Promoção de Passagem Aérea Só é Boa Quando Agrada ao Coração, ao Bolso e É Resultado de uma de Compra Consciente!

15 de janeiro de 2012 | Por | 33 Comentários More

Para muitos consumidores, a menor menção da palavra promoção já faz os olhos brilharem, o cartão querer sair da carteira e o cérebro entender aquilo como uma oportunidade única para economizar.

Isso gerou uma banalização do uso da palavra promoção, como se ela fosse sinônimo de preços mais baixos e uma avalanche de pseudo promoções, promocinho mesmo como brincamos aqui. Toda semana vejo tarifas divulgadas e re-divulgadas como “grande promoções” (com a idéia de grandes descontos) mesmo que o preço não fuja do praticado normalmente para aquela mesma época do ano. Não dá para dizer que uma passagem para voar fora da alta estação esteja em “promoção” só porque tem preço inferior a de uma passagem da alta estação! Isso é de fazer rir, quem acompanha o mercado, e chorar ao mesmo tempo, ao pensar que alguns consumidores são induzidos a cair nessa falsa promessa. Já fiz um alerta antes e aproveito para fazer de novo.

Certo mesmo é que toda promoção de passagens é feita pela cia aérea com a intenção de promover (no sentido de divulgar mesmo!) uma determinada tarifa ou tarifas, incentivando a sua compra pelos consumidores. Se ela representa uma oportunidade única de economizar, isso já são outros quinhentos.

O problema é que economizar nem sempre é pagar o menor preço. Talvez seja esse o conceito mais importante que temos tentado passar aqui repetitivamente desde o início deste espaço.

É muito comum ver consumidores irritados aqui no site reclamando das regras, entenda-se multas, ou do serviço de uma cia aérea quando ele acaba descobrindo que comprou algo que não atende às suas necessidades ou que não a tem a flexibilidade que ele queria.

Economizar é comprar algo que te atenda às suas necessidades pagando um preço abaixo do cobrado usualmente ou comprando algo melhor pelo preço que os demais cobram por algo inferior. Aí é que mora o problema principal, já que muitos compram algo bem mais em conta que não atende às suas necessidades (muitos nem mesmo pararam para refletir sobre o que precisam) ou que apenas achava que às atendia.

No caso de passagens, preços mais em conta que os habituais normalmente representam uma combinação de datas e/ou horários mais restritos e regras mais rígidas, que é igual a multas mais altas em caso de alteração de datas, cancelamento e reembolso (devolução do valor pago).

Por isso, sempre que posso, incluo as regras das passagens quando cito alguma tarifa (isso aumenta muito o meu trabalho de postar alguma promoção, mas considero uma informação essencial). Uma passagem comprada na emoção e que necessite ser alterada ou cancelada no futuro pode sair muito mais cara que o esperado. Isso tanto no nacional como no internacional.

Por exemplo, a Gol reajustou agora em janeiro as multas pagas no caso de mudanças nas passagens de algumas famílias de tarifas: uma alteração ou cancelamento de uma passagem da família programada passou a pagar 70 reais de multa por passagem ao invés dos antigos 60 reais cobrados. Se você for pedir o reembolso do valor pago pela passagem cancelada vai pagar agora 30% de multa na família programada ou promocional ao invés dos 20% anteriores. (Os valores anteriores ainda não foram alterados neste texto aqui do mesmo site da Gol)

Mais uma vez vou reforçar alguns conceitos:

Comprar uma passagem que agrada seu coração é comprar uma passagem que te leva para aonde seu coração bate mais forte. Não adianta comprar uma super tarifa para a Rússia se seu desejo foi sempre visitar a Itália. Por mais que a Rússia tenha muito a oferecer, se esse é um destino que você nunca pensou em viajar e não conhece nada dele, as chances de que o todo da viagem não preencha os espaços no seu coração é grande. Você vai poder até contar para os amigos a pechincha que pagou na passagem e a viagem que fez com ela, mas a viagem não vai ocupar aquele espaço guardado no coração para aquele(s) destinos da sua lista de desejos. Assim, escolha um destino que pelo menos esteja nessa sua lista de desejos!

Comprar uma passagem que agrada ao seu bolso é comprar uma passagem aonde se pague um preço justo que permita fazer uma viagem que se encaixe no seu orçamento. Lembre-se, a passagem é apenas uma parte dos custos envolvidos na viagem. Não adianta comprar correndo uma passagem super promocional e só descobrir depois que suas férias não poderão acontecer nas datas programadas ou que tempo no destino está longe do ideal nas datas escolhidas ou que os preços de hospedagem estão fora do seu orçamento ou que a segurança no local deixa a desejar ou ainda que os deslocamentos internos acabam pesando negativamente no seu orçamento. O bolso vai sair é mais triste dessa aventura. Olhe o todo da viagem e não apenas a passagem!

Dessa forma, não só a passagem, mas o todo da viagem tem que agradar ao seu coração e ao seu bolso!

Comprar consciente é :

Pesquisar sobre a cia aérea na qual se deseja voar, conhecendo o que ela tem a oferece em troca do que você pagou, sua situação financeira e principalmente como é o tratamento dado ao consumidor quando algo dá errado.

Ler as regras da passagem que você está comprando, principalmente se ela oferece a opção de stopover (parada intermediária) e as multas de alteração cancelamento e reembolso, mesmo que você a princípio não pretenda fazer qualquer alteração. Se você não está certo das datas ou ainda se vai poder viajar ou não, essas regras são ainda mais importantes, pois podem determinar que você procure uma outra tarifa mais cara, mas com multas menores. Se for assumir o risco, saiba se está preparado para pagar as mesmas numa eventualidade sem culpar os outros por um risco que você assumiu.

Na opção de comprar em uma agência física ou virtual, pesquisar sobre ela, sua atenção ao consumidor (procure saber como ela reagiu diante do cancelamento de uma rota ou falência de uma cia aérea) e principalmente sobre as taxas extras que ela cobra na compra, alteração, cancelamento ou reembolso da passagem (cobradas além das taxas já cobradas pela cia aérea). Pagar mais para ter mais conforto é um bom negócio para muitos, mas pagar mais para ter mais do mesmo definitivamente não compensa.

Conhecer ou pelo menos estudar de forma rápida o destino para aonde se quer ir antes de comprar a passagem, avaliando o tempo nas datas desejadas, a disponibilidade de hospedagem, preços básicos e facilidade de comunicação e deslocamentos internos.

Saber que dependendo do seu perfil e consumidor, pagar mais para chegar em um horário melhor, para voar em uma poltrona melhor e chegar mais descansado, para ter um serviço e atenção melhor em solo e no ar ou para fazer menos conexões pode valer muito mais do que alguma economia inicial em uma passagem mais barata e que não oferece as mesmas vantagens.

Não existe a passagem certa ou errada, existe sim o consumidor adequado para cada passagem!

Lembre disso na hora de fazer as suas compras ou na de analisar ou criticar a compra do vizinho. O que é bom ou adequado para ele, necessariamente pode não ser para você e vice-versa!

Tags:

Category: De Passagens Aéreas, Planejar e Comprar, Promoção

Comentários (33)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Gabriel Dias disse:

    Engraçado é ver quem compra passagens para Europa, que estão muito baratas, e depois vê como o euro ou a libra são valorizados em relação ao real. Tudo fica muito mais caro, então acaba sendo mais barato viajar aos Estados Unidos, onde a passagem é mais cara, porém o custo da viagem é menor.

  2. Guilherme disse:

    Excelentes reflexões, Rodrigo!

    Uma das maiores qualidades desse blog é o fato de ele tratar o leitor com respeito, propondo reflexões e análises sobre a compra de passagens aéreas.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  3. Clara disse:

    Gabriel, não concordo com essa observação. Primeiro, que a valorização do real é consequencia de um cenário criado por eventos muito complexos. Não esqueça que o dólar já esteve a 4 reais no início do governo Lula e já sofreu maxidesvalorizações por medida governamental em alguns governos, o mais recente sendo o de Fernado Henrique Cardoso. Lembro de idas aos EUA e ver um mar de europeus em Nova Iorque.

    Então acho que o brasileiro está fazendo tudo certinho: vai a Europa mais para conhecer e passear e vai aos EUA para passear e comprar. O euro está muito mais acessível do que já foi e assim continuará. A Grécia voltará ao dracma, Portugal não está caro, etc. É um processo, onde naturalmente há mudanças. E acho que veremos ainda muitos brasileiros querendo conhecer a Europa.

  4. Gabriel Dias disse:

    É só fazer as contas, Clara. Os gastos em euros e libras sempre serão maiores, mesmo com o real se valorizando.
    Não estou falando apenas em compras, mas em todos os gastos de uma maneira geral. Também não estou discutindo qual destino é o melhor.

  5. RABUGENTO disse:

    Europa não está tão cara hoje e estão pedindo para que façamos o turismo também por lá.

    O Euro estava a R$2,75 em agosto de 2009 e agora está a R$2,30. Praticamente 20% mais barato hoje.

    As compras, em alguns países da Europa, nunca foram baratas mas passear e comer está razoável.

    Já esteve bem pior. Temos é que ter o trabalho de ver direitinho onde hospedar.

    Há muitas boas ofertas.

  6. Vinicius Pessoa disse:

    O preço para os EUA pode até ser mais em conta, porém o gasto que temos com compras é muito superior a Europa, já que tradicionalmente tudo é caro lá. Acabamos comprando nos EUA eletrônicos, roupas e etc que são infinitamente mais baratos que no país e, no final, o gasto pela viagem acaba sendo maior do que uma para a Europa.

    Eu, por exemplo, fui recentemente para Paris e Praga durante 10 dias gastando aproximadamente R$ 3.500,00, com uma super tarifa da Iberia (R$ 1.200,00 ida e volta). Em abril vou aos EUA e o pacote ficou bem em conta voando de copa, mas espero gastar mais em compras e passeios.

    Isso, todavia, vai de cada um e é possível ajustar sua viagem ao bolso tanto na Europa quanto nos EUA.

  7. Duarte disse:

    Parei de ler no parágrafo sobre a Rússia. Sou o exemplo vivo de que seu conceito, neste aspecto, está equivocado. Então não resisti, resolvi escrever rapidamente sobre isso.

    Sempre sonhei em conhecer a Itália, já tenho roteiros prontos pra isso. O que sobrou do Império Romano é algo que me causa inquietude por não conhecer e a Toscana uma região que tenho muita vontade de me perder. Também pretendo esticar até Trieste e Liubliana, pela proximidade com Veneza.

    Pois bem, comprei a passagem pra Rússia por 705 reais com taxas inclusas, com direito a um pit stop de 1 dia em Madrid, consciente de todas restrições e regras, que inclusive eram ótimas. Nunca imaginei ir a Rússia, mas depois dessa viagem, tanto eu como minha esposa ficamos loucos pra voltar. Jamais conseguiria descrever aqui tudo de interessante que aquele lugar oferece (Moscou e São Petersburgo – Leningrado). Vejo as minhas fotos com uma sensação de prazer muito bacana e me dá muita vontade de conhecer outros trocentos destinos na Rússia que faltaram, como o Golden Ring, ou passar 1 diazinho a mais no Hermitage, um dos maiores museus do mundo, ou então um pulo em Stalingrado, onde ocorreu a batalha mais sangrenta da história e que tem uma estátua da mãe Rússia tão imponente e grande que só a espada dela é maior que a estátua do Cristo Redentor.

    Contar para os amigos… numa boa, quem viaja esse objetivo?

    Agora estou planejando minha viagem a Itália normalmente, esperando aquela passagem promocional, com o perdão do trocadilho.

  8. Valdinho Pellin disse:

    Olá pessoal:
    Tudo é muito relativo. O Euro já esteve muito valorizado em relação ao real do que hoje. Acabei de voltar da Europa. Explorei muito bem as principais cidades de Portugal e Espanha e não estourei o orçamento. Com muito planejamento e pesquisa posso afirmar que gastei menos na Europa do que teria gasto turístando aqui pelos principais destinos do Brasil.
    É fato que no atual cenário é muito mais interessnate viajar ao exterior do que viajar pelo Brasil. Não fui aos EUA mas imagino que lá seja mais em conta que a Europa. E na América do Sul então é uma maravilha viajar. Recentemente fiquei 10 dias no Peru e gastei muito pouco lá…..

  9. Rodrigo disse:

    Gabriel, tbm não concordo com vc. Realmente a desvalorização do dólar é muito convidativa, no entanto se vc for viajar para NY e ficar em Manhattan (que para mim é o único ponto realmente agradável de NY), vc vai pagar muito mais caro na hospedagem do que qualquer lugar da europa, inclusive Paris.

    Quanto a cultura e turismo, não vou nem entrar no mérito, pois não dá para comparar a Europa com os USA, a não ser para emergente cujo “sonho” era ir pros estate, rs.

    E vou ser sincero, outro dia eu estava conversando exatamente sobre isso, em 2010 estive 1 vez nos USA e 1 na Europa, em 2011 de novo estive 1 vez em cada um. E o meu gasto nos USA foi “muito” maior, cerca do dobro do que gatei na Europa, pois a gente acaba comprando muito, o que não acontece na Europa, onde praticamente vamos apenas para turismo.

  10. Rodrigo disse:

    Perfeito Duarte, faço minhas suas palavras!

  11. Pedro disse:

    Excelente Rodrigo… O Ricardo Freire postou no blog dele uma matéria que é complementar à sua…
    http://www.viajenaviagem.com/2012/01/passagens-internacionais-como-evitar-o-erro-mais-comum/

  12. Rodrigo disse:

    Rodrigo Purisch, antes quero dizer que tenho muito respeito a tudo que vc escreve, acho vc uma pessoa muito sensata, mas tenho que discordar um pouco desse post.

    A população brasileira, a cada dia que passa se torna cada vez mais burra e preguiçosa, e sinceramente não tenho nenhuma pena de quem é burro, pois 99% são burros por preguiça de aprender. A pessoa não precisa ter ensino para ser inteligente, assim como ela pode ter todo o ensino do mundo e ainda sim ser burra, burrice para mim esta na falta de raciocinio lógico.

    Digo isso por que quando se compra algo é fundamental que se leia as regras, se a pessoa não leu, sou a favor de que ela se ferre, pois assim irá aprender e na próxima vez ela irá ler.

    Quando é divulgada uma promoção, estou falando de promoção verdadeira pois concordo que tem muito promocinho, é de responsabilidade de quem esta comprando se inteirar sobre a vantagem ou não de efetuar aquela compra, as pessoas precisam deixar de ser burras e aprender a fazer essa análise, caso contrário pecisam apanhar para aprender.

    Sobre a Rússia, entendi o que vc quiz dizer, mas por azar seu exemplo foi muito infeliz. Eu sou mais um que comprou a tal promoção para a Russia, cuja passagem sem taxas saiu por 550,00 REAIS. A Rússia é um dos melhores destinos que já visitei, não vou entrar em detalhes pois se trata realmente de algo indescritível, Moscow é lindo, reviver parte da história daquele lugar é mágico, mas São Petersburgo é algo de tirar o fôlego, uma cidade simplsmente fantástica (e olha que sou bem crítico). Já estive em muitos lugares da Itália por exemplo e nenhum deles chega aos pés do que vi na Rússia, Roma por exemplo é um lugar que por mim não volto jamais, cidade suja, transito caótico, pessoas mal educadas e claro belezas do período Romano lindas de se ver. Por tanto cidade para uma única visita, pelo menos para mim.

    Tudo na vida a pessoa precisa fazer sua própria análise, pois o que para alguns é ruim para outros não faz tanta diferença, já voei de Qatar como já voei de Ibéria, óbvio que adorei a Qatar, mas dependendo do preço, EU poderiza optar por ir de Ibéria, em tudo se há pós e contras. Eu por exemplo, durmi o voo inteiro quando voltei da europa pela ibéria, então o fato de não ter nenhum entretenimento para mim nada atrapalhou, quando eu entro em um avião não precisa de nenhum favor de nenhuma comissária, então mal me dirijo a palavra a elas para sequer saber se são mal educadas ou não, por tanto não tenho do que reclamar, já alguem que não dorme em voo de necessita de algo dos comissários, talvez venha a odiar a Ibéria.

    E uma outra coisa, se algo me desagrada e me traz algum tipo de inconveniente em uma viagem, contorno aquilo e ao retornar entro no juízado com uma ação contra a empresa onde normalmente ganho mais do que gastei com a viagem toda. Se mais pessoas fizessem isso não haveria empresa ruim

  13. Pedro disse:

    Concordo que é possível abrir novos horizontes a partir de uma promoção… Eu mesmo estou indo a Dubai e Marrocos por conta de uma promoção da Emirates… Sendo que a próxima viagem da fila era a Europa.

    Enfim, tudo vai de como vc é capaz de se adaptar a essas oportunidades. Acho que o principal mesmo é não se deixar levar pela emoção e tomar uma decisão equivocada. Antes de aproveitar as oportunidades tem que se colocar os prós e os contras e ver se vale a pena ou não ir.

  14. Gabriel Dias disse:

    Rodrigo,

    Comparar com a hospedagem mais cara do mundo não vale. Estou falando dos gastos diários, cujo custo é significativamente menor em dólar, como uma água, táxi, restaurantes, estacionamento e etc.

  15. Rodriog disse:

    Rodrigo ,seu blog é minha principal referência quando planejo minhas viagens.
    Seguindo seus relatos ,irei de singapore para Barcelona essa semana.
    Minhas dúvidas são off-topic ,mas espero que vc possa me ajudar.
    Viajarei com meu filho de um ano.comprei um assento para ele.
    Depois de pesquisar muito, fiquei na duvida se franquia de bagagem dele é a mesma(2 x 32kg)e como proceder com o assento de carro e o carrinho de bebe.
    Existe uma determinação legal do carrinho até o portão de embarque?
    Vc tem alguma referência sobre esse assunto?
    Muito obrigado .

  16. Clara disse:

    Gabriel, entendi que você não está discutindo qual destino é melhor, mas quis ressaltar que a Europa – com exceções, é claro, como a Escandinávia – está se tornando mais acessível nos aspectos que interessam ao turista: hospedagem, comida e transporte.

    Passei pouco mais de duas semana nos EUA em novembro(costa oeste) visitando algumas cidades e não paguei barato pelos hoteis, com exceção de Las Vegas, é claro. Hotéis de excelente nível em Portugal estão muito mais baratos que hoteis do mesmo nível e até do que hotéis de nível mediano nos States.

  17. Gabriel Dias disse:

    Sim, está mesmo. E com a crise a tendência é essa mesmo.
    Portugal sempre foi um país mais barato ao compararmos com França, Itália e Alemanha, por exemplo. É um ótimo destino, principalmene para quem não fala outro idioma.

  18. Rodrigo disse:

    Gabriel entendi seu ponto de vista, mas é que as vezes hospedagem equivale a cerca de 1/3 do custo da viagem ou mais, dependendo do lugare, na Russia tbm foi caríssima a hospedagem.

  19. Luis disse:

    É incrível como as pessoas “se queimaram” com o exemplo da Rússía.
    Não consigo enxergar essa infelicidade ou equívoco que alguns apontam.

    Foi apenas um exemplo, e em nenhum momento ele colocou como certeza ou verdade absoluta, que 100% das pessoas que compraram iriam “não se satisfazer totalmente”

    O mais engraçado é ter que pedir desculpa ou licença para contrariar a opinião do Purisch.

    Se o exemplo fosse a promoção da AA em 2011, com passagens para Philadelphia por menos de 800 reais, a reação seria bem diferente.

  20. Rodrigo Purisch disse:

    Rodrigo,

    Se comprou assento, a franquia tende a ser igual a de uma criança pagante que é igual a de um adulto. Você pagou 75% da passagem para ele não foi? Se viajasse de colo pagaria 10% da tarifa e ele teria direito apenas uma mala. Normalmente o carrinho de bebê deve ser do tipo guarda chuva ou bem dobrável. Você entrega ele na porta do avião e ninguém questiona. Não há determinação legal. Algumas low cost na Europa é que implicam com isso, mas as cias tradicionais e low costs americanas não esquentam. O despacho da cadeira de bebê normalmente não é cobrada, mas mesmo se fosse ele teria direito a duas peças, uma delas pode ser a cadeira.

    Mais aqui: http://www.singaporeair.com/en_UK/travel-information/wheelchair-mobility-aids/travelling-with-children/

    No site: Infants are entitled to one piece (quando pagam, tarifa de Infante, IN, e viajam sem asssento. Mas como você comprou assento, a tarifa é de criança (2-12 anos), CH.

    In addition, a fully collapsible stroller or pushchair, carry-cot and infant food items may be checked in without charge.

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.