Pluna: Novos Destinos No Brasil Ainda Este Ano

11 de July de 2008 | Por | 24 Comentários More
Segundo o Diretor da Pluna para o Brasil Gonzalo Mazzaferro, a Pluna deve passar a voar para mais destinos ainda este ano. Brasília, Belo Horizonte, Porto Alegre ou Curitiba estão na mira. Uma boa notícia e que vai de encontro com as idéias de descentralização dos vôos defendidas por este blog.

Tomara que esses vôos sejam anunciados logo facilitando a vida de quem quer organizar as viagens de final de ano tanto em Montevidéu, Punta, Buenos Aires ou nos demais destinos atendidos por essa cia uruguaia. Mas fique atento porque a Cia recentemente mudou sua franquia de bagagem e o serviço de bordo.

Leia mais sobre as mudanças no site da Pluna.

Tags: ,

Category: Bagagem, Novos Vôos

Comentários (24)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Eduardo Camargo says:

    Rodrigo e Uilinam,
    O QUE A PLUNA ESTÁ FAZENDO NO BRASIL É ILEGAL. É proibido pela legislação brasileira cobrar qualquer valor sobre a franquia de 20kg, seja no bilhete de ida ou de volta de um bilhete emitido no Brasil para vôo internacional. A legislação em referência é: Portaria no. 676/GC-5 de 13/11/2000; NOSAI no. CT-011 de 10/9/2000; e NOSAI no. CT-012 de 23/3/2001.

    Responder

    Rodrigo Purisch respondeu:

    Eduardo,
    A princípio acho que o que ela faz não deve ser ilegal, já que ela nunca escondeu isso e a ANAC tem conhecimento. Se fosse, a ANAC estaria sendo omissa, o que é crime no direito público.

    A Pluna pode estar usando o artificio das Low Costs que é de vender trechos isolados que são associados formando uma passagem de ida e volta. Assim a ida segue as regras brasileiras e a volta (que na essência não estaria associada a ida) não precisa seguir. Não sei se é isso que eles fazem não.

    Independente disso, existe espaço para todo o tipo de serviço no mercado brasileiro. Muitos podem ver na Pluna uma real opção para seus vôos, e para outros o jeito Pluna de voar não atende nem de longe suas necessidades. Viva a diversidade de propostas e a concorrência.

    Responder

  2. Eduardo Camargo says:

    Rodrigo:
    Obrigado pelo teu comentário. Por ser uma pessoa de mercado, concordo plenamente com tua máxima – “Viva a diversidade de propostas e a concorrência”. Mas essa diversidade não deve incluir estratégias baseadas em enganar. Práticas ruins, contrárias ao melhor interesse das partes, não são justificáveis no capitalismo moderno.

    A atitude da Pluna é de Robber Baron, num processo de “refenização” do usuário que, uma vez no exterior, se vê obrigado a pagar pela franquia de bagagem para voltar para casa com o que é seu, e, pior, para trazer de volta o que já havia levado na ida.

    Mas vamos ao concreto, no caso da Pluna, a pessoa na internet marca trecho de ida e volta e o bilhete é emitido com um único número, o que torna o argumento de dois trechos separados muito efêmero.

    Segundo, a prática das Low Cost/Low Fare é cobrar a bagagem sempre ou a partir de um certo peso e/ou de um certo número de volumes. E não apenas no trecho de volta depois de o trecho de ida ter franquia de 20kg. Basta compararmos a Pluna com a Southwest ou a Easyjet, por exemplo.

    Rodrigo, é uma prática ruim. Que fica pior ainda quando eles oferecem um desconto no custo da bagagem de volta se o cliente fizer o check-in pela internet. Esta prática, além de misturar alhos com bugalhos, cria discriminação de preço por faixa etária e educacional. É patético.

    A realidade é que no mundo da diversidade de propostas e de concorrência existem empresas melhores e empresas piores. O que discuti acima coloca a nova Pluna no segundo grupo.

    Por outro lado

    Responder

  3. Rodrigo Purisch says:

    Simone,

    seu comentário foi moderado. Leia aqui as razões: http://www.aquelapassagem.com.br/primeira-visita/

    Responder

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.