Vistos: Brasil Incluído em Listas de Países Mais Problemáticos para Emitir Visto para Americanos

6 de novembro de 2011 | Por | 104 Comentários More

A necessidade de um visto de turismo muitas vezes posterga uma viagem ou mesmo tira da lista de opções alguns destinos interessantes.

Da minha parte, já deixei de retornar ao Canadá e ao Japão, além de visitar a Austrália pela necessidade de conseguir um visto. Como não moro em São Paulo, a emissão de um visto para esses paises acaba envolvendo uma logística ou mesmo custos que me pareciam tornar o destino menos atraentes perante outras opções disponíveis. Isso fica pior quando se toma uma decisão de voar de última hora aproveitando-se de uma promoção de passagens.

Apesar de saber e vivenciar esse dilema, não sou um dos defensores da abolição de visto prévio para viagens aos EUA. Ainda sou da opinião de que passar por uma peneira no Brasil é melhor que passar pelo processo todo na imigração americana (mesmo após várias renovações de visto americano, já tive que ir para a salinha explicar porque viajava tanto…). Acredito sim que uma renovação do visto, que hoje já vale por 10 anos, poderia ser feita à distância diretamente com o consulado sem obrigar deslocamento de turistas que residam fora da cidade que abriga um consulado americano.

Melhor fazer como o México que aceita a peneira feita por outros (no caso, aceita visto americano válido para entrar no México) ou permite emitir uma permissão via Internet.

Mas se você está pensando que só nos brasileiros sofremos com a emissão de visto, você está enganado! O site Budget Travel publicou uma lista de países que valem uma visita, mas que têm um processo complicado de emissão de visto para o turista americano. Na lista estão China, Índia, Butão, Rússia (brasileiros não precisam de visto), Irã, Cazaquistão, Arábia Saudita e Brasil.

Segundo uma representante de uma agência de emissão de vistos americana, além desses documentos listados aqui, alguns consulados brasileiros pedem papéis adicionais para liberar o visto. Segundo essa fonte da matéria, o consulado brasileiro em Los Angeles pede uma carta da esposa de turistas homens casados viajando sozinho na qual ela diz que concorda com a viagem. Ela ainda relata que as regras e os tempos de processamento podem variar entre os vários consulados brasileiros.

Não tive como confirmar essa informação da matéria, mas se for verdade, dá para ficar com vergonha disso, mesmo que a intenção seja de reduzir o turismo sexual. Imagina se o consulado americano pedisse uma carta do marido de mulheres viajando sozinhas para Miami ou Nova Iorque liberando a viagem a esses paraísos de compras? O que diríamos deles?

Os vistos podem ser até necessários, mas que eles fazem você se sentir não desejado ou com seu direito de ir e vir limitado, isso eles fazem.

Tags:

Category: Vistos

Comentários (104)

Trackback URL | Comments RSS Feed

  1. Harpia disse:

    O que veio antes? O ovo ou galinha?
    O que veio antes? A ação ou reação, o ato ou reciprocidade?

    Versão Ovo:
    Porque EUA exige Visto? Porque muitos brasileiros permanecem ilegalmente nos EUA. Porque Brasil exige Visto? Porque adota reciprocidade.

    Versão Galinha:
    Porque Brasil exige Visto? Porque muitos americanos permanecem ilegalmente no Brasil. Porque EUA exige visto? Porque adota reciprocidade.

    Não me parece que a Versão Galinha seja verdadeira.

  2. Fernando Lima Gama Junior disse:

    Perfeito Harpia, você tem razão em relação à cronologia dos fatos. Mas uma vez estabelecidas as relações jurídicas de reciprocidade não há que se falar em absurdo nos procedimentos brasileiros para americanos, já que os que eles adotam em relação a nós também o são. Assim, em razão de ter havido imigração ilegal de brasileiros para os EUA, aquele país entendeu que valia a pena o desgaste diplomático de exigir visto para nós, em detrimento do seu turismo. É perfeito e legítimo dentro da ordem jurídica internacional. O que não se pode é aceitar o desgaste e depois reclamar de ter recebido o tratamento igual e de, agora que o Brasil está em uma situação, reclamar que o visto atrapalha o turismo norte-americano.

    Eu acho que eu não teria nenhum problema em conseguir o visto. Mas nunca cheguei a tentar e espero que não seja necessário. Enquanto esse dia não acontece, eu prefiro viajar pelo Brasil e para outros países mais “amigáveis”do que me estressar com isso – para alguns pode não ser nada, pode ser normal, pode ser pior no Brasil, mas eu ainda prefiro ter problemas com órgãos públicos brasileiros do que com estrangeiros. Pelo menos podemos discutir e brigar pelos nossos direitos na justiça. Quando o visto é negado, não há para quem lamentar. E como não há regras claras – são totalmente discricionárias – aqueles que pedem o visto ficam à mercê dos funcionários locais que concedem os vistos com base em critérios obscuros, sem chance de recurso. Exatamente como estão reclamando que o consulado brasileiro está fazendo nos EUA. Eu não preciso disso, mas cada um sabe o que quer e o que precisa da vida.

    Abraços,

  3. Carlos Eduardo disse:

    Assino embaixo !!!

  4. Adolfo disse:

    Basta colocar um americano vivenciar a selvageria que é o processo de obter o visto americano em São Paulo, que saímos desta lista rapidinho !

  5. Bruno Peixoto disse:

    Pelo que entendi, se alguém faz uma coisa errada e estúpida comigo logo devo fazer o mesmo com ele. Que bom!

  6. Fernando Lima Gama Junior disse:

    Bruno, é exatamente isso. Direito significa, antes de mais nada, mediação, ou seja, a possibilidade de conflitos sejam resolvidos por um terceiro mediador (juiz), evitando que as partes o façam diretamente. No entanto, em razão da soberania dos Estados, não existe uma Corte Internacional capaz de obrigar um país a adotar este ou aquele procedimento. Não existe uma câmara legislativa internacional que elabore normas e regulamentos a serem seguidos por países em todo mundo. Como existe a soberania, não há o que chamamos de jurisdição internacional. Em razão disso, os atos tomados por Estados soberanos contra outros ou contra cidadãos de outros países não podem ser discutidos ou revistos; são, pela diplomacia internacional, objetos de retaliação pura e simples. E aí surge o princípio da reciprocidade. Quando há mediação, direito, não se admite que as pessoas utilizem a retaliação como forma de conseguir seus intentos. Se alguém lhe machuca dentro do Brasil, isso não lhe dá o direito de retaliar porque você tem o meio certo para fazer isso; a justiça. Mas ante a ausência dessa possibilidade no plano internacional, a é considerada legítima a adoção de retaliações a países. E o Brasil tem feito assim, não só em relação ao visto norte-americano, mas em diversas outras situações, tais como:
    a) a proibi̤̣o dos brasileiros dentistas atuarem em Portugal Рo Brasil retaliou suspendendo o direito dos dentistas e m̩dicos portugueses atuarem no Brasil;
    b) a imposição, pela Argentina, de cotas aos produtos da linha branca produzidos no Brasil (geladeiras e fogões) – o Brasil retaliou aumentando o prazo para a liberação na alfândega de veículos argentinos;
    c) o exigência de comprovação de vacinação para entrar na Espanha – o Brasil exigiu o mesmo comprovante dos espanhóis.
    d) suspensão temporária da imunidade diplomática para fins de revista de bagagem pelos EUA em 2001 – o Brasil passou a revistar a bagagem de diplomatas norte-americanos.

    Homens fazem idiotices todos os dias. Se é possível discutir a questão em juízo, não há que se falar em retaliação. Mas como isso não é possível no plano internacional, adotou-se o princípio da reciprocidade que quer dizer exatamente isso (retaliação), mas de um jeito mais educado politicamente.

    Abraços,
    Fernando Gama

  7. Janaina disse:

    Francisco, a questao é justamente essa, ter ou não perfil. Mas qual é esse perfil exigido? Em nenhum momento eu disse que me foi negado o visto da primeira vez porque eu era mulher. Eu disse que eu fui sozinha, sem meu marido, e iria viajar somente eu e nossa filha para a Disney e que o funcionário me disse que eu não apresentava vínculos suficientes com o Brasil para retornar. E isso é fato. Aconteceu. Levei todos os documentos que eles exigem(critérios objetivos) e mais um pouco. Respondi tudo o que me foi perguntado. Qual seria então, segundo tua opinião, o perfil necessário para se conseguir o visto? Até hoje eu não sei. Só posso te dizer que, da segunda vez, fui com o meu marido, que iria e vai viajar comigo e nossa filha, também levamos todos os documentos exigidos e conseguimos. Ponto. É isso. Não tem o que discutir ou argumentar. Os fatos foram esses e acabou. Da primeira vez não deram o visto e da segunda, deram.

  8. Janaina disse:

    Flávia, quando resolvi procurar um despachante para preencher o formulário exigido para se obter o visto americano foi justamente para evitar de, eu, sozinha e sem ter um excelente inglês, preencher incorretamente alguma questão por total desentendimento. Também não contratei nenhum despachante porcaria. Procurei, numa renomada agência de viagens, uma referência para tal serviço. Eu, meu marido e nossa filha fomos até lá, respondemos todas as perguntas que a funcionária desse despachante fez, pagamos e pronto. Eu não sei se estou exigindo demais mas, a meu ver, um prestador de serviço que só faz isso, ou seja, que preenche formulários e mais formulários de todos os tipos de países que exigem tal formalidade, deve, no mínimo, preencher conforme as respostas dadas. O serviço deles não é e nem nunca foi garantir a concessão do visto pretendido mas, preencher os papéis corretamente me parece que tem que ser garantido. Tanto é que quando a funcionária do consulado me fez as perguntas cujas minhas respostas estavam diferentes das respondidas no formulário, ela quis saber o motivo e eu expliquei. As minhas respostas, verdadeiras e sem motivo algum para mentir, convenceram-na e ela me concedeu o visto. Aliás, ela tinha todos os motivos para negar, mas não o fez porque viu que tanto eu quanto meu marido estávamos sendo sinceros e que o despachante havia respondido erradamente. Uma coisa é o tal do perfil, ou a falta dele, para conseguir o visto, o que acho que já está bem exemplificado nos relatos anteriores e outra é o fato de nos indignarmos com serviços pessimamente prestados por pessoas que se utilizam de consumidores como eu, que não querem errar no preenchimento ou, simplesmente, não estão a fim de fazê-lo, e contratam, por indicação, esse serviço.

  9. Luciano Martins disse:

    É tão cansativo e desgastante ler essas discussões de internet……
    zzzzzzzzzzzzz

  10. Molero disse:

    “Eu acho que eu não teria nenhum problema em conseguir o visto”

    Não. Você já tentou e foi barrado. Simples.

    E pela raiva e radicalismo que destila nos comentários, não foi só uma vez.

  11. Antonio disse:

    Em Paris se compra um carro ZERO km (Renault Twingo) à partir de 30 Euros por dia, SE VOCÊ FOR FICAR MAIS DE 21 DIAS COM O CARRO), se for ficar menos de 21 dias te alugam o mesmo carro pelo mesmo preço por dia (só que aí o carro não é zero km) isso mesmo, é um tipo de compre um carro ZERO e só pague 30 Euros pelos dias que você o utilizar, Carro com Ar-condicionado, Piloto Automático, ABS, 2 Air-Bags, Farois com Acendimento Automático, Sensor de Chuva, Seguro Total (7 dias / 24 horas), Kilometragem livre, se você chegar no CDG (aeroporto Charles D’Gaule), eles te buscam de van e te devolvem de van gratuitamente, http://WWW.TTCAR.COM.
    Caro lá é só a comida em média uns 50 Euros por almoço/jantar por pessoa que coma bem.

    Vou viajar aqui e pagar preços de Dubai para ficar em uma cidade tipo a minha, nunca.
    O salário mínimo lá é uns 1.300 Euros. a mão de obra lá é muito mais cara que aqui.

  12. Antonio disse:

    Em tempo morar lá nunca, mas passear lá sempre que eu puder.

  13. Bob o Americano disse:

    Oi,

    Da matéria:

    “Segundo essa fonte da matéria, o consulado brasileiro em Los Angeles pede uma carta da esposa de turistas homens casados viajando sozinho na qual ela diz que concorda com a viagem.”

    está transduzida errada. O inglês sugere que pode precisar permissão do marido o mulher dependendo que está viajando, não só da mulher.

    “For instance, the Los Angeles office, according Habimana, has been known to ask married travelers making a solo trip to São Paulo to provide a letter from their spouse saying it’s OK for them to make the journey.”

    Bob

  14. ISSO MESMO BRASIL !!

    O CONSULADO BRASILEIRO TEM QUE FAZER ISSO COM OS AMERICANOS, PORQUE NÓS BRASILEIROS SOMOS HUMILHADOS, OS FUNCIONÁRIOS DO CONSULADO AMERICANO NO BRASIL, NOS TRATAM MUITO MAL… NÓS BRASILEIROS, NA HORA DE EMITIR UM VISTO , E QUANDO TEM O VISTO NEGADO NÃO DÃO EXPLICAÇÃO POR QUAL MOTIVO, NÃO FOI AUTORIZADO,,,, E VOCÊ NÃO TEM OS VALORES DAS TAXAS REEMBOLSADA DE VOLTA, SEI DOS RELATOS DE AMIGOS, PESSOAS PRÓXIMOS.

    EU RECUSO-ME A PAGAR QUASE R$ 500,00 PARA EMITIR UM VISTO AMERICANO, POR ISSO QUE VOU PARA EUROPAAAAA !!! ALÉM DE ENFRENTAR A MARATONA DE ETAPAS ENTREVISTAS, AGENDAMENTOS , PAGAMENTO DE VÁRIAS TAXAS, UMA VIA CRUCIS ETC

    OS EUA PRECISAM MAIS DA GENTE, NÓS BRASILEIROS, DO QUE NÓS DELES, PORQUE O EUA É UMA PAÍS EM RECESSÃO, E NÓS BRASILEIROS ESTÃO LEVANDO RIQUEZA COM COMPRAS EM MIAMI, ORLANDO, MOVIMENTANDO A ECONOMIA, GERANDO RECURSOS, MANTENDO OS EMPREGOS DOS AMERICANOS.

    OUVI DIZER E LIR MATÉRIAS, E TAMBÉM NA TV: QUE QUEREM ACABAR COM O VISTO PARA OS BRASILEIRO, ACHO QUE EM 2013 OU 2015, NÃO LEMBRO !
    SÓ ACREDITO VENDO !!

    POR QUE OS EUA ARRECADAM MUITO COM AS TAXAS, GERAM RECEITAS A EMISSÃO DE VISTOS, E O GOVERNO AMERICANO ESTÁ PRECISANDO DE RECURSOS EM SEUS COFRES !

  15. SOMANDO OS VALORES DAS VÁRIAS TAXAS QUE SE PAGA, PARA EMITIR UM VISTO AMERICANO, NO BRASIL, CHEGA-SE UM TOTAL DE QUASE R$ 500,00 UM ABSURDOOOOOOOOOOOO !!!!!!!!!!!!!

  16. RABUGENTO disse:

    Também ouvi essa notícia no rádio.

    Eu só iria até lá pelas compras. Por mim nem precisaria de visto. Podem me levar até o shopping e despachar de volta.
    Não me interesso pelo resto.
    Prefiro a Europa para o resto… 😉

  17. Cris disse:

    Existem algumas pessoas na Embaixada que são antipáticas , mas não acho que seja humilhação , acho que são rigorosos e ele têm seus motivos. Quantos crimes ficamos sabemos que são cometidos aqui no Brasil por estrangeiros, imigrantes ilegais etc ? E o contrário ? Quantos brasileiros ilegais estão cometendo crimes ou já cometerem crimes nos EUA ? É só abrir um jornal de comunidades que vc l~e todos os dias notícias brasileiros sendo presos por tudo quanto é típo de crime lá. Então não acho que eles estão errados, eles tem receio porque não tem como saber quem é quem … infelizmente pagamos pelos pecadores ou criminosos nesse caso , e que não são poucos. Quem sabe quando o brasileiro mudar essa “fama” que tem no mundo todo ele seja mais respeitado. Respeito se conquista não se ganha e é através de bons exemplos e atitudes.

  18. RABUGENTO disse:

    Isso acontecerá se passarmos a esconder as notícias do que se passa aqui como o fazem por lá.

    Lembrem-se que há 3 milhões, eu disse três milhões de presidiários lá nesse país do norte.

    Nada menos que 1% da população do país.

  19. Cinthia Rangel disse:

    Wesley,
    E vc está esquecendo de considerar os gastos que uma pessoa tem que fazer para se deslocar de seu Estado de origem e ir para outro onde tenha o Consulado.
    Daí, o visto fica ainda mais caro, computando gastos com hotéis, passagens aéreas e alimentação.
    Quem não tem onde ficar, gasta um absurdo para tirar o visto americano.
    Ab,
    Cinthia.

  20. wagner disse:

    Qtos teríamos aqui se realmente funcionasse?

Deixe um comentário

Os comentários publicados aqui são de exclusiva e integral responsabilidade de seus autores. Comentários que julgarmos conter termos chulos, que não respeitem a opinião dos demais, que tratem de problemas comerciais individuais com terceiros, que promovam o comércio de milhas, que tragam termos preconceituosos, que sejam identificados como textos publicitários ou que visem apenas denegrir a imagem de terceiros serão moderados e/ou excluídos. Comentários sem identificação clara de seu autor (nome e/ou email válido) também poderão ser excluídos.