Promoção Sempre Vale a Pena? Um Pequeno Manual Para Não se Arrepender Depois

1 de setembro de 2010 | Por | 52 Comentários More
Foto: AntwerpR sobre licença Creative Commons

Foto: AntwerpR sobre licença Creative Commons

Já disse mais de uma vez que, ao meu ver, promoções de passagens aéreas são muito mais umas jogadas de marketing visando expor a imagem da cia aérea de graça na mídia e/ou fortalecer a mesma junto aos possíveis consumidores do que sinônimo de passagem barata para todo mundo, como muitos ainda querem crer.

Uma pequena parcela de consumidores realmente consegue ser beneficiada nessas ações promocionais, já que apenas uma fração, normalmente não divulgada, das passagens disponíveis para venda naquele momento estarão disponíveis para serem adquiridas pelo preço promocional anunciado. E mesmo assim, essa pequena fração está associada normalmente a uma série de restrições de uso. Não tem nada de semelhante com uma promoção de supermercado onde todo mundo compra pelo preço promocional até o final do estoque ou a data de encerramento da promoção.

Como toda jogada de marketing, ela atua no emocional despertando o desejo de compra do consumidor. Aí é que temos que tomar cuidado. Vou listar alguns cuidados, muitas vezes negligenciados, que temos que ter ao aventar a possibilidade de comprar uma passagem em uma dessas promoções.

Leia as regras das passagens

Passagens promocionais são geralmente associadas a regras mais rígidas e multas associadas a  cancelamentos, mudanças de datas e reembolso total ou parcial. Tem dúvidas quanto às regras, procure um agente de turismo ou peça informações no call center. Tem multa que pode custar quase o preço da passagem. O barato agora, pode sair caro depois!

Tanto na pesquisa de público que fizemos como baseado em vários comentários no blog, fica claro para mim que muitos não querem saber das regras até quando algo dá errado. Nessa hora, tudo é culpa da cia área… Apontar o dedo para si mesmo é muito mais difícil que apontar para o outro. Não caia nessa armadilha, conheça profundamente o que está comprando ou peça auxílio a quem entende do assunto!

Leve em consideração tempo da viagem e pontos de conexão ao decidir pela passagem

Por exemplo, existem várias rotas para se ir do Brasil aos EUA. Uma passagem em vôo direto, sem paradas e que consome menos tempo de deslocamento entre dois pontos tende a sair mais cara que uma que tem conexões. Na teoria, ela deveria ser mais barata, pois gasta menos combustível e libera a equipe de vôo mais cedo, permitindo que a aeronave seja usada para outra viagem em seguida, mas na realidade ocorre o contrário por diversas razões.

Uma viagem com um menor número de conexões e menor tempo de vôo tende a ser menos cansativa, menos propensa a contratempos (perda de conexões, malas, necessidade de vistos…) e pode sair até mais em conta no final, apesar do preço inicialmente mais alto. Algumas conexões podem vir associadas com custos extras como deslocamento entre aeroportos, uma noite de hotel a mais, refeições no ponto intermediário e um dia a menos para aproveitar o destino final de sua viagem. Portanto, as cias aéreas seguem uma lógica própria para definir os preços de uma passagem e você tem que analisar sobre sua lógica pessoal quando um preço mais em conta é ou não é realmente favorável a você.

Procure conhecer os serviços da cia área, história de manutenção e sua situação financeira antes de comprar uma passagem

Eu sei que isso nem sempre é fácil, mas na dúvida em relação a cias aéreas menos conhecidas ou mesmo sobre serviços de cias aéreas mais estabelecidas, uma busca no Google em português e inglês (use termos como reclamação, pontualidade, greve, complain, strike…) faz milagres. Sites como o Skytrax trazem a avaliação das principais cias aéreas.

Procure conhecer inclusive qual aeronave voa o trecho que você deseja, já que muitas cias operam tipos diferentes de aeronaves na mesma rota, sendo que algumas podem contar com assentos e sistema de entretenimento mais avançados do que outras. Um pulo no SeatGuru pode ajudar nessa informação (busca por rota).

Portanto, nem sempre o menor preço em uma rota significa que se trata da melhor escolha ou da melhor promoção no sentido de algo vendido por uma relação custo/benefício mais favorável. Uma passagem inicialmente um pouco mais cara, em uma outra cia que preste  um serviço sensivelmente  melhor, pode se mostrar uma oportunidade de compra muito mais interessante que a da passagem com menor preço.

Algumas vezes (nunca generalize isso, pois está longe de ser uma verdade absoluta!), passagens mais em conta são oferecidas por cias aéreas que optam por concorrer em preço por não conseguir prestar um serviço na média das concorrentes em termos de serviço de bordo ou conforto de aeronave ou frequência de vôos. Promoções podem ser também uma forma encontrada por cias aéreas que passam por alguma dificuldade financeira ou operacional de fazer caixa ou atenuar efeitos de uma imagem arranhada por inconsistência de serviços recentes. Assim, é importante saber o que está se comprando para não ter decepções resultantes de expectativas infundadas. Comprar uma passagem na Ryanair pensando que vai ter um serviço de bordo e conforto padrão Singapore é se enganar e uma receita certeira para se  frustrar com a compra feita.

Não se deixe levar pela emoção! Analise, nem que superficialmente, o todo relacionado à viagem antes de comprar uma passagem

Antes de tudo, não permita que apenas a visualização da palavra promoção faça você perder a noção do que você realmente precisa e do todo que envolve uma viagem. A passagem aérea é uma parte dos custos associados a uma viagem (às vezes, pode ser um dos mais importantes) mas normalmente existem vários outros associados com hospedagem, vistos, deslocamentos, seguros de saúde, etc. Assim, não adianta comprar uma super passagem na base da emoção e depois descobrir que os hotéis no destino escolhido estão com preços fora do seu orçamento ou que há uma reduzida disponibilidade de oferta em virtude de algum evento que você não previu antes ou ainda descobrir que a emissão de um possível visto pode sair mais caro que o pensado ou levar mais tempo que o programado.

Alguns ainda compram uma passagem promocional já pensando em ir além do destino daquela passagem, mas esquecem de fazer uma pesquisa para saber o custo de deslocamento até o destino final desejado. Tem gente que esquece de estudar as condições climáticas ou datas festivas no destino desejado nos meses nos quais decidiu viajar. A possibilidade de encontrar um calor insuportável, chuvas torrenciais, possibilidade de furacões, feriados prolongados fechando todo o comércio e locais de visitação, entre outras situações só acabam sendo de conhecimento do futuro passageiro após a compra da passagem. Deste modo, aquela passagem que seria o primeiro passo na concretização de um sonho, passa a ser uma fonte de estresse futuro.

Forme sua própria opinião! Não se deixe levar por publicidade disfarçada ou unicamente pela opinião dos  outros

Aqui o Aquela Passagem tentamos subsidiar com informações os leitores. Evitamos ao máximo fazer escolhas pelos outros pela simples razão de que não queremos e nem podemos ser responsáveis pelas decisões de consumo de nossos leitores nem pelo serviço de terceiros. Mesmo acompanhando o mercado há anos, nunca teremos capacidade de saber tudo, acompanhar tudo ou conhecer o serviço de forma atualizada das principais cias aéreas, muito menos de todas as cias aéreas que oferecem passagens a um clique de seus dedos. Fazer previsões de promoções então, nem pensar! Mesmo assim, todos nós somos influenciados por nossos sentimentos, relações afetivas, comerciais e experiências passadas de consumo (eu nunca neguei que tenho uma relação afetiva com a Singapore), tornando um esforço diário a realização de matérias com o mínimo possível de contaminação por meus conceitos ou pré-conceitos. Mas nem com todo esse esforço, estou isento dessa contaminação! Nos comentários, deixamos intencionalmente que os leitores descrevam suas experiências de consumo a fim de fornecer mais informações e uma diversidade maior de opiniões.

Estimulados pelo sucesso deste blog/site, muitos outros nasceram, mas poucos têm um código ético claro. Muitos deles foram criados exclusivamente como mais um projeto para gerar lucros com visitação e outros visando chamar a atenção de alguma cia aérea e conseguir alguma cortesia. Para conseguir isso, a grande maioria faz posts com conteúdo efusivo, repetindo press releases e seguindo a mesma lógica do apelo emocional intencional com que são criadas as promoções, e com títulos voltados a pescar leitores no Goggle. E quem busca fazer uma boa compra, muitas vezes, é na verdade estimulando claramente ou dissimuladamente a realizar alguma ação (clicar em um link ou dirigir-se um determinado site) que gere lucro ao proprietário do site/blog. A necessidade de gerar renda por meio desses artigos acaba sobrepondo a intenção de informar com qualidade e isenção.  Já o bom e velho hábito de citar fontes das informações nos artigos passa a ser indesejável e dispensável, pois pode desviar os leitores do objetivo central desses sites/blogs, além  de expô-los  ao risco de ensinar o caminho das pedras e quebrar o elo de dependência que eles tanto querem criar. Infelizmente, como disse acima, todos nós somos influenciáveis, mas tem muita gente que se fantasia de especialista e vive a repetir conceitos dos outros como se fossem receitas de bolo aplicáveis a todos. Mas o pior mesmo é que alguns vivem a dar conselhos proféticos sem entender profundamente do que falam.

Não importa se sua fonte de suas informações é o Aquela Passagem (posts ou comentários) ou outros site/blogs ou se ela é graficamente mais elaborada ou que passe uma idéia de coisa mais profissional, leia sempre as matérias e os comentários com o senso crítico ligado e sob a luz de suas necessidades, tolerâncias e exigências pessoais. Só dessa forma você conseguirá descobrir se aquela anunciada promoção é realmente uma super promoção (uma boa promoção que atende tudo o que você queria e precisava de uma passagem aérea)!

Fique atento as taxas e aos custos extras associados diretamente a tarifa aérea. Sempre compare preços cheios (com taxas e serviços já inclusas)!

Hoje existem várias propostas de serviço pelo mundo afora. Mais recentemente entrou na moda cobrar por serviços que anteriormente estavam incluídos no preço das passagens. Pagamento por mala despachada, por marcação de assento, por refeição, por assento com um pouco mais de espaço apenas para as pernas, por bagagem de mão, entre outras cobranças podem ser encontradas por ai facilmente. E ainda se tem que somar as taxas, sendo que em vôos internacionais elas podem variar de cia para cia aérea. Soma-se a isso o fato que algumas cias operarem em aeroportos secundários mais distantes dos grandes centros aumentando o tempo de deslocamento ou o custo do mesmo até o aeroporto.

Não se deixe levar apenas pelo preço da tarifa anunciada. Simule o valor final que você pagará levando em conta suas necessidades (malas, alimentação…) somado as taxas e compare sempre esse preço final com os preços das concorrentes. Se tiver diferença de aeroportos servidos, avalie os custos e tempo de deslocamento.

Quer acumular milhas?  Conheça bem a tarifa que quer comprar e o programa de fidelidade no qual quer acumular!

Muitas passagens promocionais não permitem acúmulo ou permitem apenas um acúmulo parcial das milhas normalmente acumuladas naquela rota. Uma passagem promocional até pode acumular quantidades diferentes em programas de fidelidade diferentes da mesma aliança aérea. Existem tarifas que acumulam milhas normalmente, mas não valem para upgrade de status no programa de fidelidade ou não dão direito ao bônus por classe de serviço (Executiva, Primeira) ou por nível elite do programa de fidelidade. Assim, se as milhas são essenciais para que você se convença a comprar determinada tarifa, procure primeiro informações sobre a classe tarifária da passagem promocional. Depois vá ao programa de fidelidade onde você quer depositar as milhas para procurar se essa tarifa acumula milhas normalmente ou se há alguma restrição. Não deixe esse serviço na mão do seu agente de turismo, a não ser que ele realmente tenha interesse e domínio sobre o tema (neste caso, ele com certeza conhece o Aquela Passagem!). Não esqueça de se inscrever no programa de fidelidade antes de voar (muitos permitem a associação até dentro do avião), já que na maioria das vezes apenas trechos voados após ou durante a associação ao programa de fidelidade aérea valem para acúmulo de milhas ou pontos.

Como digo, uma boa passagem é aquela que agrada o bolso e o coração! Cada consumidor tem que encontrar seu próprio ponto de equilíbrio dessa equação.

Algumas outras dicas para evitar se contrariar com uma compra que inicialmente pareceu um ótimo negócio:

Tem dúvidas sobre datas ou rotas ou está sujeito a alguma mudança de planos devido a antecedência com que quer comprar sua passagem?

Então não compre uma passagem extremamente promocional, pois as multas para ajustar a passagem ao roteiro que você montou depois de comprar a passagem podem transformar aquela pechincha na maior furada. Tente reservar uma passagem com auxílio de um agente de viagens, se a tarifa permitir, ou opte por uma tarifa um pouco mais cara, mas que permita mudanças pagando-se multas e taxas menores. Paga-se mais hoje para ter paz no futuro. Lembre-se ainda que as passagens mais baratas são em número limitado e no caso de tentar alterar a passagem e não existirem assentos disponíveis na classe tarifaria altamente promocional que você comprou (risco alto), além de multas e taxas se paga a diferença de preço até o valor da tarifa mais barata disponível para emissão naquele momento.

Tem um compromisso importante ou vai fazer uma conexão com outra cia aérea em passagem comprada isoladamente? Não pode faltar?

Compre sempre passagens que te permitam cheguem com folga ao destino escolhido. Sugiro 48 horas ou um intervalo de tempo que permita que sejam realizados pelo menos 2 vôos da mesma cia aérea na mesma rota comprada. Nem você, nem a cia aérea são donos do tempo, dos aeroportos ou controlam a ocorrência de imprevistos. Economizar uma noite de hotel pode custar caro depois nesses casos.

Seguindo a mesma lógica, eu sempre tento marcar o trecho de volta da passagem baseando-me nos mesmos critérios. Assim, se por ventura ocorrer algum imprevisto ou vierem a oferece alguma vantagem para quem se dispor a dar seu lugar em caso de overbooking posso ficar tranqüilo que chegarei a tempo de retornar as minhas atividades como planejado.

Quer evitar ou se antecipar às surpresas? Acompanhe sua reserva!

As cias aéreas com uma frequência mais alta que pensamos, mudam sua passagem sem te comunicar. Você acaba descobrindo isso apenas ao chegar no aeroporto. Evite surpresas acompanhando a sua reserva no site da cia aérea ou nos sites específicos para isso dos GDS (Check MyTrip do Amadeus e o Virtually There do Sabre, por exemplo). Lá você confere se houve mudança na hora do vôo, nas conexões e se os vôos continuam confirmados. Descobrindo alguma alteração com antecedência fica mais fácil brigar para mudar ou tentar conseguir alguma compensação.

Tem pouco tempo disponível? Quer ajuda na escolha das melhores opções de vôos e auxílio no caso de algum imprevisto relacionado a sua passagem?

Procure um bom agente de turismo para te auxiliar no processo de compra. Quando digo agente de turismo, digo uma pessoa que entende do que está vendendo, que tem acesso direto (não via terceiros) a um GDS e que domina a ferramenta. Não me refiro a aquele vendedor de passagens apenas, que vende aquilo que paga mais comissão para ele.

Um bom agente te informa das regras, chama atenção para os riscos, te oferece opções de rotas, consegue adicionar trechos não listados nos sites, inclui stopovers (se a tarifa permitir) ou trechos surface, te envia a reserva via email em conjunto com o link para acompanhar a mesma na internet, orienta sobre parcelamentos disponíveis e ainda é co-responsável pela emissão da sua passagem.

Algumas vezes, se paga um pouco mais por isso, mas lembre-se que ele deve ser remunerado pelo conhecimento acumulado e pela consultoria realizada. Esse extra pode valer muito a pena, principalmente em se tratando de passagens internacionais quando seu conhecimento sobre o tema e tempo são curtos.

Os mais iniciados podem fazer isso por conta própria sempre sabendo que são totalmente responsáveis por suas escolhas. Mesmo me considerando um iniciado, sempre que emito minhas passagens, coto as mesmas com um agente de confiança. Não havendo diferença de preço nas cotações, faço a emissão via meu agente.

Escolha bem a forma de pagamento

Um bom cartão de crédito parece ser a melhor alternativa para o pagamento da sua passagem. Além de permitir o acúmulo de milhas/pontos no programa de fidelidade do cartão, pode ainda oferecer possibilidades de parcelamento. Outra vantagem é a possibilidade de acionar o cartão no caso de algum desacordo comercial. Alguns cartões oferecem seguros associados a compra de passagens por meio deles.

Category: Cias Aéreas, Consumidor, De Passagens Aéreas, Dicas de Viagem, Para um vôo tranquilo, Planejar e Comprar, Programas de Fidelidade Aérea, Promoção

Comentários (52)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Rodrigo Purisch disse:

    Gilmar,

    Já fizemos uma série sobre bagagens aqui. Pena que as regras mudam numa velocidade que não consigo acompanhar.

    https://www.aquelapassagem.com.br/category/bagagem/page/4/
    https://www.aquelapassagem.com.br/category/bagagem/

    Todo comentário usando um email ainda não aprovado fica retido para moderação. Usando esse mesmo email, os demais comentários serão liberados automaticamente.

  2. Reinaldo disse:

    Mauricio,
    em nenhum momento, durante o processo de compra, fui informado quanto à impossibilidade do reembolso, somente ao solicitá-lo. No e-ticket também não constava nenhuma informação a respeito. Salvo melhor juizo, não se deve pagar por serviço não prestado. Estou apenas buscando meus direitos de consumidor, junto à operadora ou ao PROCON, se necessário.

  3. Rodrigo Purisch disse:

    MPL,
    Infelizmente vôos diretos tendem a atrair mais consumidores. Mas uma empresa que não realiza vôos diretos acaba fazendo preço melhor visando concorrer na rota. A que realiza o vôo direto consegue cobrar e ter uma média de preço pago mais alto e até mais lucro com o vôo não tão cheio como o da concorrência.

  4. Rodrigo Purisch disse:

    https://www.aquelapassagem.com.br/about/ ou Twitter @aquelapassagem

    Obrigado por lembrar do blog/site. Nem sempre consigo responder imediatamente.

  5. Jefferson disse:

    Rodrigo
    Parabéns, nunca vou dormir sem passar por aqui para ver as novidades…
    Até fico triste quando não tem post novo.

    Abraço, Sucesso

    Jefferson

    Rodrigo
    Como sugestão… Crie um post sobre as Regras Tarifárias, principalmente sobre cobrança de reembolso feita pelas Companhias Aéreas. Nosso CDC (Código de Direito do Consumidor) não é favorável a tais cobranças.

  6. Emilio disse:

    Rodrigo,

    Parabéns pelo post ! Foi muito bom ler as dicas !
    Destaco a diferenciação de “agente de turismo” e de “vendedor de passagens”. Uma pessoa que entende do que está vendendo, enquanto que a outra só vende aquilo que paga mais comissão para ele.

    Abraços

  7. Fabiano disse:

    PARABÉNS RODRIGO PELO POST !

  8. Manolo disse:

    Na minha visão, se o consumidor não quer overbooking, tem de se submeter às regras da passagem, inclusive quando ela diz que é 100% não reembolsável. A empresa me vende a passagem. Pela regra que corretamente proíbe o overbooking, a empresa não pode vender de novo essa minha vaga no vôo. Aí depois venho eu e digo que não vou mais poder viajar e, por isso, quero o dinheiro de volta. Com isso, o assento fica vazio, a companhia deixou de vender um lugar por minha causa e ainda é penalizada. A meu ver, só se ficar provado que a empresa consegui vender aquele meu específico lugar no vôo é que eu deveria ter direito a alguma coisa, e mesmo assim nem tudo, porque a empresa teve gastos administrativos.

    90% das reclamações feitas aqui no AP são procedentes. Mas algumas reclamações são tão exageradas que chegam a diminuir a credibilidade daquelas que efetivamente merecem ser corrigidas. Sou advogado e viajo muito, a trabalho e a lazer. Já perdi as contas de quantas vezes processei e ganhei ações contra companhias aéreas (atrasos na ida ou na volta, perda temporária de bagagem, mudanças de data ou de horário sem prévio aviso – já passei por cada uma…). Atualmente, tenho três ações em curso (duas contra a TAM e uma contra a Gol). Em março já fiz acordo com a TAP e aceitei como indenização uma passagem para qualquer lugar para onde a TAP voe, para ser usada em até 24 meses. Mas tenho de reconhecer uma coisa: é Código de Defesa do Consumidor, não é código de destruição da empresa. Se a gente começar a aloprar naquilo que não tem direito, vai terminar perdendo a razão naquilo em que tem direito, que são a maioria dos casos.

    Com todo respeito a quem pensa diferente, sempre.

  9. Beto borja disse:

    Rodrigo simplesmente bárbaro!!!! Vida longa ao AP.

    Beto

  10. Leandrim disse:

    Post muito esclarecedor, como sempre.
    Interessante notar como, na maior parte dos outros blogs (e eu entro em outros) o foco são pessoas reclamando que “não tem promoção no trecho ABC pro trecho YPZ”; “tal companhia não vai fazer nunca promoção para tal cidade”; ou “eu também quero viajar de avião, barato”, etc.
    Eu acho que as promoções são muito interessantes. Fui de Azul, no começo da Companhia, da VCP – SDU por 50 reais. Ainda arrumei um código de desconto que tirou mais 10% disso. Ficou 90 reais mais taxas por pessoa.
    Agora, essas promoções do tipo Europa via Dubai, num voo de 28 horas, prá mim não servem. Como disse um leitor acima, PARA ELE, aquela promoção foi muito interessante e isso tem que ser levado em conta. O cálculo do ônus é individual.
    E o preço da passagem é apenas parte do custo da viagem. Como eu já disse aqui, eu sempre dou uma cotada nos hoteis antes de comprar uma passagem, prá saber como estão as coisas. Uma passagem 200USD mais barata pode não compensar se o hotel ficar, por exemplo, 40USD mais caro, numa viagem de uma semana.
    Para quem é interessante, excelente. Mas no final, o grande recado do post é aquele, né: Leia as regras, sempre.
    E cuidado com companhias com problemas. A TAP está relatando, inclusive via twitter, que está com um prejuízo diário de 500.000 EUR. Bom sinal não é, né?
    Abraços a todos.

  11. Fabio Caruso disse:

    oi Purisch,

    tudo bem? novidades no aéreo do Brasil, AZul inicia CNF/BEL em novembro sem escalas reforçando sua malha em BH e TAM iniciará POA / AEP.
    fonte panrotas
    abçs

  12. Rodrigo disse:

    Manolo, entendo seu argumento, e até concordo. Mas acho que então deveria ser aceito o endosso do bilhete, uma vez que paguei pelo lugar e não vou utiliza-lo, eu deveria poder dar este lugar ou mesmo vender a outra pessoa e isso não ocorre.

  13. Rodrigo disse:

    Willian, concordo com vc, mas as pessoas cultas que frequentam este site são no máximo 0,1% da população brasileira, a qual é carente e ignorante. Por tanto eles visam muitas vezes em várias de suas promoções estas pessoas e as enganam com flasas ilusões. Tipo o que as Casas Bahias fazem.

  14. Sergio S. disse:

    Preço não é só custo + margem (mark up). Pode ser também escolhido a partir da demanda, o que, do ponto de vista das companhias, faz mais sentido econômico.
    É exatamente esse o caso. As rotas indiretas operam com um deságio sobre o valor da rota direta, para que haja atratividade (normalmente). E a rota direta depende mais do quanto o pessoal está disposto a pagar (vide alta e baixa temporadas).
    Abs

  15. Cinthia Rangel disse:

    Excelente post! Bastante esclarecedor mesmo!
    Ab,
    Cinthia Rangel.

  16. glauber disse:

    Manolo, estou num perrengue com a Gol. Fiquei sabendo ontem que me cancelaram um voo que comprei há mais de mês e me jogaram pra outro vôo que não atende as minhas necessidades.

    Via atendimento on line e SAC disseram que se nenhum voo 1 dia antes ou 1 dia depois me servir, que eu poderia solicitar o reemboldo integral.

    porém este reembolso ia me lesar já que agora, em cima da hora, por outra empresa, só conseguirei um voo que me atenda por 6x o valor que eu tinha comprado.

    Propuz que marcassem um bilhete para outra data e destino como forma de me ressarcir mas negaram, alegando que a anac permite o cancelamento de voos.

    Como sugere eu agir pra colocar bem no fundinho do fiofó desta empresa de m….?

    Cansei de ser lesado pela gol. Sinto que chegou a minha vez de exercer a minha cidadania.

    Uma vez fiquei enfiado 2 horas dentro de um avião da gol, que já tinha atrasado um monte, porque eles tentaram juntar as pessoas de 3 voos não bastasse tiveram a capacidade de colocar dentro da aeronave 4 passageiros a mais que tinha assentos.

    Enfim, depois de quase 2h de negociação, 4 passageiros que estavam sentados deram lugar aos 4 que estavam de pé e então bastou a gente aguardar que todas as malas fossem retiradas do avião até que encontrassem a bagagem dos passageiros que desceram.

    Na época eu era empregado, não tinha disponibilidade pra ficar matando serviço atrás da justiça meia boca do nosso país, mas agora sou autonomo e pretendo exercer minha cidadania com juros e correção monetária.

    Depois deste episódio a gol passou a ocupar a 2a posição na minha lista de empresas mais mediocres, atrás apenas da oi/brasil telecom que conseguiu me deixar uma linha móvel 6 meses sem funcionar (tudo registrado desde o início no cabide de emprego chamado anatel)

    Se tiver alguma dica pra eu colocar bem no fundinho da oi tambem agradeço, essa linha voltou a funcionar hoje e agora estou planejando procurar a justiça comum.

  17. glauber disse:

    Olá Rodrigo!

    Nesse link não apareceu opção de postar ou enviar mail. Twiter eu não tenho. Tem um mail não? E resumo li na uol sobre parceria entre o itau e o programa tudo azul e recebi um mail do flying blue oferecendo milhas em dobro e stop over free em voos do brasil pro japão!

    E parabens pelo site! Devo a você(s) quase tudo que sei hoje sobre o mundo das passagens aéreas…. e algumas das minhas viagens…. se tivesse um link pra doação voluntária eu faria com certeza hehe

  18. Daniel disse:

    Rodrigo, a quantidade de informação desse post é muito interessante! parabéns! gostaria de sugerir que o tópico fosse fixado com destaque na parte de promoções, na aba acima, pois é um daqueles que não se esgota em uma única visita.

  19. Rodrigo Purisch disse:

    Daniel estou devendo uma reformulação completa desse menus acima. Tem muita coisa boa fora deles e um pouco de coisa desatualizada. O blog tem 4 anos e hoje estou tendo de decidir se escrevo ou faço manutenção nele… Vamos ver se consigo fazer isso nas minhas férias, isso de a família permitir já que o blog é um sério concorrente deles..rsrs Mas esse post e um sobre trombose venosa merecem um destaque melhor.

  20. Daniel disse:

    Rodrigo, eu compreendo. Frequento semanalmente o seu blog e sei das suas limitações de tempo. que bom q a sugestão foi bem-vinda. boa sorte!

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.