema. Os regulamentos proibem, mas eu não sei como funciona na prática o controle.

    Responder

  5. Rodrigo Purisch says:

    Rogério,

    Como penso que um acidente de avião por si só é um evento raro, nunca me preocupei em escolher um assento seguro, mas um mais confortável para minhas necessidades. Prefiro escolher cias com bons históricos de manutenção. Evito cias Russas e grande parte das africanas, mas não nego que gostaria de experimentar essas cias. Mas estatística não é tudo. A Qantas sempre teve ótimas estatísticas e andou tendo uma série de incidentes nos últimos meses.

    Ernesto,

    É mais ou menos isso que disse acima. Se não fosse o acidente da Gol cuja causa parece não ter sido dela, ela hoje teria uma das melhores estatísticas…A TAM já teve alguns acidentes em que falhas técnicas da aeronave ou da manutenção podem (disse pode, já que aqui no Brasil as investigações nunca acabam e os resultados são sempre questionados tecnicamente) ter influênciado em algum ponto (mesmo não sendo determinantes). Vide o acidente com o Fokker 100 (acho que foi um reverso) e o desse A320 em Congonhas que tinha um reverso travado.

    Cássio e Ernesto,

    Primeiro, essa propaganda é do Google e não do Blog. É escolhida por ele. Mas foi bom saber que veio uma deles para poder bloquear a exibição.

    Os programas de fidelidade deixam claro que a venda de milhas/pontos são ilegais e não permitidas (nem a herança delas é possível). Eu sei que existem essas empresas, mas prefiro não induzir nem que indiretamente esse tipo de ação que pode levar ao usuário penalidades como a perda das milhas.

    Mas por outro lado, nada impede que você emita uma passagem (na maioria dos programas) para uma pessoa qualquer a sua escolha. Você até pode receber uma presente dela por isso (por sua boa vontade..rsrs) mas não pode ser um negócio.

    Quando alguém faz uma transação com essas empresas, assume um risco, já que o negócio não é nem regulamentado. Se der errado vai reclamar com quem?

    Como aqui nos dedicamos a ensinar o caminho correto, prefiro não incentivar esse tipo de relação comercial, já que muitos dos leitores aqui não tem essa malícia e podem entender que a venda de milhas/pontos como uma coisa lícita e permitida.

    Um abraço a todos!

    Responder

  6. Cássio says:

    Rodrigo, muito obrigado!!!! O ditado popular é sempre sábio: Se o milagre… desconfiar do santo!!! Obrigado.

    Responder

  7. Cássio says:

    Mais uma vez parabéns pelo Blog!! É muito útil para quem está planejando uma viagem ou para aqules que gostam de estar bem informados!!

    Já que o assunto aqui é assento, mesmo que fugindo um pouco do assunto, alguém que já viajou pela econômica plus da British pode me informar sobre a poltrona! É efetivamnete mais confortável? Vala à pena? Obrigado

    Responder

  8. Rodrigo Purisch says:

    Cássio,

    Olha o nível da executiva da British é muito alto. Agora não sei se essa econômica plus da British segue o mesmo padrão.

    Dá uma lida nesses sites e vê se te clareia alguma coisa.
    NYTimes Skytrax Seatguru

    Um abraço

    Responder

  9. Carmen says:

    Em o gravíssimo acidente aéreo da companhia Spanair em Madrid em agosto, um acidente terrible, doloroso, alguna pessoa, poucas, poucas e por casualidade (talvez por um riacho) sobrevivieron a acidente. A localização dos assentos dos sobreviventes não estava em a saída de emergência. A casualidade, a coincidência…É verdade as estatísticas são estatísticas e a realidade pode ser diferente.
    Saludos

    Responder

  10. Rodrigo Purisch says:

    Carmen,

    Ótimo exemplo!

    Um abraço

    Responder

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.