Gol e Tam entre as Mais Inseguras do Mundo. Será Mesmo? De Nada Adianta uma Ferramenta Boa se Não se Sabe Usá-la Corretamente

24 de janeiro de 2011 | Por | 36 Comentários More

Por questões profissionais acabei tendo um pouco mais de contato com epidemiologia e estatística. Gosto muito das duas matérias apesar de não dominá-las como gostaria. O certo é que passei a respeitar os números e ao mesmo tempo desconfiar da interpretação dos mesmos.

A estatística é uma ferramenta sensacional e te ajuda a enxergar de forma mais clara diversas situações. Porém, ela mesmo costuma alertar que a coleta de dados está sempre sujeita  a vícios ou fatores de confusão que podem dificultar a interpretação dos mesmos.

Um exemplo claro é a velha piada onde se diz que uma pessoa comeu um frango inteiro e o outro nada comeu, mas estatisticamente estariam todos os dois satisfeitos, já que na média caberia meio frango a cada um. A média é apenas uma das medidas e como citado no exemplo acima, uma medida ruim quando de trabalha com dados que não se distribuem de forma mais uniforme.

Assim, um mesmo conjunto de dados pode gerar diversas interpretações se colocados na mão de quem não domina o tema estudado ou não domina os limites do método.

Uma recente pesquisa divulgada pela JACDEC (Jet Airliner Crash Data Evaluation Center), um órgão que parece privado localizado na Alemanha e cujo site não traz maior fundamentação científica, além de parecer ter interesse maior na venda desses dados, colocou a Tam e Gol entre as cias áreas mais inseguras do mundo. Dá para confiar nessa pesquisa?

O JACDEC parece ter iniciado em 1989 a coleta de dados sobre acidentes aéreos em todo mundo. Eles publicam um índice chamado de  The JACDEC Safety Index que tem a intenção de determinar a probabilidade de risco de acidente tendo como base o passado das cias aéreas. Eles usam o número de vítimas fatais e o número de passageiros transportados para formar uma razão, além de levar em conta acidentes com perda total de aeronaves mesmo sem vítimas.

Ai começa a confusão. Para realizar seu Index, eles usariam dados consolidados dos últimos 30 anos. Assim:

  • Cias aéreas mais novas sem sinal de acidentes já partem em vantagem por não carregar um passivo (não tiveram tempo para ter acidentes em passado mais remoto)
  • Cias mais novas com acidentes por não terem um grande passado (número de passageiros transportados baixo) são bastante afetadas por um único acidente.
  • Cias aéreas antigas com um passado ruim mesmo que se transformassem em modelos de segurança sempre seriam penalizadas pelo seu passado.

Outro fato importante é que o Index não leva em conta a causa do acidente e sim apenas o número de vítimas fatais e perda total da aeronave no acidente. Se o acidente foi causado por um defeito de projeto da aeronave (a engenharia aeronáutica evoluiu muito analisando seus próprios erros), o peso do acidente recai totalmente sobre a cia aérea, mesmo que tenha sido ela também uma vítima de um projeto falho.

O mesmo acontece com a Gol onde o acidente até onde sabemos ocorreu por falha de terceiros e que mesmo a aeronave sendo nova e ela tendo seguido todos os procedimentos, pelo Index ela é penalizada pelo acidente.

Assim, sem uma análise mais rigorosa desses dados que formam o indicador, além de deixar bem claro as limitações do método utilizados por eles, pouco vale esse Index e muito prejuízo traz a imagem de algumas cias aéreas.

É claro que saber que em mais de 30 anos determinadas cias aéreas nunca sofreram um acidente fatal deixa muito mais confiante o consumidor dessas cia aéreas, mas não dá garantia de que isso não irá ocorrer já que as cias aéreas são órgão vivos e o seu presente guarda relação com as políticas atuais das cias aéreas e não com seu passado.

Da mesma forma que o único acidente da Gol em seus curtos 10 anos de existência não é suficiente para a torná-la uma das cias aéreas mais inseguras do mundo, muito porque pouco  poderia a Gol fazer para impedir o acidente. Então é o Brasil que é inseguro e não a Gol!

Apesar da Tam ter um passado ruim e ainda ter acidentes cujas causas nunca foram totalmente esclarecidas, não há como jogá-la no mesmo nível de um Garuda que transporta um número muito menor de passageiros em aeronaves muito mais velhas e com um péssimo histórico de acidentes.

Mais um exemplo: a Qantas está entre as mais seguras do mundo, porém no ano passado sofreu com vários incidentes. Alguns quase em série. Mas como não houve mortes nem perda total de equipamento, o Index não penaliza em nada Qantas, independente das falhas que causaram alguns desses incidentes serem da própria Qantas ou dos fabricantes das aeronaves. Gosto e respeito muito a Qantas, mas esses incidentes não a fazem fazer parte do mesmo grupo de uma ANA no último ano. Mas ela passa incólume nesse Index.

Dessa forma, eu não consigo levar a sério esse Index produzido pela JACDEC.

Category: Cias Aéreas

Comentários (36)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Chuck disse:

    Concordo plenamente. Lembro de inúmeros acidentes em que a maior causa – maior porque acidentes costumar ter mais de que uma causa – não está relacionada a procedimentos da companhia aérea ou ao projeto da aeronave. Além do citado acidente do vôo 1097 da Gol, há o (único) acidente com o Concorde, os atentados de 11 de setembro, uma aeronave iraniana derrubada por um míssel americano na década de 80, um 747 sul-coreano derrubado pelas forças da URSS, e por aí vai.

  2. Carlos disse:

    Excelente comentário. Tinha pensado tudo isso quando lí sobre tal relatório mas não escrevi nada.

    Alguns indicadores poderiam ser melhor aplicados neste caso (ainda assim com restrições de interpretação): acidentes por ano, incidentes por ano, não cumprimento de manutenções programadas / ano, ponderação de dados pelo risco dos países onde voam (áfrica e américa do sul são mais perigosos), etc…

  3. Naldo disse:

    Esse post me lembrou um artigo muito interessante que li no site da CNN um tempo atrás chamado ” World’s scariest airlines? Sign him up”, onde um réporter em 2008 diz ter voado nas companhias do mundo com as piores estatísticas, e nelas estava a TAM.

    Infelizmente o original já foi editado pra evitar referencias às companhias mencionadas, mas em outro lugar acabei encontrando os trechos em que ele absolve a TAM desse ranking:

    “You flew on statistically risky airlines like Ariana, Cubana — Cuba’s national carrier — and TAM in Brazil. How did you feel on takeoff, knowing that maintenance, training and plane age might be an issue?”

    “TAM’s fleet belongs nowhere in this conversation; the carrier operates only the latest generation Boeings and Airbuses.

    That TAM is mentioned at all is entirely mystifying. Putting this large and successful airline, with a perfectly acceptable safety record, in the same conversation with Ariana Afghan and Cubana, is a nonstarter.”

    Bom, pra quem quiser ler, são esses..

    http://edition.cnn.com/2010/TRAVEL/04/23/lunatic.express.carl.hoffman/index.html?hpt=Sbin

    http://www.salon.com/technology/ask_the_pilot/2010/04/28/airlines_safety

  4. Marcelo disse:

    Rodrigo,

    Excelente complemento.

    Lembro que comentei algo à este respeito quando você postou dias atrás.

    O caso da Gol é emblemático neste estudo, porque, extraindo destes numeros o acidente que vitimou 154 ocupantes de um Boeing 737-800, com uma semana de uso, causado por fator completamente adverso à operação da empresa, a Gol acaba de completar 10 anos de operação, 130 milhoes de passageiros transportados sem qualquer acidente fatal.

    Atualmente, registra-se na aviação comercial a média de 1 morte a cada 1.5 milhoes de passageiros transportados.

    Abraço

  5. Ed disse:

    Outros elementos muito importantes nessas avaliações são os sistemas regulatórios e de fiscalização onde essas empresas são sediadas e operam (ai, ai) e a infra-estrutura de segurança de voo em tais locais (ai, ai, ai)…

  6. Rodrigo disse:

    Pessoal, tbm acho que colocar a Gol nessa categoria é extremamente injusto, mas a TAM?????? Por favor né, estamos falando de uma das companias aéreas com a pior manutenção de seus aviões. Costumo falar que o brasileiro esquece rápido das coisas e não deixa de ser verdade, mas em um passado não tão remoto, em vários Fokker 100 da Tam a turbina caia durante o voo, simplesmente se soltava.

    Ha pouco tempo atrás, no acidente que ocorreu em congonhas, é nitido que houve falha da aeronave da Tam (cuja manutenção deveria evitar) ou do piloto.

    Teve uma época tbm que vários aviões da Tam começaram a ter problema no reverso da Turbina, em um desses problemas é que ocorreu a queda de um desses aviões em cima de casas em São Paulo. E não adianta falar que era problema do avião portanto o culpado seria a Airbus, pois a Airbus vende para o mundo todo, não é possivel que só os estragados ela venda para a Tam.

    Não se trata só de estatistica, é fato. Espero que isso venha a mudar com a venda para a Lan, mas na minha opinião a Tam atualmente é uma das piores companias de aviação entre as grandes.

  7. EDSON SIEG disse:

    É verdade, sem contar que no mês passado, um avião em SALVADOR teve princípio de incêndio, está no youtube o vídeo mostrando o desespero de alguns passageiros. Em vitória no ES, em novembro, vazamento de combustível…e a aeronave teve de retornar…será mesmo que a TAM foi injustiçada?Sei não!

  8. jorge mendes disse:

    Rodrigo, assino embaixo. Com a agravante de não ter seriedade, não respeitar o cliente e atender pessimamente. Detalhe: sou Fidelidade desde 1998 e vermelho!!! Tenho DEZENAS de cartas de reclamação ao “Fale com o Presd”. Tente não voar e resgatar milhas de trechos fidelidade compradas em outra conta??? (emiti passagens da conta de meu cunhado, que me devia tambem por empréstimo) como a TAM sabe que muitos vendem milhas, NUNCA as devolveu..tenho documentos, email’s,etc!! HONESTIDADE? SERIEDADE? Hoje só viajo pela TAM porque minha associação de médicos paga…nas minhas viagens particulares (que reduzi muito, em virtude das PËSSIMAS, VERGONHOSAS condições do sistema de tráfego aéreo e do risco em que TODOS estamos envolvidos! ) acrescento: sou piloto PP e tenho um pequeno Cessna, dizia, MELHOR EVITAR VIAJAR!!! ACREDITEM!!!Fidelidade: Victória e One Pass (sugestões de colegas do site). abraços

  9. Gustavo disse:

    Incidentes ocorrem em todos os campos. Penso que os critérios mais importantes a ser considerados deveriam ser os seguintes:

    1) Manutenção dos aviões
    2) Treinamento e boas condições aos pilotos

  10. Pessoal,
    Mas já imaginaram estes dados na mão de leigos, que terão que vir para um COPA ou Olimpíadas, depois levem a eles os dados das nossas estradas.Então pedirão para ir de Trem? Mas que trem?
    Terão voar no Brasil somente de TAM ou GOL, e alguns trechos hoje de AZul.
    Mas estatísticas são perigosas, e a informação como Rodrigo deixou claro são manipuláveis.
    Abraço!!!

  11. Rodrigo disse:

    Gustavo, acho que esse é exatamente o cerne da questão, em que mundo o Brasil deveria estar sediando uma Copa ou as Olimpiadas, ou as duas, o que é pior?!

    Estive recentemente em Barcelona, e após conhecer a cidade que se preparou para sediar as olimpiadas ha quase 20 anos atras, meu sentimento foi de vergonha por saber que meu país vai representar tão mal esse papel.

    Não temos aeroportos para voos internos, que dira um fluxo enorme de pessoas voando entre as cidades na Copa. No Rio temos 2 linhas de Metro que fazem no máximo um “x” na cidade e leva mais de 5 minutos entre um trem e outro, uma vergonha, contra 8 linhas que se entrelaçavam em Barcelona e o tempo etre os trens não passavam de 1 minuto.

    Nossas estradas estão entre as PIORES do mundo, essas eu não preciso ir nem tão longe, se vc for no Chile vc tem vergonha de andar de carro nesse asfalto nosso que parece cascalho. Em Barcelona então, bom, essa eu não vou nem comentar senão quebro meu computador e não consigo terminar de escrever esse post.

    Enfim, somos o país da enganação, o mundo inteiro vê que o país cresce, mas dentro dele esta a verdade, que só cresce a corrupção e o desvio de dinheiro. Pena que a bomba no aeroporto da Russia não foi em um dos nossos aeroportos, pois nem isso nosso povo é capaz de fazer, só querem beber cerveja e torcer pro FRAMENGO.

  12. Caixeiro Viajante disse:

    Nova promoção Smiles Milhas Reduzidas (agora pra todo o Brasil e Am. do Sul)

    http://www.smiles.com.br/smiles/content/content_pt-br/promocoes/promo_milhasReduzReduz.htm

  13. Miner disse:

    Infelizmente, mais uma vez o Smiles penaliza os usuários mais fiéis. Com uma conta que tem milhas a expirar agora em Agosto de 2011, os trechos promocionais não aparecem.

    Realizando a mesma busca, com outra com milhas a expirar somente em 2013, visualizo alguns trechos em promoção por 5mil milhas (os internacionais de 7mil milhas estão BEM raros de se encontrar partindo aqui de BH).

  14. Paulo disse:

    Rogerio, IMHO ser a última na lista das 60 maiores não é algo tão mal, considerando-se quantas empresas aéreas existem no mundo. As empresas aéreas mais inseguras do mundo podem ser encontradas aqui: http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_ai … pean_Union
    Já voei com 13 delas e confesso que não dá para perceber de imediato o quão perigosas são.

  15. Paulo disse:

    Oooops… na verdade estava me dirigindo a Rodrigo, e o link saiu quebrado: http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_air_carriers_banned_in_the_European_Union

  16. Fernando Gama disse:

    Rodrigo,

    Na verdade, não concordo com o trecho do seu texto que diz que empresas recentes levam vantagem, por não ter histórico de tragédias. Na verdade, é justamente ao contrário: empresas mais novas, embora não pontuem no quesito “tragédia”, também deixam de pontuar no quesito experiência. Por isso, apenas empresas com mais de 30 anos estão bem colocadas; outras, mais novas, mesmo com nenhum acidente, ainda não estão bem colocadas no ranking. O caso da Gol é emblemático: embora não tenha culpa do acidente, ela é uma companhia nova 10 que já teve uma acidente fatal grave (o índice não faz distinção, pelo que entendi, sobre o motivo do acidente, apenas relata a sua ocorrência). Comparando com outras companhias que com mais tempo de praça ainda não relatam acidentes, ela está em desvantagem.

    Abraços,
    Fernando

  17. Rosa disse:

    Rodrigo, eu e meu marido percorremos a Espanha, de Granada à Barcelona, em out/2010, avião, ônibus e trem, tudo perfeito, sem nenhum contra-tempo. A gente olha a situação dos aeroportos e estradas no Brasil e pergunta de que tamanho vai ser o vexame??? É, no minimo, preocupante.

  18. Cinthia Rangel disse:

    Rodrigo,
    Acabei de receber um e-mail da Iberia, anunciando a fusão com a British.
    Seria bom um comentário seu sobre essa fusão, né?
    Vamos todos ficar esperando!
    Ab,
    Cinthia.

  19. Marcelo disse:

    Cinthia,
    Seria bom, se a Ibéria aprendesse um pouco com a BA sobre serviço de bordo e atendimento.
    Acho que esta, dentre tantas fusões em andamento no mercado mundial, poderá ser a mais favorável aos passageiros.
    Pouco voei pela Ibéria, experiencias ruins, e muito voei na BA, voos sempre corretos, e por diversas vezes, impecáveis!
    Abraço

  20. Ernesto disse:

    Vou dar um exemplo da minha ultima viagem com a TAM. ( foi a trabalho, eu evito a TAM). O encosto da poltrona não ficava na posição vertical na decolagem. Falei com a comissaria. Resposta : E assim mesmo, o Sr nunca viajou de avião!” Ora, isto tem a ver com segurança pois a poltrona trava na vertical para auguentar ate 5 G em caso de acidnete, para evitar que se houver acidente, o passageiro vire paraplegico.. CHamei a chefe, e comecei a gravar tudo com minha camara, e disse olhe, “acho que não é isto, eu já viajei algumas vezes de avião, e vou relatar o ocorrido com o filme e seu nome para a ANAC. ” Ai, a coisa mudou, e me colocaram na bussines… Cade a segurança na TAM,afora o acidente com o Airbus de Congonhas que foi pura pressão no comandante para pousar em Congonhas….

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.