Pluna: Mudança da Cobrança de Tarifa de Despacho de Bagagem

14 de April de 2009 | Por | 10 Comentários More

A uruguaia Pluna, a primeira a introduzir na América do Sul uma tarifa para despacho de bagagem, estará realizando leves mudanças na sua política a partir de 20 de abril.

O despacho da primeira mala de até 20 Kg continua custando 20 USD (são isentos os passageiros que compraram tarifas cheias, ou seja, as mais caras), mas o kg extra passa de 3 para 4 USD. Lembrando que a mala pode no máximo pesar 32 kg e que são aceitas o máximo de 2 peças por passageiro que não podem ultrapassar 64 kg no total.

Passageiros com origem no Brasil são isentos de pagamento pelo despacho da primeira mala de 20Kg, mas no caso de excesso, pagam 5 USD por kg se o destino for Argentina ou Uruguai e 10 USD por kg se o destino for Chile. Não há cobrança na ida, já que o Código Aéreo Brasileiro não permite isso (essa é a razão de você não ter visto nossas cias cobrando por despacho de bagagem ainda…), mas na volta ao Brasil não há impedimento. Portanto, dependendo do que você vai levar, vale mais a pena pagar por uma segunda mala de 20kg do que pagar excesso na primeira….

Quem fizer check in pelo site ganha 50% de desconto na taxa de despacho da primeira mala, ou seja, paga 10 USD.

Nutro uma simpatia por essa cia uruguaia pela forma agressiva que lida com suas tarifas e pelas melhoras que tem implantado recentemente no seu site, apesar de nunca ter voado com ela, mas esses custos de despacho de bagagem devem ser incluídos nas suas contas ao cotar uma passagem aérea para os destinos onde a Pluna atua. O barato pode sair caro se você gostar de uma mala mais pesada.

Tags: , , ,

Category: Bagagem

Comentários (10)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Thiago Scovino says:

    Eu voei com a Pluna GIG-MVD-AEP e achei seus aviões muito confortáveis.
    O staff é ótimo tanto em terra quanto no ar. O que se vende para comer nas aeronaves tem um custo alto sim, mas não abusivo e de boa qualidade.
    Além disso, para quem viaja para Buenos Aires, a grande vantagem é desembarcar no Aeroparque, que é praticamente um Santos Dumont da cidade.

    Responder

  2. Sarah Borges says:

    Voei pela Pluna, adorei o serviço, vale a pena, se fazer uma mala inteligente, checkin on line, etc. O serviço de bordo excelente, paga-se um pequeno valor, uma delicia. Atendimento nota dez, quem quiser viajar bem e barato, viaje PLUNA.

    Responder

  3. Ôi, pessoal!

    P/jeito a galera aí gostou da Pluna. Bem feito pra eles, que não conhecem o nosso Código de Proteção e Defesa do Consumidor.
    Querem saber como age a Pluna, vejam o processo que estou movendo contra ela no JEC de Curitiba…
    e feliz Pluna pra vocês (e para os seus advogados, com certeza)!
    Abraços.
    Ricardo Balestra

    Responder

    Giselle Agostinho respondeu:

    Bom Dia Ricardo, vc poderia me informar o motivo para o seu processo contra a Pluna. Achei um absurdo ter que pagar o despacho da minha bagagem, e não fui avisada sobre isso!
    Fico imaginando se não tivesse condições de realizar o pagamento, afinal de contas fim de viagem, é dificil ter dinheiro para gastar com isso.

    Obrigada,

    meu email é giselleagostinho@hotmail.com

    Responder

  4. Alberto says:

    Viajei PLUNA para o CHILE e confesso que desconhecia a cobrança de bagagem e a venda do serviço de bordo, considerei um absurdo essa pratica, nada simpatica para com o usuário.
    Não recomendo. Vale a pena utilizarmos nossas companhias aeras que são excelentes e não deixam a desejar….

    Responder

  5. Giselle Agostinho says:

    Acabo de retornar de uma viagem a Montevideo, achei abusiva as tarifas cobradas, ainda mais que não há esta informação por parte da cia. aérea… Não recomendo e nunca mais voarei com esta cia … o barato saiu mt caro!!

    Responder

    Rodrigo Purisch respondeu:

    Giselle,

    Não sei aonde você comprou suas passagens, mas no site existe sim um link para a politica de bagagens da Pluna. Aqui no Aquela Passagem fazemos sempre um alerta, mas nós consumidores temos que começar a ficar atento as regras e as políticas de cada cia aérea.

    O mesmo vale para compras de passagens nos EUA, Europa e Ásia

    Responder

    Paulo respondeu:

    Rodrigo,

    Entendo a frustação de muitos usuários, neste caso contra a Pluna, pela “tarifa de bagagem” e outras criatividades mercadológicas.

    Companhias aéreas tendem a esconder o total custo da viagem em tarifas e taxas, cito apenas algumas:

    * Tarifa de bagagem
    * Tarifa de bagagem adicional
    * Tarifa de combustível (disfarçada como taxa aeroportuária)
    * Tarifa de assento na saída de emergência
    * Tarifa para sentar em corredor
    * Tarifa por escolha antecipada de assento
    * Tarifa para consumir cerveja ou bebidas alcoolicas
    * Tarifa para serviço de bordo
    * Tarifa para acesso a check-in/embarque preferencial
    * Tarifa de call center, muitas vezes a unica forma de emitir o bilhete
    * Tarifa pela cobrança em cartão de crédito
    * Tarifa por emissão de bilhete no aeroporto
    * Tarifa por embarque em voo antecipado
    * Tarifa por desembarque na mesma cidade mas outro aeroporto (CGH/GRU)
    * Tarifa por alteração de data
    * Tarifa por manta de bordo
    * Tarifa por fones de ouvido
    * Tarifa por venda de bebidas e refrigerantes
    * Tarifa por venda de lanches
    * Tarifa por uso do sitio de vendas da empresa na internet

    Acima são algumas das tarifas que rapidamente me recordo. É inadmissível que mesmo os clientes usuais tenham que perguntar à companhia aerea de forma individual se existe cada uma destas cobranças.

    Seria muito mais sensato que as companhias, criativas na criação de tarifas, fossem honestas e transparentes antes de emitir o bilhete alertando o passageiro.

    Infelizmente tem se optado por oferecer bilhetes economicos para posteriormente faturar o mesmo valor ou ainda mais em serviços adicionais.

    Insisto não ser razoável que, cada passageiro em cada momento de compra, tenha em mãos um cardápio de tarifas já conhecidas e efetue um check-list; Afinal a criatividade sempre permitirá à empresa aérea a criação de uma nova tarifa por serviço usualmente oferecido sem custo.

    Responder

    Miner respondeu:

    No site da Pluna, no momento da compra vem escrito (e não é escondido nem nada assim) que no trecho de ida está incluída a franquia de 23kg de bagagem “no porão” e na volta não está incluída nenhuma franquia de bagagem.

    Sinceramente, de todas essas tarifas aí citadas, as únicas que me parecem tarifas com claro viés malicioso é a tal taxa de combustível (que pra passagens compradas no Brasil é proibida por lei).

    Acho que a empresa aérea também é obrigada a oferecer algum canal de venda que não cobre taxas. Por exemplo, na WebJet, você paga os R$7 por reserva pelo site, mas se for na loja do aeroporto não tem taxas. Nas outras, não tem taxa na internet então imagino que tenha no aeroporto.

    Paulo respondeu:

    Miner,

    Seu argumento para a Pluna procede caso a ÚNICA forma de aquisição de bilhetes Pluna seja pelo site deles e SEMPRE apareça essa informação. Acredito que a Pluna também venda seus bilhetes de outra forma então a tarifa é opaca para o consumidor final porque nem sempre está ciente.

    A taxa de combustível, disfarçada como “taxas aeroportuárias” não é cobrada no Brasil, para vôos saindo do Brasil. A compra de bilhete no Brasil, através de empresa brasileira, para vôo de volta “onw-way” recebe esta cobrança adicional.

    Se algumas empresas cobram tarifa por emissão no site e outras por emissão no aeroporto essa informação reforça minha tese que a diversificação mais serve para confundir o consumidor que não está obrigado a saber que meios automáticos e muito mais economicos para a empresa são assim mesmo taxados.

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.