Seguro ou Assistência de Saúde de Viagem: Necessários, Mas Preste Atenção às Suas Regras

26 de January de 2012 | Por | 68 Comentários More

Eu considero que ter um Seguro de Saúde de Viagem ou um Plano de Assistência à Saúde em viagem é algo essencial durante uma viagem Internacional. O problema é que muitas vezes são caros e possuem regras com muitas exceções e limitações de cobertura. O problema é ainda mais grave quando quem compra ou confia em um plano ou seguro associado a algum serviço/produto (como cartões de crédito) não lê as regras e viaja acreditando que tem cobertura para algo que efetivamente não tem.

Não deixe a decisão de compra apenas na mão de terceiros, já que muitas vezes eles não tem o conhecimento necessário para saber o que você precisa, não conhece profundamente as regras de todos os principais planos das principais empresas, não conhecem concretamente como se dá o serviço pós-venda. Alguns poucos agem apenas como meros intermediários na venda e visualizando apenas a generosa comissão paga, comissão que encarece muito o preço desse tipo de serviço no Brasil.

Ler e comparar as regras dos planos

Toda cobertura, seja ela um seguro ou plano de assistência, tem regras. É muito importante que você as leia antes de escolher o que é melhor para você.

Sim, essa é uma parte chata e muitas vezes com termos técnicos. Mas é melhor perder tempo agora do que vir a descobrir no momento que você mais precisa que aquilo que você tinha não atende às suas necessidades.

Aconselho que se releia os pontos principais das regras mesmo que você já tenha contratado um desses serviços da mesma empresa. As regras mudam e por isso é tão difícil manter um comparativo delas atualizado.

Valor das Coberturas

Medicina privada de qualidade custa caro no mundo todo. Em alguns países como os EUA, ela custa muito caro mesmo. Assim, não adianta economizar uns trocados na hora de fazer sua escolha de cobertura e ficar na mão na hora que se precisa.

Ninguém com boa intenção contrata um serviço desses pensando em usar. Também não compensa contratar para cobrir uma simples consulta médica ou uma pequena emergência. É necessário pensar que são as grandes emergências que vão resultar em custo muito elevado e elas não avisam quando vão chegar. Já contratei diversos desses serviços e ainda bem que nunca usei nenhum, mas sempre contratei pensando que seria uma boa cobertura que deixaria minha família tranquila em um momento em que a razão perde para a emoção.

Certificado de Schengen e Acordos Internacionais

Primeiro, devemos alertar que a informação de que toda a União Européia ou que todos os países que fazem parte do Acordo de Schengen obrigam que os visitantes tenham uma cobertura de saúde é errônea. O certo é que apenas alguns países que fazem parte desse bloco colocam como um dos pré-requisitos para entrada nesses países a posse de uma cobertura de saúde no valor mínimo de 30 mil euros. No grupo dos que exigem estão a França e a Alemanha e do grupo que não a exige está a Espanha e a Itália. Assim quando leio essa informação errônea em um site de uma empresa que oferece cobertura de viagem, já fico com um pé atrás. Será que dá para confiar nas demais informações?

Para quem não sabe ainda, o Brasil tem acordos firmados com a Espanha, Grécia, Itália e Portugal que dão direito à assistência médica aos cidadãos brasileiros inscritos no INSS (e aos seus dependentes) nesses paises. Estatutários estariam fora dessa lista. Para isso é necessário um certificado (CDAM – Certificado de Direito a Assistência Médica) emitido pelo Ministério da Saúde. Leia mais sobre ele aqui. Ele pode ser solicitado nesses postos aqui.

Independente do exposto acima, é muito interessante que se viaje à Europa portando algum tipo de cobertura. Apesar de muitos dos serviços públicos europeus conseguirem dar respostas a questões de urgência e emergência de forma imediata e com grande qualidade de atendimento, o acesso a um especialista e a alguns exames complementares em questões menos graves é mais demorado na rede pública.

Se você faz questão de um acesso rápido ao especialista mesmo em casos com menor risco de vida, mas que levam a alguma incapacidade, como por exemplo uma entorse, é aconselhável ter uma cobertura extra.

Exclusões

Leia atentamente a essa parte das regras das assistências que você está analisando. E é nessa parte que você vai começar a entender que nem tudo o que você achava estar incluído está e como as coberturas podem variar de uma empresa para a outra.

Doenças originadas de epidemias, endemias (como por exemplo, a Dengue, Febre Amarela ou Malária) ou desastres naturais podem não ter cobertura do seu plano. Doenças psiquiátricas, acidentes em decorrência de uso de bebidas alcoólicas ou outras drogas estão também excluídos da cobertura da maioria dos planos.

Doenças Pré- Existentes

Muitos seguros ou assistências excluem qualquer tipo de cobertura de assistência dada a doenças pré-existentes, mesmo em caso de uma que estava previamente sob controle e que se descontrola durante a viagem. Alguns chegam a excluir mesmo as doenças pré-existentes que o seu portador não tinha conhecimento prévio.

Alguns poucos planos cobrem a agutização de doenças pré-existentes, mas muitas vezes limitam o valor coberto a frações do originalmente coberto e/ou limitam essa cobertura aos planos mais caros e/ou cobram um valor extra muito elevado.

Essa é uma questão séria, já que muitos acabam podendo viajar mais e melhor quando atingem certa estabilidade financeira e familiar, fato que coincide com o aparecimento das chamadas doenças crônico-degenerativas como por exemplo diabetes, hipertensão e aterosclerose. Apesar de uma imensa maioria estar sob controle apenas com uso de medicações corriqueiras, nada impede de ter uma descompensação durante uma viagem.

Assim, se você já tem alguma patologia conhecida e já faz acompanhamento médico, redobre a atenção na leitura das regras da sua cobertura.

Idade

A população no Brasil está envelhecendo e em muitos casos os mais vividos têm condições financeiras mais estáveis que os permitem conhecer o mundo da forma com que sempre sonharam.

Mas sabe que não é fácil ou barato conseguir uma assistência para idades mais elevadas? Algumas empresas limitam a cobertura a pessoas com menos de 60 ou 70 anos. Outras permitem a cobertura de pessoas com idade acima dessas, mas pagando um preço 50 a 70% superior ao cobrado normalmente. Isso lembrando que muitas vezes mantém a limitação de atendimento a doenças pré-existentes, o que é algo mais comum nesse grupo de viajantes.

Algumas assistências de viagem associadas a cartões de crédito dão cobertura ao titular e seus dependentes, mas até qual idade os dependentes estão inclusos nessa cobertura também varia. Para se ter idéia, alguns cobrem dependentes de até 12 anos de idade enquanto outras ampliam a cobertura até menores de 21 anos.

Gravidez

Gravidez não é doença, mas pode evoluir com algumas intercorrências. Hoje em dia é muito comum grávidas partirem para o exterior para montarem o enxoval diante dos preços absurdos cobrados no Brasil.

Muitos planos excluem por completo qualquer tipo de assistência em decorrência de gravidez, mesmo que não seja algo possivelmente previsto. Outras cobram um extra para incluir a cobertura das intercorrências da gravidez e umas pouquíssimas incluem essa cobertura a urgências e emergências associadas à gravidez sem cobrar um extra. Mas todas limitam a cobertura até uma determinada idade gestacional e/ou idade da gestante e excluem a gravidez de mais risco (como uma gravidez gemelar, por exemplo).

Assim, toda a atenção é pouca na hora de contratar um plano para uma grávida. O ideal é ainda viajar apenas após o primeiro trimestre (maior risco de abortamento espontâneo) e antes do último trimestre (risco de parto prematuro). No futuro vamos fazer um texto exclusivo tratando de viagem em grávidas.

Esportes Radicais

Se você tem a intenção ou a possibilidade de praticar algum esporte durante sua viagem, procure saber se o seu plano cobre lesões decorrentes de práticas esportivas ou se tem alguma cobertura adicional para que elas possam ser cobertas.

Duração da Viagem

Alguns planos limitam a cobertura a determinados períodos contínuos fora do Brasil. Mesmo que se faça um plano anual, a cobertura pode ser limitada a períodos máximos contínuos de 90 ou 180 dias. Se você pretende fazer um plano para viagens longas, procure se informar sobre essa limitação de cobertura.

Assistência de Cartões de Crédito

Já falamos um pouco disso aqui neste texto que tem vários testemunhos, mas é sempre bom reforçar a necessidade de ter as regras na mão da assistência do seu cartão. O American Express e o Diners até facilitam isso, mas o Visa e o Mastercard não dão acesso ás regras completas nos seus sites e os bancos emissores recomendam contato telefônico com as centrais das bandeiras dos cartões para conhecer melhor as regras.

Alguns cartões apenas conferem assistência (inclusive emitindo um certificado de cobertura dentro dos padrões mínimos exigidos por alguns países do espaço de Schengen) quando a passagem foi comprada completamente usando o cartão de crédito como forma de pagamento. Outras incluem também passagens emitidas com milhas, mas cujas milhas vieram do programa de fidelidade do cartão.

Assim, confirme quais são as regras do seu cartão. Leia e você verá que as regras variam muito entre os cartões.

Independente do que falamos acima, vale a pena pesquisar sobre a seguradora ou empresa que dá suporte a assistência ou seguro que você quer comprar, saber se tem central de atendimento 24h em português se você tiver limitações em línguas estrangeiras e se o pagamento dos serviços é feito diretamente pela empresa ao prestador de atendimento ou se é pago na forma de reembolso ou se tem cobertura em todos os paises aonde você quer visitar. Olhe também se o plano oferece outros benefícios associados, se você precisa deles e se vale a pena pagar mais por conta deles.

Outra dica: Contratou um plano? Imprima ou salve uma cópia do certificado, das regras do plano e dos telefones de emergência e deixe com alguém de confiança no Brasil. Guarde uma cópia no cofre junto com seus documentos no hotel e leve sempre com você uma cópia da apólice ou cartão com o número dela e os telefones de contato de urgência nos países em que você estará visitando.

Por mais que deteste pagar por essas assistências ou que visualize um sem número de melhores opções para usar o dinheiro despendido nelas, não viajo sem uma delas, do  mesmo jeito que não deixo meu carro sem seguro.  Nunca faço com a intenção de usar, mas de me poupar de aborrecimentos e rombos financeiros não esperados.

O mais complicado desses planos em geral é que só se conhece ele realmente quando precisamos dele, e isso é a última coisa que queremos. Assim, os relatos não publicitários de pessoas que já fizeram uso dos mesmos são ainda uma importante fonte de informação sobre a qualidade dos mesmos.

E você? Tem alguma dica de seguro ou assistência, principalmente para quem tem doenças pré-existentes, está grávida ou está na melhor idade?  Viaja muito e já fez algum plano de cobertura anual?

Tags: , , , ,

Category: Cartões de Crédito, Saúde e Segurança, Seguro Saúde

Comentários (68)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Patricia says:

    Minha irmã está fazendo intercâmbio nos EUA e, logo no começo da viagem, precisou utilizar o seguro (Assist Card, contratado junto à agência de intercâmbio). Todas as regras foram seguidas: ela entrou em contato com a central, relatou o problema e pediu o endereço do hospital no qual estaria coberta.

    4 meses depois recebe uma carta de cobrança, informando que o seguro pagou uma parte mas ainda restam 300 dólares que deverão ser pagos por ela. Entramos em contato com o seguro, mas o processo é bem lento…a carta diz que se não for pago em 30 dias, ela estará sujeita à penalidades legais…só que a cobrança chegou faltando 1 semana para o término deste prazo. O seguro diz que não acontecerá nada se não for pago no prazo, que fazem isso apenas para pressionar e conseguir o pagamento mais rápido (sendo que o pagamento já deveria ter sido integralmente realizado por eles ou ao menos um aviso, naquela época, do porquê o valor todo não estava coberto).

    Você não sabe ao certo quais implicações isto pode acarretar e, ao invés da filial brasileira tentar encontrar uma solução mais rápida, eles pedem para esperar a análise da central internacional.

    Não recomendo a Assist-Card!!

    A viagem foi estendida, mas resolvemos contratar outro seguro: World Nomads. Apesar de nunca ter usado, sempre vi boas recomendações, como esta aqui

    http://viajeaqui.abril.com.br/blog/achados/seguro-de-viagens-world-nomads-bom-e-barato-testei-e-aprovei/

    Responder

  2. Pedro Guerra says:

    Olá Rodrigo,

    O seu artigo é de grande utilidade pública, porque ainda existem muitos viajantes que não sabem que existe diferença entre seguro de viagem e plano de assistência internacional.

    Quanto ao seguro incluso em alguns cartões de crédito internacionais, pena que na maioria das vezes só cobrem viagens aos Estados Unidos ou Europa.

    Por fim, os brasileiros que pagam INSS têm direito a atendimento médico público em alguns países, vale a pena verificar sobre isso antes de viajar.

    Um abraço,

    Responder

    Ernesto respondeu:

    Lembrando que o atendimento pelo convenio depende de que o Brasileiro seja empregado registrado em carterio, ou contribua como autonomo, ou facultativo para o INSS, sendo necessário pedir uma declaração neste sentido.

    Responder

    Pedro Guerra respondeu:

    Olá Ernesto,

    Pois é, tem que ler as regras neste site oficial.

    http://www.previdencia.gov.br/vejaNoticia.php?id=12999

    Um abraço,

    Responder

  3. Ernesto says:

    Qual o seguro que voce usou?

    Responder

    LUIZ respondeu:

    Qual a empresa do seguro.. E bom divulgar tanto as boas como as que não cumprem o que promete.

    Responder

  4. Thiago Bolzani says:

    Minha esposa e eu viajamos aos EUA e ela precisou usar o seguro GTA por conta de uma dor de garganta. O atendimento foi bom, porém, algum tempo depois do retorno chegou em nossa casa a cobrança do hospital. Estamos a algum tempo tentando resolver isso junto a empresa que demora a dar um retorno. Enfim, não recomendo esse seguro.

    Responder

  5. Clara says:

    Tenho a relatar uma experiência do meu pai, que fez o seguro MIC Total há uns 4 anos. Ele foi a NY visitar minha irmã. Depois de alguns dias teve mal estar intenso e calafrios. Levado ao hospital foi constatado pneumonia. Ele ficou 5 dias internado e o seguro pagou tudo. É um seguro mais caro, pela idade e pela cobertura, mas posso dizer o quanto valeu a pena ter feito um seguro com cobertura médica a mais ampla possível.

    Responder

    RABUGENTO respondeu:

    É bom lembrar que mesmo em emergência a primeira pergunta que fazem é sobre o seguro saúde.

    Quebrar um braço nos EUA poderá custar os olhos da cara…

    Responder

  6. Luiz says:

    Ótima matéria. Eu sempre utilizei o seguro do cartão Visa Infinit e jamais li as regras ou precisei do mesmo. Agora estou de viagem marcada para a Asia. A dúvida bateu.
    Alguém sabe de um bom seguro?
    Desde já agradeço…

    Responder

    Milton Lucio respondeu:

    Luiz,

    Tenho um cartão Visa Platinum, cujas coberturas sao semelhantes ao do Infinit (só mudam os valores máximos da cobertura, que no Infinit são maiores), e precisei utilizar a assistência médica, em uma viagem a California e Las Vegas, em 2010.
    Corroborando o que foi dito pelo “Rabugento” em um post acima, apenas paguei as taxas de embarque com ele, uma vez que a minha passagem e da minha esposa foram adquiridas com milhas. Mesmo assim, tive direito a assistência, conforme confirmado pela Central de Atendimento.

    Chegando em Vegas, minha esposa estava se sentindo mal, com dores na garganta, febre alta, indisposição, etc.
    Ligamos para a Central nos EUA (tem opção de atendimento em portugues), o procedimento de abertura do chamado foi rapido (sem burocracias, so pediram o numero do cartão e o nome e numero do quarto do hotel). Dai pediram para aguardar o contato da empresa de assistência médica local, que seria feito em breve… Em menos de 5 minutos, nos ligou um médico local, falando português(!), que nos pediu algumas informações basicas sobre o estado da paciente e nos passou algumas orientações iniciais. Então, ele nos deu 2 opções: ele mesmo poderia inos atender no hotel (mas haveria uma taxa, não lembro agora exatamente o valor, mas era algo em torno de 30 a 40 dolares) ou então sermos atendidos em uma clinica que ficava bem proxima ao hotel (e realmente era), sem custos. Gostei da atitude dele em não querer empurrar o proprio serviço, perguntou se nós estávamos de carro alugado (estavamos) para ir até lá, e que ele iria já passar para a clinica os nossos dados, para sermos prontamente atendidos quando chegassemos lá.
    Realmente, ao chegar lá, foi só preencher uma pequena ficha cadastral, conferiram nossos documentos (ja estavam sabendo que se tratava de um atendimento atraves do seguro), ao contrario do que estava imaginando, não pediram o cartão de credito para cobrança (achava que eles iriam cobrar e a Visa estornaria depois), foi mais facil do que ser atendido pela Unimed aqui no Brasil… Depois de uns 15 minutos, minha esposa foi atendida por uma medica muito atenciosa e simpatica. Fez o diagnostico (faringite), prescreveu um antibiotico (que lá só é vendido com receita medica), e nos deu um documento com o laudo medico para ser enviado para a Operadora.
    No dia seguinte, recebemos uma ligação da Central Visa, perguntaram se estava tudo bem com minha esposa, se estavamos precisando de mais alguma assistencia. Como minha esposa ja estava se sentindo melhor, disse que por enquanto estava tranquilo. Dai a atendente passou as instruções para enviar o laudo medico e o comprovante de compra da passagem (ou das taxas de embarque) com o cartao (fatura, por exemplo), para um numero de fax em Sao Paulo, mas só depois quando retornassemos ao Brasil, e que “nao era para se preocupar com isso agora, nas ferias”.

    Eu fiquei muito satisfeito com o atendimento e a resposta dessa assistencia medica coberta pelo cartão Visa Platinum. Ate então, eu tinha um certo receio (sera que vou ser atendido? Sera que não vão cobrar nada?), mas depois desta “experiencia”, não vi necessidade de se adquirir outro seguro alem do cartão de credito (a não ser que a viagem dure mais de 60 dias, que é o prazo máximo da cobertura do Visa Platinum).

    Tambem tenho usado o seguro do Visa Platinum CDW/LDW para aluguel de carros (tanto nos EUA quanto no Canada), o que da uma boa economia no valor final da locação. Tanto na Budget, quanto na Hertz, não fizeram nenhum “terrorismo” quando declinei do seguro deles, dizendo que iria utilizar o do cartão…

    Enfim, não sei como seria o atendimento da Central Visa na Asia, mas se o padrão de atendimento for o mesmo, eu não me preocuparia em adquirir outro seguro.
    Seria interessante alguem que ja utilizou estes serviços Visa em outras localidades que nao a America do Norte ( Asia, Europa, etc) descrever aqui como foi a experiencia…

    Responder

    RABUGENTO respondeu:

    Excelente o seu relato Milton Lucio.

    Até hoje não precisei usar mas levo sempre comigo tudo o que a central Visa me envia por e-mail.

    Responder

  7. LUIZ says:

    O maior problema de todos os seguros e assitencia, são as exclusões, PRINCIPALMENTE DOENÇAS PRE EXISTENTES.
    Li um contrato que excluia, diabetes, AVC, doenças coronarianas, calculo renal, etc… nas codições gerais.. mencionava doenças conhecidas ou não. (diagnosticadas) Como falado após certa idade a probabilidade maior e para os problemas cardíacos e justamente para os excluídos.
    ALGUEM JA TEVE PROBLEMA COM DOENÇAS QUE CONSIDERARAM PRE-EXISTENTES?

    Seguro de carro qualquer cartão platinum e/ou gold cobre, Doenças corriqueiras também não é problema… a dificuldade e verificar as exclusões e uma boa seguradora que de um bom atendimento para as pre-existentes.

    Responder

  8. eduardo says:

    GTA nem pensar!!

    Responder

  9. Leandro says:

    Rabugento,

    Procure essas informações por escrito. Sempre me disseram isso, mas lendo as regras do Master, notei que as milhas teriam que ser obtidas integralmente com o cartão, o que não ocorre no meu caso, já que tenho um master e um visa e o banco junta as milhas dos dois na mesma conta.

    Sempre paguei as taxas de embarque com o cartão e fiquei despreocupado. Mas atualmente já não fico assim tão tranquilo com isso já que essa informação é “de boca” e não está escrita…

    Sds.

    Responder

  10. Oi,Rodrigo. Tudo bem?

    Seu post foi selecionado para a #Viajosfera, do Viaje na Viagem. Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Bóia

    Responder

  11. Nico says:

    Rodrigo,vc viu que a Spanair encerrou seus voos desde o dia 30/01/12? A empresa espanhola fechou as portas. Mas fiquei com uma dúvida, que não sei se vc pode me ajudar. É sobre como fica os voos da Singapore. Pelo que sei os voos da Singapore fazem GRU-BCN e depois os passageiros que vão para outras cidades da Europa utilizam de conexão com a Spanair. Não era isso que acontecia? Como será que fica agora? Fiz simulações no site da cia com destino para Paris e Roma e não se acham voos nenhum dia da semana. Fiquei com essa dúvida pq uns dias atrás quase comprei um voo GRU para Oviedo na Espanha pela Singapore. O voo ia GRU – BCN e depois BCN – OVD pela Spanair. Ainda bem que não compre, pois acho que quem comprou terá uma certa dor de cabeça agora.

    Responder

    Rodrigo Purisch respondeu:

    Nico,

    A Singapore não fazia conexões apenas com a Spanair, mas também com outras cias Star Alliance. A Singapore divulgou comunicado que via honrar as passagens emitidas pela Spanair em vôos dela (GRU/BCN). Ela está relocando as conexões para outras cias. Resta saber se vai ser só Star Alliance ou vai incluir outras cias como Iberia e Vueling. Deixar de chegar o pessoal não vai.

    Responder

  12. Moisés says:

    Rodrigo, excelente posto, como de hábito. Seria legal um sobre o seguro de veículos oferecido pelos cartões. É minha grande angústia nas viagens: economizo aquelas centenas de euros no seguro das locadoras e fico na dúvida se terei alguma despesa impagável, ou morro numa grana preta e viajo mais tranquilo…
    Já viagem algumas vezes com o seguro da MIC e outras com o seguro do Visa Infinity. Felizmente não precisei do atendimento em nenhum dos casos.
    Sei, entretanto, do caso de uma amigo que desenvolveu uma alergia e precisou ser atendida duas vezes, uma em Paris e outra em Roma. Ela estava com o seguro do Visa Platinum e disse que foi prontamente atendida, sem nenhum custo. É bom saber que estas coisas funcionam.

    Responder

    RABUGENTO respondeu:

    A ideia de um tópico sobre o seguro de veículos por conta dos cartões de crédito será realmente interessante.

    Boa ideia Moisés.

    As operadoras dizem que tem mas esclarecer o funcionamento é bem difícil…

    Responder

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.