United/Continental, Avianca/Taca e Copa Atuando Juntas. Como Fica o Consumidor da América Latina?

27 de janeiro de 2011 | Por | 21 Comentários More

As grandes consolidações e acordos operacionais não param de ser anunciados. Air France/KLM mais Alitalia atuando junto com a Delta, Iberia/British atuando junto com a American, American atuando junto com a JAL, United e Continental em um grupo só, Avianca comprando a Taca e Lan comprando a Tam e Aires da Colômbia são apenas algumas amostras desse processo.

Agora o grupa Avianca/Taca anunciou a intenção de estabelecer acordos de cooperação que envolvem código compartilhado de vôos, parcerias entre programas de fidelidade entre outras ações com a Copa e a United/Continental. É esperado que o acordo comece a surtir algum efeito em abril de 2011 inicialmente envolvendo os programas de fidelidade. Posteriormente os acordos de código compartilhados serão estendidos para as rotas entre EUA e Colômbia, EUA e América Central e América Central e Colômbia. Não foi divulgado nada ainda sobre as atividades na América do Sul.

A competição Lan, Taca, Avianca, Copa (que tem laços fortes com a Continental) e Tam foi sempre muito importante para os consumidores das Américas, mas as cias que se fundem estão se associando em dois grandes polos. De um lado a Latam e do outro o resto. Se isso parece ser bom para as cias aéreas (redução de custos e ampliação de malha por meio de code share) e inicialmente também para os associados dos programas de fidelidade, será que é realmente interessante para o consumidor da América Latina?

Por muitos anos, as cias da América Latina viveram momentos de monopólios em seus mercados com tarifas muito elevadas. A competição nos vôos internacionais na região é recente e parece que não deve durar muito nos moldes atuais. Várias propostas é sempre melhor que duas propostas de serviço para o consumidor. Nós sabemos disso no Brasil.

Uma coisa é a participação dessas cias aéreas na mesma aliança, já que a Avianca/Taca e Copa foram convidadas a participar da Star Alliance, outra coisa é uma cooperação tão próxima que só não se chama fusão porque a legislação de vários paises não permite isso como ocorre na União Européia. Veja a dificuldade para formar a Latam.

Espero que essa cooperação no papel  não se mostre uma fusão na realidade. Isso poderia levar a um acordo de tarifas entre as cias participantes. Tomara que se mostre apenas como uma antecipação de acordos normais seriam mesmo realizados no momento do efetivo ingresso das convidadas a integrantes da Star Alliance, já que o processo consome tempo e dinheiro das cias aéreas.

Fonte: Press Release da Taca.

Tags: , , , , , , , ,

Category: Aliança Aérea, Cias Aéreas, Programas de Fidelidade Aérea

Comentários (21)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Pedro disse:

    Dei uma olhada no site da Aires e não não consigo mais achar destinos fora da Colômbia(com exceção de Fort Lauderdal). Será que foi uma consequência de sua compra pela LAN?

  2. Rodrigo Purisch disse:

    Cancelaram quase todas as rotas internacionais depois da compra da Lan.

  3. Tomara que seja isso mesmo Rodrigo.

    Esses últimos meses foram positivos em termos de concorrência que resultaram em preços mais atrativos e consequentemente mais consumidores voando.

    É inegável o benefício para as cias a chamada fusão, parceria ou integração, gera-se sinergia e economia nos procedimentos. O que eu não gosto particularmente de ver é a destruição tão rápida da marca comprada, ex: Aires da Colômbia. A Lan após a compra, eliminou algumas rotas, alterou outras e beneficiou as suas com marca própria. (LAN, só falta a TAM virar Lan Brasil).

    Ou seja, todo o histórico da empresa, da marca, todo o seu esforço de comunicação durante a vida da empresa, são descartados e alterados. Sei que o capitalismo tem disso, mas eu penso que pode ser diferente.

  4. Paulo disse:

    O pior disso é que a Lan já operava Bogotá x Mia e ao invés de cancelar apenas a Rota Bog x F. Lauderdal que é a única que concorria c/ a sua rota e manter as rotas BOG x NY e Pereira x Panamá, ela simplesmente faz o contrário.
    Não sei não mas acho que a Latam será um atraso para o consumidor se for tomar como base essas operações iniciais na Colombia.
    Tive oportunidade de voar aires de BOG p/ Cartagena e posso dizer que era uma empresa muito justa, bem parecida com a Gol no inicio!

  5. Alexandre disse:

    Ano passado aproveitei a tarifa da Qatar (pontuando na United) e esse ano estou com passagem comprada para Miami, em uma combinação de Voos Taca/Copa. Imaginava utilizar as milhas da primeira viagem em hotéis ou na locação de carro nos EUA, mas com essa possibilidade, penso em manter as milhas no cartão e acumular essa nova viagem no mesmo programa(espero que até lá isso seja possível)…

  6. Beto disse:

    Confesso que para mim essas fusoes nao cheiram Bem! Claro que e muito facil a criacao de carteis e ai quem perde somos nos!!!

    A conta vai sobrar Pra nos!! Infelizmente

    Abs

    Beto

  7. Fernando disse:

    Alexandre,
    como vc fez para usar as milhas da United, adquiridas via Qatar?

    Ano passado eu tb voei na Qatar e somei +/- 21.000 milhas na United… Foi fácil emitir?

  8. Alexandre disse:

    Fernando, não emiti. Como disse acima, vou fazer um novo trecho e espero, até lá, poder somá-las as mesmas 21k da Qatar. A opção inicial seria utilizar as milhas (tenho também as da minha namorada) em hospedagem na disney, ou mesmo no aluguel de carro. Agora vou esperar essa definição da Copa na STAR.

    Abs

  9. Gabriel Dias disse:

    Em aluguel de carro não acho vantagem, pois na Flórida é muito barato, principalmente quando não se faz seguro (usando o do cartão de crédito).

  10. Vinícius disse:

    Infelizmente eu acho pouco provável que os preços melhores para os passageiros em virtude do preço das tratativas das compenhias aéreas. Voos internacionais tendem a ficar menos interessante.

  11. Vinícius disse:

    Willian, é verdade que com as fusões os preços deveriam melhor, afinal, a logística e o consequente gasto das empresas tendem a melhorar, especialmente para mercados onde exista essa competição, como o Europeu e o Norte-Americano.
    No entanto, acho que para voos dentro da América do Sul essa disputa tarifária não ocorrerá e por consequencia os preços deverão permanecer os mesmos praticados hoje.

  12. Pedro disse:

    Isso foi um grande perda para o consumidor, pois essas duas rotas (BOG x NY e Pereira x Panamá)tinham excelentes preços. Estava planejando usar minhas milhas até Bogotá, e de lá ir para o Panamá pela Aires. Mas agora o plano foi por água abaixo.

  13. David disse:

    Acho que ganha o pax com mais opções de acúmulo de milhagem e de voos mas perde o consumidor com menores opções em termos de concorrência.

  14. jose disse:

    aos amigos que estao pensado en utilizar as milhas para hoteis/carros, segue um comparativo:

    Don’t Use Miles for Non-Airline Awards
    Every time you look there’s another offer for them. One of the most tempting is redeeming miles for hotel stays. Don’t give in: It’s a bad return on your miles, even if you book a five-star hotel such as the St. Regis in New York (see table below). We advise redeeming miles only when you can get a return of at least 2.5 cents per mile or more, the price at which most American carriers sell miles. Hotel awards usually have a return of less than 1¢ per mile! Redeeming airline miles for most hotel stays yields a return well under one cent, and even at luxury hotels it’s only about one and half cents. Moreover, once you book the stay, you cannot get the miles back if you cancel. The last column of the table highlights the folly of trading miles for hotel nights. The cost of replacing the SkyMiles required for a one-night stay at the St. Regis would give you six nights at the hotel.

    Mileage Cost of One-Night Stay at St. Regis, NYC
    Airline / Mileage Program Miles Needed Standard Room Rate Return on Miles Cost to Replace Miles
    American / AAdvantage 61,050 $695 .0113¢ $1,555
    Delta / SkyMiles 163,448 $695 .0042¢ $4,592
    United / Mileage Plus 89,950 $695 .0077¢ $2,972

  15. Gabriel Dias disse:

    Foi o que eu disse…

  16. LUIZ FILIPE LISKA disse:

    A NADATAM não deu as cara com PROMOÇÃO, no smiles ainda tem muito trecho com
    5 mil milhas por trecho, um Abraço do FOFOOOOOOOOO

  17. LUIZ FILIPE LISKA disse:

    OUTRA DICA: pela AA CNF/MIA/CNF ida 16/03 volta 27/03/2011 R$ 1.163,20 c/ txs.
    OU ida 01 ou 03/04 volta 09/04/2011 R$ 1.143,58 c/ txs.Boa viagem FOFOSSSSSSSS

  18. Vinícius disse:

    Luiz,
    Infelizmente a TAM tem ficado muito para trás nas promoções. Neste aspecto a Smiles tem dado um banho na TAM.

  19. Daniel disse:

    Mesmo com a grande dificuldade de emitir passagens com milhas ainda é de longe o melhor custo beneficio, as minhas são unicas e exclusivas para emissão de passagens. Este ano espero emitir 4 executivas AA pelo SMILES para Orlando no periodo de natal e reveillon, falta poucos pontos.

  20. Nadine disse:

    Gostaria de fazer trecho GRU-LAX em outubro, que é baixa temporada.
    como a conversão para cartão demora 8 dias uteis, sempre fico em dúvida de converter para TAM ou Smiles, nenhuma das duas tem as datas que preciso!

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.